[Resenha] O Jardim Secreto

O Jardim Secreto
Título Original: The Secret Garden
Autor(a):  Frances Hodgson Burnett   
Editora: Penguin                  Páginas: 344 
Lançamento: 2013               ISBN: 9788563560605
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||

 

Clássico da literatura inglesa, O jardim secreto conta a história de duas crianças solitárias que decidem restaurar um jardim proibido, cujo mistério remete a um acidente ocorrido anos atrás. A amizade improvável entre os dois personagens funciona como uma metáfora para a descoberta do mundo e para o autoconhecimento. Escrito em 1911, o livro já inspirou diversas montagens no teatro e três filmes - entre eles, o longa americano homônimo de 1993, dirigido pela polonesa Agnieszka Holland, vencedor do prêmio Bafta. Esta edição traz introdução e notas da romancista e crítica literária Alison Lurie e um posfácio de Marise Soares Hansen, mestre em literatura brasileira pela Universidade de São Paulo. Em seu texto, ela traça paralelos do romance com autores importantes de literatura de língua portuguesa, como Eça de Queiroz e Clarice Lispector. Durante a maior parte de sua vida profissional, Frances Hodgson Burnett foi uma escritora de sucesso. Desde cedo sustentou a si mesma (e a várias outras pessoas) com seus escritos. Suas peças de teatro, contos para revistas e romances ajudaram a tirar a mãe e as irmãs da pobreza. Sua carreira também pagou pela pós-graduação em medicina do primeiro marido e garantiu ao segundo a oportunidade de estrelar uma peça em Londres.

O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett, me remete diretamente à minha infância. Eu conheci a história através da adaptação para as telas e lembro de ter me apaixonada pela trama e pelos personagens ainda quando eu nem sabia ler. Vi o filme inúmeras vezes na Sessão da Tarde e só anos mais tarde, já adulta, foi que descobri que existia o livro com a história original. Finalmente consegui ler a obra e posso dizer que a mágica que me enfeitiçou quando criança, conseguiu mais uma vez me envolver.

Mary é uma garota solitária que vive na Índia. Os pais dela nem lembram da existência da filha e a menina é criada por criados. Quando um surto de cólera elimina praticamente toda a população local de onde ela vive, Mary acaba ficando órfã. Encontrada sozinha na casa na qual vivia, é enviada para viver com seu tutor na Inglaterra, o Sr. Craven.

Ao chegar da mansão Craven, Mary se depara com uma realidade bem diferente da que vivia, começando por pessoas que não fazem tudo o que ela quer e terminando por se ver em uma casa enorme, com mais de cem quartos (a maioria trancados) e infinitos jardins. Um desses jardins está trancado há mais de dez anos e simplesmente mencioná-lo é proibido.

Neste lugar que parece tão solitário quanto a antiga casa, Mary descobre que a vida pode ser melhor do que imaginava, que ela consegue gostar das pessoas, fazer amigos, descobrir um mundo novo e finalmente ser feliz, ainda que ela nunca tenha sentido o sabor da felicidade.

É importante mencionar que Mary não é uma criança comum. Criada no meio de empregados, cresceu sendo servida e desta forma nunca teve contato com o que é ser criança, brincando e sendo amada. Ela acha que todos devem servi-la e é bem arrogante. Ela é uma menina pálida, com ares de doente e enfezada. Não é uma criança que cative os que a cercam ou se deixe ser cativada.

Só que é difícil não gostar dela, não sei se fui influenciada por já conhecer Mary e saber do que ela era capaz por conta do filme, mas o fato é que já no começo da leitura me apeguei a personagem e segui assim até o fim. Ela vai descobrindo o que é ser criança na nova casa, correndo nos jardins, conversando com pessoas boas e humildes e finalmente fazendo amizade com pessoas de sua idade. O que acaba por fazer a menina acordar para a vida é conversar, ser desafiada e desvendar o mistério do tal jardim secreto, a curiosidade a faz se mover.

E Mary não apenas descobre o segredo do jardim e acaba por tornar o local seu pedaço de paraíso. Ele descobre na mansão um outro morador que era tão infeliz e enfezado como ela e acaba por se ver refletida naquele garoto. Colin, no entanto, é mais problemático do que ela foi e ambos acabam por buscar melhorar ao ver que não gostam da imagem que as pessoas tinham deles. É claro que eles também percebem como é bom ser criança e brincar dia e noite, rir sem parar e fazer novos amigos.

A história tem sua dose de drama, mas no geral vejo O Jardim Secreto como um livro que traz esperança e incentivo para mudanças e novos começos. A história das crianças, sensível, delicada e singela. E belíssima de acompanhar e cheia de uma inocência refrescante que não vemos mais por aí. É uma obra antiga, de 1911, mas que envelheceu bem e capaz de encantar leitores dos mais jovens aos mais maduros.

Eu me senti muito bem durante a leitura, não só recordando as tardes no sofá de casa vendo o filme, mas também absorvendo novos nuances da história que como criança não pude perceber. Eu simplesmente amei a obra. Recomendo para todos que gostam de histórias com crianças, com seus sonhos e pesadelos e que desejam um final feliz. Agora quero ver o filme outra vez. Não deixem de conferir. 







14 comentários:

  1. Eu peguei esse livro pra ler na adolescência e nunca terminei, não me prendeu tanto, mas acredito que com a mente de hoje seria uma história muito agradável. Fiquei com vontade de começar!
    Beijoss, Nada Produtiva ♥️♥️♥️

    ResponderExcluir
  2. Ah, que nostálgico! Eu também me lembro da versão do filme dessa história, mas nunca li o livro, embora tenha curiosidade. Talvez eu também leia influenciada por saber o que acontece com a protagonista, e não sinta raiva dela no livro... rs
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
  3. Oi Cida,
    Ler o livro parece ter sido uma boa experiência, principalmente por já gostar da trama.
    Eu assisti muito ao filme quando era criança e fiquei com vontade de revê-lo agora.

    *bye*
    Marla
    http://loucaporromances.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida, tudo bem?

    Eu sou suspeita para falar desse livro, porque amo muito! É um dos meus clássicos favoritos, justamente porque não o vejo como uma história triste e sim como uma narrativa que nos dá esperança nos recomeços.

    Ler sua resenha me deixou com vontade de reler e assistir ao filme.

    Tenha uma ótima semana!
    Beijos;***
    Ariane Gisele Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  5. Oi Cida, eu morro de vontade de ler esse clássico. Eu adorava quando passava na sessão da tarde e a capa estão tão linda! Que bom que gostou, espero conferir em breve!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Olá, você vai acreditar que eu não conhecia nada do livro e nem do filme? Pois é, to conhecendo agora através da sua resenha com certeza pretendo lê-lo e assistir o filme.
    Beijos, Jéssica
    https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  7. Amei a resenha. Eu nunca li o livro nem vi o filme, nunca me chamou atenção. Mas agora quero ler, adoro esses cliques que nos dão perspectivas de recomeços.
    beijos
    https://www.dearlytay.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Quando criança também assisti à adaptação várias vezes, mas só ano passado é que eu descobri que o filme é baseado em livro.
    Gostei muito da sua resenha, espero ter essa mesma leitura positiva ao conferir o livro, pois ele está na minha lista de futuras leituras.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    Ps. Se possível, peço que me ajude respondendo a pesquisa de público do blog.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Cida.
    Eu nunca assisti o filme e o livro no fim do ano passado foi meu primeiro contato com a história. E amei tudo nele. Me emocionei, ri com as crianças, entendi o porque deles serem assim e adorei ver o quanto eles mudam durante a história enquanto cuidam do jardim.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Oi Cida, tudo bem?
    Nunca vi o filme nem pensei em ler o livro, mas sua resenha fala com tanto carinho da história que fiquei com vontade. Deve ser difícil crescer na situação que Mary cresceu, que bom que ela encontra novas formas de desabrochar.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  11. Olá...
    Adorei a sua resenha!
    Sempre esbarro com esse livro por aí, mas, ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre. Pelos seus comentários parece ser uma leitura agradabilíssima e com certeza me deu vontade de ler também.
    Dica anotada!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Oi, Cida

    Nossa, eu também tenho muitas recordações com o filme! Eu não perdia uma reprise sequer e lembrei que nunca pesquisei ele nos streamings pra ver novamente. Será que tem? Vou ver! Eu queria muito aquela edição da Cia, vou esperar uma promoção.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  13. Na verdade a edição que eu quero é da Zahar, me confundi. :)

    ResponderExcluir
  14. Ahhh, eu tenho esse livro. Essa mesma edição, mas só que em e-book. Acredita que ainda não li? Mas já assisti o filme. Tenho o DVD, na verdade. Sou apaixonada por essa história! ♥

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!