[Resenha] Doce Perdão

Doce Perdão
Título Original: Sweet Forgiveness
Autor(a): Lori Nelson Spielman    
Editora: Verus                      Páginas: 322
Lançamento: 2015               ISBN: 9788576864141
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Hannah Farr é uma personalidade de New Orleans. Apresentadora de TV, seu programa diário é adorado por milhares de fãs, e há dois anos ela namora o prefeito da cidade, Michael Payne. Mas sua vida, que parece tão certa, está prestes a ser abalada por duas pequenas pedras... As Pedras do Perdão viraram mania no país inteiro. O conceito é simples: envie duas pedras para alguém que você ofendeu ou maltratou. Se a pessoa lhe devolver uma delas, significa que você foi perdoado. Inofensivas no início, as Pedras do Perdão vão forçar Hannah a mergulhar de volta ao passado - o mesmo que ela cuidadosamente enterrou -, e todas as certezas de sua vida virão abaixo. Agora ela vai precisar ser forte para consertar os erros que cometeu, ou arriscar perder qualquer vislumbre de uma vida autêntica para sempre. Após o sucesso mundial de A lista de Brett, Lori Nelson Spielman retorna com este romance terno e esperto sobre nossas fraquezas tão humanas e a coragem necessária para perdoá-las - assim como para pedir perdão.

A Lista de Brett é um dos meus livros queridos de todos os tempos e assim Doce Perdão, lançado no Brasil pela Verus,  entrou logo na lista de desejados. Queria muito conferir outra história da querida Lori Nelson Spielman. (confira a resenha de A Lista de Brett clicando na capa)

Hannah Farr é uma apresentadora de TV que está em um momento decisivo de sua vida, tanto no âmbito pessoal, quanto profissional. No trabalho precisa encontrar um jeito de elevar a audiência de seu programa, que a cada dia cai mais e mais. Na vida pessoal o problema é o namorado que não demonstra claramente se pensa em casamento. Ela acaba tendo uma ideia para que ajudar a resolver tudo isso, que seria fingir embarcar num movimento que a cada dia ganha mais adeptos, as Pedras do Perdão. O conceito é: envie duas pedras para alguém que você ofendeu ou maltratou. Se a pessoa lhe devolver uma delas, significa que você foi perdoado. O que Hannah não imaginava era o quanto este gesto mudaria sua vida.

Em ambos os livros a autora aborda um mesmo tema: reconciliação. Seja com a vida, com a família, amigos e acima de tudo com você mesmo. Spielman aborda situações que nem sempre vão nos levar a ter a mesma opinião e este seu talento para nos fazer refletir é algo que torna suas obras marcantes de alguma forma.

Doce Perdão é uma história que, como o título já diz, trata de perdão. É um assunto que acho bem dificil, afinal eu mesma não sou uma pessoa que esqueçe com facilidade e deixa para lá algo que me magoou ou prejudicou. Não é simples assim. Eu sou bem teimosa e não gosto de voltar atrás, já cortei muitas pessoas da minha vida e mesmo quando acabei relevando o acontecido, não esqueci. Perdoar não significa esquecer e nunca mais vai existir aquela confiança. Acredito que o que se quebrou para sempre ficará partido.

E por ter uma opinião tão fundamentada sobre isso, muitas vezes não concordei com a situação que a protagonista foi colocada. Quando entregou as pedras para sua vizinha foi intimada a também perdoar alguém, no caso a mãe que a havia abandonado. Assim mergulhamos com Hannah numa intensa jornada em busca de acertar erros do passado e também aprender com eles para ajustar o presente e garantir um futuro melhor. Ela, mesmo com relutância, aderiu ao projeto, mas na minha opinião sua vida ficou bem pior em alguns aspectos.

Não senti uma ligação com Hannah, muitas vezes sua ingenuidade e excesso de boa fé me deixaram nervosa, mas um fato não posso negar, a construção da personagem é muito real. Ela é  uma pessoa cheia de falhas e medos e por isso acreditamos em sua existência fora das páginas do livro. Além disso, seus problemas são muito verdadeiros e a própria situação de seu relacionamento pode ser vista por aí facilmente. No fundo ela era uma pessoa que queria ser feliz, mas sempre confiava nas pessoas erradas.

A jornada de Hannah nos leva a refletir sobre erros, mal entendidos, mentiras e aquelas tão famosas palavras não ditas que muitas vezes poderiam ter evitado tantos problemas. Spielman ainda mostra como é complicado manter as relações em família saudáveis quando os pais têm um divórcio nada amigável, pois eventualmente são os filhos que vão sofrer as consequências.

A resolução dos problemas de Hannah foi uma espécie de libertação para a moça, um ato corajoso de renuncia que permitiu à ela recomeçar do zero, contudo algo que ficou nas entrelinhas, pois a autora não afirmou claramente se Hannah e outras pessoas tinham sido ou não vítimas, me deixou insatisfeita. É aquele tipo de fato que precisa ser punido e em hipótese alguma é passível de perdão. Não é que eu tenha coração de pedra, mas violência não pode ser acobertada. Acho que o desfecho deste caso não foi bem escolhido pela autora.

Em suma é uma livro com uma história que vai ter um significado diferente para cada leitor, traz uma bonita mensagem sobre a vida e a forma que a levamos, das escolhas que fazemos e como lidamos com amor e rancor. Foi um desafio para mim lidar com questões as quais eu tenho opinião formada e tentar ver, pelos olhos dos personagens, as mesmas em outra perspectiva.  Uma narrativa ágil e delicada, que de uma forma ou de outra, vai mexer com você.


2leep.com

11 comentários:

  1. Olá :)
    Amo histórias de recomeço, perdão e um novo olhar!
    Adorei!

    Beijão,
    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Cida!
    Ah, tenho um carinho enorme por "A Lista de Brett", é um dos meus romances favoritos, tem um delicadeza que me encantou. Recebi "Doce Perdão" ontem e até então não sabia do que se tratava, fiquei ansiosa para lê-lo.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá, Cida.
    Eu tenho A lista de Brett aqui em casa mas ainda não li. Eu quero ler esse por causa da capa acredita? Mas o tema é um tema bem difícil mesmo. Acredito que perdoar é pensar no que aconteceu e aquilo não te machucar mais, mas confiar novamente é muito difícil mesmo. Ainda mais para alguém como eu que perdoei e voltei a ser traída.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi, Cida!
    Eu quero muito ler A Lista de Brett. Tem uma amiga que vive me indicando.
    Sobre Doce Perdão, não sei se leria. Como você disse, as pessoas que participavam desse babado das pedras eram meio que obrigadas a perdoar/serem perdoados. Como você, eu também sou daquelas que não esquece, então eu acho que seria uma leitura difícil pra mim. Não iria render.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  5. oi flor, eu me apaixonei pelo livro anterior da autora logo nas primeiras páginas e virei fã, então sempre que houver livro dela eu vou querer, espero que a história me surpreenda, capa e título ja conseguiram
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Pela capa, não leria. Porém, sua resenha me convenceu. O livro parece trazer um enredo bonito e inspirador.
    Excelente dica.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de dezembro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Cida!

    Desde que li a resenha de "A lista de Brett" quero ler os livros da autora. Estou curiosa para saber como foi abordada a reconciliação na história; parece ser uma leitura tocante e bem bonita.

    Beijocas e feliz 2016! :)
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Cida!
    Já sou totalmente diferente de você... Sempre perdoo, por mais que a situação seja complicada. E na maioria dos casos, acabo deletando tudo da minha mente, não suporto ficar remoendo ou relembrando as coisas ruins, procuro deixar só as boas. Entretanto, tem algumas coisas que não dá para esquecer totalmente e fico alerta apenas para que não aconteça novamente.
    Quanto ao livro, acredito que vou adorar a leitura.
    Desejo um 2016 carregado de saúde, realizações e muito sucesso em tudo que empreender.
    “O Ano Novo começa literalmente quando nos desprendemos dos velhos vícios que carregamos dentro de nossos corações.Façamos do dia primeiro de janeiro um dia de libertação e começo de uma vida de superação e busca por dias melhores.” (Alison Aparecido Ferreira)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Sua resenha me deixou com vontade de não colocar "Doce Perdão" em minha lista, embora, precise confessa, pela descrição que você fez da Hannah corro o sério risco de me identificar com ela. Ah, "A lista de Brett" continua na lista de livros que desejo ler!

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  10. Gostei da capa do livro, porém a história dele não me agradou muito, apesar do assunto ser reconciliação que acho um tema legal de ser abordado, acredito que não é do tipo de livro que me motive a lê-lo, infelizmente :(

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida!
    Sua resenha me convenceu a ler esse livro. Achei linda essa ideia de para reparar os erros do passado e pedir perdão. Também me identifiquei com você e não sou muito de esquecer fácil, mas perdoar é mesmo um gesto lindo.
    Com certeza esse livro foi pra minha lista de desejados

    Beijos
    http://numrelicario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!