[Resenha] A Casa das Marés

A Casa das Marés
Título Original: Foreign Fruit
Autor(a): Jojo Moyes 
Editora: Bertrand Brasil       Páginas: 476
Lançamento: 2015               ISBN: 9788528612721
a casa ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Merham é uma metódica cidade litorânea na década de 1950. Lottie Swift, acolhida durante a guerra e criada pela respeitável família Holden, ama viver ali, mas Celia, a filha legítima do casal, não vê a hora de ultrapassar as regras da cidade. Quando um excêntrico grupo de artistas se muda para uma velha mansão construída de frente para o mar, as meninas não resistem à tentação de se aproximarem deles. Mas o choque para os moradores de Merham é inevitável e acaba por desencadear uma série de acontecimentos que terão consequências trágicas e duradouras para todos. Quase cinquenta anos depois, no início do século 21, a mansão começa a ser restaurada, voltando à vida e, mais uma vez, trazendo à tona intensas emoções. E a magia que permeia a mansão faz com que os personagens confrontem suas lembranças e se perguntem: É possível deixar nosso passado para trás?
Neste ano de 2015 a Bertrand Brasil resolveu relançar os livros da autora Jojo Moyes que havia publicado há alguns anos atrás,  o primeiro livro da autora, Em Busca de Abrigo, já voltou de cara nova e agora foi a vez de A Casa das Marés. Em breve teremos o relançamento de Baia da Esperança e os fãs podem comemorar, já que estas novas edições estão lindas, bem revisadas e com preço mais acessível.

Esta obra é a segunda de Moyes e posso dizer que podemos observar claramente a forma como sua narrativa amadureceu desde Em Busca de Abrigo (resenha aqui), um livro muito bom, com algumas das características presentes em diversos outros livros dela, mas que ainda assim apresentava uma escrita em fase de desenvolvimento. Desta vez eu reencontrei uma Jojo Moyes que eu já conhecia – já que comecei a ler sua obra pelos últimos livros -, e tive a grata surpresa de me ver imersa numa trama bem construída, imprevisível e, como sempre, cheia de dramas e sentimentos conflitantes.

Dividida em três partes, a história começa em meados da década de 50 e nos apresenta a cidade litorânea de Merham, um local pequeno onde as pessoas são sufocadas pelo esnobismo, moralismo barato e aparências. Quando um grupo de artistas muda-se para uma enorme mansão moderna, Arcádia - que destoa totalmente do local -, as coisas na cidade ficam agitadas. As velhas senhoras conservadoras não entendem o jeito de viver daquelas pessoas de espírito livre e excêntricas, ao passo que as mais jovens sentem-se fascinadas, como é o caso de Lottie e Celia.

A jovem Lottie passou a viver ali quando os pais de Celia, os Holden, a acolheram. Ela é o projeto de caridade desta família que ostenta a imagem de perfeição, mas que na verdade está praticamente destruída.

Ela não se encaixa totalmente e sente –se ofuscada pela beleza e brilho de Celia. Lottie é uma pessoa meio amargurada e ressentida, sua vida sem cores apenas torna-se melhor quando passa a frequentar Arcádia e a amizade com os artistas,  aliada ao impacto que sofre quando conhece o noivo de Celia, desencadeiam uma série de acontecimentos que vamos ter a oportunidade de conferir no que resultaram anos mais tarde.

Em meados do século XXI, temos a segunda e terceira parte da história, onde Lottie divide a cena com a Daisy, a decoradora encarregada de ressuscitar a velha Arcádia.

O livro é narrado em terceira pessoa e com foco dividido entre diversos personagens, dando destaque sempre para mulheres que não tiveram uma vida nada fácil: Lottie, Daisy e Camille.

Como citado, tem a história parte ambientada no passado e parte no presente, e este artifício de usar uma linha de tempo longa para desenvolver a trama é algo que me agrada bastante, especialmente pela ansiedade que me domina para ver pessoas e épocas se conectando. Lembrei de A Garota Que Você Deixou Para Trás, outro livro de Jojo Moyes no qual ela liga duas épocas distintas com um elemento em comum. Nele ela usava um quadro, já neste foi uma casa, só que há uma diferença significativa em ambos, pois em A Garota as pessoas do passado não interagem com as do presente, e neste aqui ambas as gerações se conectam e constroem algo novo.

Eu havia visto alguns comentários que me deixaram com medo de ler o livro, pois muitas pessoas estavam dizendo que não conseguiram ser cativadas pela história, felizmente eu fui capturada desde as primeiras páginas e tive uma leitura bem prazerosa. As diversas vidas retratadas nestas páginas são interessantes, a vontade de saber onde cada personagem chegaria em sua jornada foi bem grande e eu fui lendo como se estivesse na própria Arcádia assistindo o desenrolar dos acontecimentos de camarote.

Os personagens de Moyes são muito reais e o que mais gosto neles são as imperfeições. Ela os retrata cheios de fraquezas e falhas de caráter, o que os torna bem convincentes. Afinal quem nunca errou nesta vida e teve que colher os frutos de seus erros? Lottie é o exemplo claro de cair em tentação e mesmo estando errada, foi impossível sentir raiva dela, o que senti foi muita pena da amargura que a seguiu da juventude até a velhice.

Já Daisy é o oposto, não fez algo reprovável, mas foi vítima dos pecados do marido e teve que achar força onde acreditou não ter, para criar sozinha a filha bebê e sustentar ambas. Engraçado que foi exatamente Lottie quem lhe deu os conselhos para seguir em frente. Posso afirmar que ao ajudar Daisy, ela encontrou sua redenção. Camille é filha de Lottie e vive seus próprios dilemas, formando uma história paralela as demais.

A jornada das três é bem apresentada e seus dramas e infortúnios palpáveis, temos superação vinda da coragem e momentos de amargura mesclados com outros de muito afeto e perdão. Há aquela luta constante para ser feliz e isso deixa o leitor empolgado, na espera de algo bom.

A Casa das Marés foi um livro que me encantou profundamente, a forma como fui envolvida e tocada pela história me deixou muito feliz. A trama fala de sonhos, de inveja, de perdas e danos, de rancor, mentiras, preconceito, amor e desilusões, mas acima de tudo é sobre força e coragem para seguir em frente quando todas as portas parecem estar trancadas e o mundo nos deu as costas. É sobre sobreviver aos nosso erros, tentar ser uma pessoa melhor e valorizar aquilo que realmente vale a pena. Recomendo.







2leep.com

24 comentários:

  1. Não sei se o livro iria me encantar tanto quanto fez com você, porém, ele possui uma qualidade que eu aprecio demais: personagens reais e verossímeis. Isso, sem dúvidas, me faz querer ler a obra. Além disso, fiquei curioso com a primeira parte da obra. Quero ver como vai desenrolar o relacionamento dos novatos na cidade com os conservadores.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro. Serão seis livros para três vencedores.

    ResponderExcluir
  2. só li um livro da Jojo, mas virei fã por isso aguardo ansiosa por próximas leituras
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Cida! Tudo bem?
    Confesso que esse foi um dos livros da Jojo que menos me causaram curiosidade. Tenho muita vontade de ler Como eu era Antes de Você pra entender porque tantas pessoas amam a autora, mas ainda não tive tempo. =(
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  4. Jojo é uma autora fantástica e sabe escrever dramas como ninguém, né? Ela sabe emocionar o leitor! Não conheço A casa das Maré, mas se te encantou Cida provavelmente tb me encantará!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi!!!
    Li dois livro da Jojo Moyes e gostei bastante mesmo que eles tenham me deixado com uma ressaca literária enorme . Quero muito ler este também que pela resenha me pareceu muito bom .
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida!!

    Gosto muito de livros imprevisíveis, já li muitas resenhas positivas da autora e até comprei um livro dela, mas ainda não consegui ler..
    Não leria este livro, pela sua resenha eu percebi que não iria gostar.
    Parabéns pela resenha!

    Beijos Mila
    Daily of Books

    ResponderExcluir
  7. Quase 500 páginas... E a autora consegue preencher isso tudo?? Mesmo sendo o segundo livro dela??
    Na resenha eu achei que sim... E fiquei com vontade de ler.
    Muito amor e envolvimento. Já vai pra lista de desejados.

    Bjks

    Lelê

    ResponderExcluir
  8. Ainda não li nada da Jojo Moyes, mas tenho diversos livros dela em minha lista de leituras, inclusive, A Casa das Marés, lendo sua resenha acredito que irei gostar da história, parece ser bem interessante.

    ResponderExcluir
  9. Oie Cida =)

    Ainda não li nada da Jojo Moyes, e me sinto profundamente envergonhada por isso rs... São tantas resenhas lindas que leio dos livros dela, que sinceramente ainda não sei por que ainda não crie vergonha nessa minha cara para ler algum livro da autora.
    Sua resenha fico tão delicada que a visível em suas palavras com a história de encantou.
    Espero poder me redimir logo e me tornar fã da Jojo também rs...

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  10. Dessa autora só li "Como eu era antes de você" e foi um livro tão lindo e duro ao mesmo tempo que sempre me pego evitando os livros dela, o que é uma pena porque sei o quanto ela é boa, mas tenho medo do que a história fez comigo, passei quase um mês sem ler nada só pensando em Will, mas fiquei aqui querendo me arriscar nessa história que me cativou só de ler sua resenha!
    Amei, parabéns!

    Beijos
    Dani Cruz
    blog-emcomum.blogspot.com.br
    Twitter - @blogemcomum / Insta - @blogemcomum / Fanpage Em Comum

    ResponderExcluir
  11. Olá Flor, Tudo bem?
    Eu nunca Li livro da Moyes e agora venho tentando encontrar espaço na minha agenda para ler algum livro da Autora, todos falam maravilhas dela o que me desperta mais curiosidade e interesse
    e mais uma vez leio uma Resenha positiva sobre os livro dela, nossa adoro essas ligações de volta no tempo pois conseguimos Observar de perto a mundana e amadurecimentos dos personagens.
    enfim fico feliz que Tenha gostado da Leitura.
    Beijos.
    esenhaatual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oie Cida :D

    Da Jojo Moyes só li o Um Mais Um, que é um livro mais leve dela, famosa por ser boa nos dramas e escrever livros sofridos. Achei uma boa autora, gostei do livro, mas ainda quero ler os outros pra ter minha opinião concreta.
    A história de A Casa das Marés me soou muito interessante, adoro quando temos passagens de tempo e narrativas que variam entre personagens, dá uma leveza boa ao livro que mesmo tendo muitas páginas, não fica cansativo, flui bem! E este parece ser assim.
    Adorei a resenha, e como você espero ser tocada pela história e também gostar quando ler um dia! Pela resenha, vou adorar!

    Beijo!!
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Esta é uma autora que morro de curiosidade em ler, de tanto que ouço falar dela. Casa das Marés parece ser muito bom e de emocionar.Vou anotar a dica.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  14. Parece ser um livro encantador! Por vezes vejo os livros da autora em resenhas, tenho muita vontade de ler! Parabéns pela resenha! Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Cida, A Casa das Marés não me encanta igual aos outros livros da autora. Conheci a Jojo Moyes por várias resenhas positivas para Como eu era antes de você, então criei expectativas para a sua escrita. A Casa das Marés me interessa sim. Enfim, as partes que mais gosto desta estória são o amadurecimento da escrita da autora, o estranhamento mental da protagonista, a relação com as marés e a divisão do livro em partes.

    ResponderExcluir
  16. Só li A Última Carta de Amor da Jojo Moyes, mas gostei bastante da escrita dela.
    E esse livro me chamou bastante a atenção. Gosto das temáticas dos livros dela.
    E que capa linda.
    Parabéns pelo texto! Agora tenho certeza que vou comprá-lo.
    Bjss

    www.umolhardeestrangeiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Ainda não li nenhum livro da autora mas só encontro resenhas positivas sobre seus livros. Com certeza tenho que conhecer. Estou começando pelas suas primeiras obras e mesmo assim ela encanta com sua forma de escrita e por suas histórias.
    Bjs
    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
  18. Ainda não li nenhum livro dessa autora, mas sou louca para lê-los pois dizem que é muito bom, inclusive esse livro, acho a história muito boa, espero poder ler logo.

    ResponderExcluir
  19. Ainda não li nenhum livro da autora e vou querer muito ler esse livro, pois fiquei empolgada com a leitura que fiz da resenha.

    ResponderExcluir
  20. Preciso ganhar acho q vou amar.naninha1966@oi.com.br

    ResponderExcluir
  21. Sempre tive vontade de ler um livro desta autora. Me interessei mito pela capa do livro rs. Adorei sua resenha, você escreve muito bem. fiquei ainda mais curiosa pelo livro ^^

    ResponderExcluir
  22. Não conheço os livros desta autora, mas achei interessante esta resenha, deve ser interessante ver o que se como será o envolvimento entre as pessoas relacionadas ao passado e o tempo atual.
    ronida_sindi@hotmail.com

    ResponderExcluir
  23. Cida!
    O que mais gosto na escrita da autora é justamente esse vai e vem entre passado e presente e no fnal ela une as histórias e dá um desfecho surpreendente.
    “Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo.”(Friedrich Nietzsche)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  24. Ainda bem que você conseguiu ser cativa pela história. Eu vi mesmo algumas pessoas falarem que não foram cativadas, mas mesmo assim fiquei curiosa e agora vendo que você gostou fiquei ainda mais interessada na narrativa. Adoro essas que intercalam entre passado e presente. Adoro ver os dois lados ao mesmo tempo.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!