[Resenha] Moriarty

Moriarty
Título Original: Moriarty (Sherlock Holmes by Anthony Horowitz)
Autor(a): Anthony Horowitz    
Editora: Record                    Páginas: 350
Lançamento: 2015               ISBN: 9788501106230
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Sherlock Holmes está morto, e as trevas avançam Dias após Holmes e seu arqui-inimigo Moriarty encontrarem seu fim nas cataratas de Reichenbach, Federick Chase, um detetive da Agência Pinkerton, chega à Europa vindo de Nova York. A morte do professor Moriarty deixou um vazio no poder que logo foi preenchido por um novo gênio do crime, que ascendeu para tomar o lugar do rival de Holmes. Auxiliado pelo inspetor da Scotland Yard Athelney Jones, um devoto estudioso dos métodos de investigação e de dedução de Holmes, Frederick Chase precisa trilhar um caminho através dos cantos mais escuros da capital inglesa para lançar uma luz sobre essa figura sombria, um homem temido, mas raramente visto, determinado a dominar Londres em uma onda de ameaças e assassinatos. Chase é auxiliado pelo Inspector Athelney Jones, um detetive da Scotland Yard e estudante devoto do métodos de dedução de Holmes, a quem Conan Doyle introduziu em O signo dos quatro. Os dois homens unem forças para abrir um caminho através das ruas sinuosas de Londres vitoriana – das praças elegantes de Mayfair para os cais e becos sombrios das Docks em busca dessa figura sinistra, um homem muito temido, mas raramente visto, que é determinado a estabelecer seu nome como sucessor de Moriarty.
Eu não comecei as minhas aventuras entre livros e personagens quando fiz o blog, na verdade eu leio desde que tinha seis anos e já passei por várias fases e gêneros. Assim muitos livros que li e amo de paixão nunca foram citados aqui no blog. Eu amava a série Vagalume, eu tive minha fase só de romances - pelo menos de Nora Roberts eu já falei com vocês - , mas há também uma fase que me marcou profundamente e até hoje não consigo esquecer das histórias que li e reli tantas vezes de dois autores fabulosos. Quem são eles? A eterna dama do crime Agatha Christie e o genial Sir Arthur Conan Doyle, que com suas histórias de crimes e seus detetives inesquecíveis, me transformaram em uma fã de livros policias, especialmente aqueles com histórias ambientadas na tradicional Inglaterra.

E foi por isso que Moriarty, de Anthony Horowitz, lançamento da Editora Record foi uma escolha de leitura óbvia. Afinal, qual fã de Sherlock Holmes pode resistir a uma oportunidade de retornar ao seu universo? Ainda assim, eu estava receosa. Poderia este livro se aproximar da grandeza das narrativas de Conan Doyle? Seria possível recriar o mesmo clima? Hora de descobrir.

A história de Moriarty é narrada por um homem que conhecemos como Frederick Chase. Segundo ele, é um detetive da agência de investigação americana Pinkerton que cruzou o oceano seguindo a pista de Clarence Deveraux, um bandido perigoso que desejava uma aliança com o maior inimigo de Holmes, Professor Moriarty.

E Chase chega exatamente no momento que temos aquele episódio marcante nas Cataratas de Reichenbach. Quem leu as histórias de S. Holmes sabe ao que me refiro, foi o momento que Conan Doyle partiu nosso coração ao por fim na vida de nosso detetive (pelo menos era o que todos acreditávamos na época). Voltando ao livro em questão, Chase de depara com a morte de Moriarty e precisa se virar com as poucas pistas que tem para capturar seu criminoso. Aliando forças com o Inspetor Athelney Jones, um detetive da Scotland Yard, ele dá inicio a uma longa caçada pela Inglaterra. Custe o que custar, eles vão capturar Deveraux.

Gente! Que livro delicioso! Meu receio foi esquecido e mergulhei nesta obra encantadora que me levou de volta para o mundo criado por Conan Doyle. Horowitz nos leva pela mesma Inglaterra de criminosos vis e crimes hediondos. Nos dá ainda sua própria versão de Holmes e Watson, embora em momento algum eu possa tratar Jones e Chase como seus gêmeos. 

Jones pode ser sim um homem capaz de ótimas deduções, mas não possui o brilhantismo daquele pelo qual nutre um sentimento ambíguo. Ele conheceu nosso Holmes, mas ao passo que o admira, também guarda rancor. Uma gama de sentimentos que no decorrer da obra vamos conseguir entender com mais clareza, justificando a melancolia que o cerca. E Chase não é o fiel escudeiro que Watson foi, é mais enérgico.

Eu diria que Horowitz arriscou uma inversão de papéis. Jones é gentil, um homem de família nada arrogante, afável e preocupa-se com as pessoas ao seu redor; já Chase é mais razão que emoção, indo atrás de seus objetivos sem muitos escrúpulos, são em partes os opostos de Holmes e Watson.

Contudo a ousadia de Horowitz em recriar este universo foi uma empreitada feliz e habilidosa. Temos muitos crimes e criminosos e não sabemos quem é o gênio abominável por trás de tudo. A cada página recebemos mais e mais peças de um imenso quebra-cabeças que nos parece impossível fazer sentido. E, quando a verdade surge, como um golpe muito bem aplicado, pode ter certeza que você vai ficar desnorteado. A resposta estava ali, óbvia e clara, mas tão evidente que não vi. É sério gente! Que genial foi por na nossa cara desde o primeiro instante e nos deixar acreditar que fazia parte do cenário quando na verdade era o centro de tudo.

Eu fiquei super feliz com esta leitura. O reencontro com a atmosfera investigativa e dúbia, a linguagem detalhista e refinada ( que nos remete diretamente a meados de 1890), os paralelos criminosos que convergem para formar algo maior, as pistas indecifráveis, a astúcias de mocinhos e vilões. Tudo tão próximo do original que me fez ansiar por reler toda a obra de Conan Doyle (ainda mais pelas inúmeras vezes que os famosos casos de Holmes são citados)  e também  querer mais livros de Horowitz.

A trama é engenhosa e fui manipulada de maneira sutil. Fiquei satisfeita por não ter adivinhado o final. Adorei ter sido testemunha de cenas dramáticas de fuga e perseguição, de assassinatos a sangue frio e acima de tudo, da ter visto a genialidade de uma mente criminosa sem igual. Recomendo sem sombra de dúvidas. Amei! ♥







2leep.com

14 comentários:

  1. Oie Cida!!

    Adorei a resenha, muito empolgante, provavelmente pela sua paixão pelas histórias criadas por Doyle! Quem não o admira afinal? Muito bom. Eu adoro livros policiais também e desde cedo conheci as histórias do Sherlock Holmes, um clássico que provavelmente influenciou a maioria das pessoas a gostar do gênero também.
    Que bom que Moriarty supriu suas expectativas, fico feliz e também com muitaaaaa vontade de adquirir o livro! Acredito que, como você, vou sentir um clima nostálgico e adorar o livro, me envolver. E que capa linda né? Amei.

    Estou louca pelo livro agora, como faz? Colocando na lista de leitura já!
    Beijo!

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu não conhecia o livro. Li a sinopse, amei. Vi a capa, amei. Depois da sua resenha passei a desejar ainda mais. *_* Adoro livros que não são previsíveis e, por mais que a gente tente, não consiga descobrir o final. Amei a dica.

    Beijos,
    http://postandotrechos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oie Cida =)

    Vi esse livro ontem na livraria, mas confesso que não dei muito a atenção para ler. Agora depois de ler a sua resenha fiquei bastante curiosa em relação a história.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  4. Oi, Cida!
    Recentemente comprei um livro que tem um compilado de histórias do Holmes. Eu fiquei super feliz quando soube desse livro.
    Que resenha maravilhosa a sua! Parabéns! Deu pra perceber que esse livro faz jus aos livros do Conan Doyle.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  5. Oii Cida, tudo bom?
    Nunca consegui terminar um livro do Sherlock por conta do tanto de detalhes que existiam em tudo e não parecia ter fim D: no final, continuo com o seriado e as adaptações cinematográficas mesmo.
    Sua resenha ficou ótima como sempre, batei até aquela vontade de dar uma segunda chance pro livro, pra ver se tenho um pensamento diferente dessa vez :D
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
  6. oi flor, que bacana um livro tão surpreendente e cheio de pontos positivos, fechando o ano com boas leituras!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá :)
    Eu amo as histórias do Sherlock!
    Que legal essa história falar um pouco deste universo!

    Beijão,
    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Adoro os filmes de Sherlock Holmes <3 Mas, nunca li nenhum livro dele :(
    Já li um livro de investigação, mas era voltado mais para o público infanto-juvenil, adoraria ler esse. Seria o primeiro da minha lista do gênero investigativo mais adulto, quem sabe me 2016 eu não tenha a sorte de lê-lo?!

    ResponderExcluir
  9. Oi Cida!! Tudo bem? Eu amo a série Elementary que fala de Sherlock Holmes e também adoro os filmes, mas nunca li nada, uma vergonha!Preciso urgentemente corrigir isso! Principalmente porque tudo que envolve Holmes é sensacional!

    Beijocas, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  10. Oiiii, tudo bem??? Também comecei a ler bem novinha :3 E também já tive muitas fases hahahha. Mas acredita que apesar de amar romances policiais nunca li nada dos citados autores? Vergonha, eu sei. por isso pretendo mudar isso em 2016.
    Mas por esse motivo, apesar de ter curtido bastante a leitura, acho que não leria esse no momento, pois acredito que a leitura ser´ainda mais proveitosa se eu já conhecer o universo desse detetive :)
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida!
    Eu também adorava a série Vagalume.
    Agatha Christie é diva, mas sabe que mesmo gostando muito de policial nunca fui muito fã dos livros do Conan Doyle?
    Cogitei ler esse livro porque depois de assistir a serie "Sherlock" acho que é impossível não se interessar pelo Moriarty. Ainda assim, não li porque sempre tenho um pé atrás com essa história de um autor recriar a obra de outro. Mas pelos seus comentários, Horowitz passou com louvor no desafio.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Cida!!! Amei sua resenha!
    É maravilhoso quando a gente não adivinha o final, né?
    Odeio livros previsíveis!!
    Eu gostei da premissa desse, vou adicionar à minha lista!!

    Beijo grande!
    Sankas Books

    ResponderExcluir
  13. Ai Cida!
    Que delícia poder reviver um dos melhores escritores investigativos.
    Gosto demais do Conan Doyle e preciso fazer essa leitura de qualquer forma, afinal se é bem escrito e traz todos os elementos de um dos meus escritores favoritos, tenho de conferir.
    Desejo um 2016 carregado de saúde, realizações e muito sucesso em tudo que empreender.
    “Que as conquistas no Ano Novo, cheguem na sua vida como confetes: Abundantes, Alegres e festivas...FELIZ SEMPRE!!” (Ana Marise)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi, Cida!

    Ah, eu também leio desde pequena e Sir Arthur Conan Doyle sempre foi querido para mim. Por isso, fiquei muito receosa quando vi este livro - e se acabassem com um dos personagens mais incríveis da literatura? Porém, agora que li sua resenha, relaxei e resolvi dar uma chance a nova história. Aliás, o enredo é bem instigante, especialmente por envolver o Moriarty.
    Adorei sua resenha!

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!