[Resenha] Os Números do Amor

Os Números do Amor
Título Original: The Kiss Quotient 
Autor(a): Helen Hoang   
Editora: Paralela                  Páginas: 280
Lançamento: 2018               ISBN:9788584391257
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||  
Um romance que prova que o amor muitas vezes supera a lógica. Já passou da hora de Stella se casar e constituir família — pelo menos é isso que sua mãe acha. Mas se relacionar com o sexo oposto não é nada fácil para ela: talentosa e bem-sucedida, a econometrista é portadora de Asperger, um transtorno do espectro autista caracterizado por dificuldades nas relações sociais. Se para ela a análise de dados é uma tarefa simples, lidar com os embaraços que uma interação cara a cara podem trazer parece uma missão impossível. Diante desse impasse, Stella bola um plano bem inusitado: contratar um acompanhante para ensiná-la a ser uma boa namorada. Enfrentando uma pilha cada vez maior de contas, Michael Phan usa seu charme e sua aparência para conseguir um dinheiro extra. O acompanhante de luxo tem uma regra que segue à risca: nada de clientes reincidentes. Mas ele se rende à tentação de quebrá-la quando Stella entra em sua vida com uma proposta nada convencional. Quanto mais tempo passam juntos, mais Michael se encanta com a mente brilhante de Stella. E ela, pela primeira vez, vai se sentir impelida a sair de sua zona de conforto para descobrir a equação do amor.
Os Números do Amor, de Helen Hoang, publicado no Brasil pela Paralela, traz uma história de amor que deveria ter sido apenas um acordo de negócios e acabou tomando rumos inesperados.

Stella Lane é uma mulher madura e no auge da vida adulta. Bem sucedida na carreira profissional, é dedicada ao extremo ao trabalho de econometrista. De domingo a domingo Stella está no escritório, o que a leva a ter zero de vida social e uma mãe lembrando constantemente que a filha precisa arrumar um namorado, casar e ter filhos logo. No entanto, relacionamentos em geral não são o forte da moça. Portadora de síndrome de Asperger, Stella tem dificuldades para o trato social e para se deixar envolver por contatos mais íntimos.  Estes aspectos de sua vida não facilitam em nada um envolvimento amoroso.

Decidida a superar esta dificuldade e evitar mais um embaraçoso encontro armado pela mãe, Stella contrata um acompanhante para ajudar em sua desinibição. Ela quer ser boa de cama, aprender a transar e dar prazer. Ser uma amante nota dez como é uma econometrista nota dez, mas nem sempre aquilo que envolve emoção segue como o que envolve razão e a coisa toda acaba fugindo do controle.

Michael é um rapaz que tem muitos problemas na família e o mais grave, além do câncer da mãe, é a pilha de contas que se acumula mais e mais, mês a mês. A solução que encontra para ganhar dinheiro é ser acompanhante e é desta forma que entra na vida de Stella. Eles fazem um acordo de alguns encontros para ela aprender as lições que deseja, mas logo o acordo muda para um projeto mais ousado do que apenas sexo. Stella quer aprender a ser uma boa namorada e ela e Michael vão fingir ser um casal para que ela saiba como isso funciona, mas nenhum deles esperava sentir tanta atração e carinho um pelo outro.

Não á surpresa em livros e filmes um acordo deste tipo virar amor e neste ponto a história é clichê. No entanto, o que diferencia a obra de tantas outras com a mesma premissa, é a vida dos personagens, em especial as lutas individuais de cada um em busca de superar as dificuldades.

Stella e Michael são duas pessoas cativantes e não é difícil se apegar aos personagens. São bons, têm caráter. E , de longe, ela é a mais forte e determinada. Eu me emocionei bastante com cada vez que Stella venceu um dificuldade imposta pela sua síndrome e em determinado momento da trama foi impossível não sorrir sem limites com a forma desenfreada que ela foi derrubando obstáculos. Michael também luta, mas diferente dela, não por si mesmo e sim pelos outros. É linda sua dedicação à mãe, mas seu maior problema é acreditar em si mesmo.

Ambos acabam sendo essenciais um na vida do outro e vão se ajudando, sem nem perceber que estão se apaixonando. O problema é que por mais inteligentes que sejam, para o amor são dois tolos cegos. Não entendem o que um sente pelo outro e acabam sofrendo. O leitor fica doido com o casal, querendo abrir seus olhos e mostrar a verdade.

É uma história doce, comovente e cheia de amor. Há um tom bem divertido na narrativa e apesar de os protagonistas terem seus dramas, não é pesada e sim leve e descontraída. Eu achei bem legal, mas não nego que adoraria que houvesse tido menos cenas de sexo. Eu não me incomodo com estas partes mais quentes, mas não acho que devam ser em excesso, o que foi o caso aqui. Acho que o romantismo cedeu lugar ao sexo em alguns momentos e me incomodou. Ainda assim, a história em si me conquistou e mostrou potencial para uma boa adaptação para as telas.

A nota da autora no final complementa a história. Ela também possui a mesma síndrome de sua personagem, mas diferente de Stella descobriu já adulta e até então não entendia direito muitos aspectos de sua personalidade. Ao descobrir ser portadora de Asperger, Hong não se viu presa a uma limitação, mas se entendeu e se viu livre pela primeira vez na vida, se encontrou em si mesma. Há muito dela em Stella. A jornada de autodescoberta e de aceitação, de ser feliz sendo quem é e se amando acima de tudo. Achei muito inspirador. Ela também quis fazer uma versão inversa de Uma Linda Mulher na obra ao colocar o homem no papel de acompanhante.  

O livro foi vencedor da categoria de melhor romance, do Goodreads Choice Awards 2018 e merece ser conferido. 

Sem dizer nada, ela resolveu curtir o momento, a incerteza, e esperança de tirar o folego, a ansiedade e o contentamento fervoroso. A visão de seus dedos entrelaçados lhe agradava. Eram bem diferentes, mas ainda assim eram cinco de cada, com a mesma quantidade de articulações, o mesmo projeto básico. Ela apertou mais forte, e ele retribuiu o gesto. Palma com palma, duas metades solitárias encontrando conforto juntas.





2leep.com

6 comentários:

  1. Oi! Tudo bom?
    Eu queria TANTO ter gostado dessa história, mas não rolou. Não me fisgou e eu não consegui curtir o romance ou o desenvolvimento dos personagens. Infelizmente foi uma leitura bem fail pra mim :/

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oiii Cida

    O que eu gostei forem os protagonistas terem seus dramas, viverem seus conflitos mas a narrativa ser leve e divertida, acho que isso muda o tom da história e dá um certo ar de esperança. Todo mundo elogia bastante esse livro, gostaria de conhecer a história em breve com certeza.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Este livro não funcionou pra mim, não gostei 😞

    ResponderExcluir
  4. E o tanto que amo livros de romance? Ainda não tinha visto nada sobre esse, mas nem preciso dizer que fiquei doida para conhecer, né?

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  5. Oiee, no começo da resenha eu estava achando que era um livro bem fofinho e teen, mas depois percebi que como tem tanta cena de sexo fica meio difícil encaixá-los nesses rótulos, né? ahahhaha

    www.estupefaca.com.br

    ResponderExcluir
  6. eu curti a premissa e parece ser uma boa história, o livro ja esta na minha lista de desejados
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!