[Resenha] O Livro do Cemitério HQ

O Livro do Cemitério HQ
Título Original: The Graveyard Book Volume 1 (The Graveyard Book #1)
Autor(a): Neil Gaiman
Ilustrações: Kevin Nowlan; P. Craig Russell; Tony Harris; Scott Hampton; Galen Showman; Jill Thompson; Stephen B. Scott
Editora: Rocco (Jovens Leitores)         Páginas: 192
Lançamento: 2017                               ISBN: 9788579803871
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||

Bestseller do The New York Times e premiado com as medalhas Newbery (EUA) e Carnegie (Reino Unido), o romance O livro do cemitério, do cultuado escritor Neil Gaiman, ganha versão em quadrinhos adaptada por P. Craig Russell, parceiro de Gaiman em diversos livros, incluindo a versão em HQ de outro clássico do autor, Coraline. O livro é o primeiro de dois volumes que acompanham a trajetória de Ninguém Owens, ou Nin, um garoto como outro qualquer, exceto pelo fato de morar em um cemitério e ser criado por fantasmas. Cada capítulo nesta adaptação de Russell acompanha dois anos da vida do menino e é ilustrado por um artista diferente, apresentando uma variedade fascinante de estilos que dão ainda mais vida à atmosfera ao mesmo tempo afetuosa e sombria da história.
Neil Gaiman escreve há um bom tempo, mas foi somente em 2013 que eu conheci sua obra. O primeiro livro dele que li foi O Livro do Cemitério e fui totalmente cativada pela história do garotinho que saiu de casa enquanto os pais eram assassinados e foi parar em um cemitério. Lá foi acolhido, protegido e adotado por um casal.

Imaginem minha alegria quando soube da adaptação da história para o formato de quadrinhos? O livro possui ilustrações que enriquecem a leitura, mas não muitas. Então, pela peculiaridade do universo do cemitério, ter algo ainda mais visual é como oferecer doce para criança. Todo fã da obra e de Gaiman vai se sentir deliciado com este quadrinho.

E logo nas primeiras páginas você já se sente mergulhado na trama. O livro me passava a impressão de estar ouvindo uma história contada por uma mãe ou avó para a gente dormir e o quadrinho me levou para dentro da história. As ilustrações são vivas e realistas, você sente que é parte da vida do personagem principal e que está logo ao lado dele compartilhando cada momento.

Como citei, o universo desta história tem muitas peculiaridades, é um mundo singular e de regras próprias. O pequeno garoto não foi adotado por um casal normal e sim um casal de fantasmas. Ele foi aceito na comunidade do cemitério, e exceto pelo misterioso Silas que torna-se seu guardião, todo o resto das pessoas que ali mora, está morta.

Batizado como Ninguém Owens, o pequeno Nin recebe “a liberdade do cemitério” e desta forma pode interagir com os moradores dali como se todos estivessem no mesmo plano de existência. Os fantasmas são camaradas e encantadores e você nem lembra que o cenário é um lugar tão mórbido, parece mais uma cidadezinha pequena e acolhedora.

O quadrinho não vai trazer toda a história, teremos dois volumes. Este primeiro possui cinco capítulos e um interlúdio. Cada um deles foi ilustrado por uma pessoa diferente. Há capítulos com traços mais suaves, que passam mais ternura. Em outros os traços mais marcantes nos fazem lembrar de sombras e possuem um clima mais de terror, mas em nenhum momento deixam de lado a essência do original. Vamos ter a oportunidade de acompanhar as etapas da vida de Nin, de descobrir muitos dos segredos ocultos no cemitério e se encantar pela sagacidade de um menino bom, curioso, amoroso e gentil.

Eu me vi mais uma vez apaixonada por esta história, que acredito que sempre vai aquecer meu coração. Por se tratar da primeira parte, alguns assuntos não foram abordados, como a razão da família de Nin ter sido assassinada. O interlúdio nos dá a indicação que este será o assunto central da próxima parte, visto que neste momento o foco foi explorar o cemitério, conhecer os personagens e seguir Nin pelos seus anos de formação. 

Eu amei cada quadrinho e favoritei esta leitura. A edição nacional, lançada pela Editora Rocco (selo Jovens Leitores), está primorosa. Papel de alta qualidade e formato confortável para ler e apreciar cada ilustração. Que em breve venha a segunda parte.

Dê asas para sua imaginação, se deixe levar pelo universo de magia e fantasia de Neil Gaiman. Não há idade para se deixar encantar por esta história e amar seus personagens.

Confira também a resenha do livro aqui



2leep.com

8 comentários:

  1. Oi, Cida!
    Não sabia que esse livro era a quadrinização de uma história já lançada do Gaiman. Acho que vou esperar sair os dois volumes para poder ler.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. No primeiro parágrafo que li da sua resenha fiquei muito arrepiada, mas ao decorrer da sua resenha percebi que é um livro divertido e não assustador! Parabéns pela resenha!
    Beijos <3
    https://estanteclassica.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Cida.
    Eu já tinha visto uma outra resenha dessa HQ. Como não sou fã do autor não lerei. Mas que bom que gostou. Eu não sabia que era de um outro livro dele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida!
    Ainda não li o livro e não sabia que tinha quadrinhos também! Ambos parecem ser muito bons.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  5. Oiii Cida

    Eu nunca li nada do Neil mas tenho uma super curiosidade, principalmente cada vez que vejo um leitor que foi cativado por suas histórias como aconteceu contigo. Essa graphic parece estar linda e super bem trabalhada, ah eu adoraria também conferir.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. "O livro do cemitério" é mesmo cativante néh?!?! Nin é um personagem fofo, fico louco para Gaiman fazer mais um conto sobre ele ou sobre Silas e o povo do Cemitério. Também fiquei em alfa quando soube que a Graphic ia ser publicada em português, peguei ela praticamente no pré-lançamento, mas ainda não li, estou guardando para o momento certo, sou assim com Gaiman, sua resenha me fez ter vontade de deixar minhas manias pra lá e ir ler agora, noite a dentro, madrugada e senti meu coração aquecido.

    Adorei o ultimo paragrafo da resenha, Gaiman é mesmo um convite a dar asas a imaginação.

    Jaci
    Uma Pandora e Sua Caixa

    ResponderExcluir
  7. eu não conhecia o livro, mas achei a proposta bem interessante
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá! Como vai?

    Tive oportunidade de ler este livro e estou ansiosa para ter acesso à versão em graphic novel! Sua resenha está muito bacana!
    Acabei de elaborar um blog no qual irei publicar algumas resenhas críticas literárias e musicais.
    Se quiser passar por lá depois e deixar seu comentário, fique à vontade! :)

    O link é este: https://entrelinhasentrepautas.blogspot.com.br

    Abraços,

    Jennifer.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!