[Resenha] Dias de Despedida

Dias de Despedida
Título Original: Goodbye Days
Autor(a): Jeff Zentner 
Editora: Seguinte               Páginas: 392
Lançamento: 2017             ISBN: 9788555340635
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
"Cadê vocês? Me respondam."Essa foi a última mensagem que Carver mandou para seus melhores amigos, Mars, Eli e Blake. Logo em seguida os três sofreram um acidente de carro fatal. Agora, o garoto não consegue parar de se culpar pelo que aconteceu e, para piorar, um juiz poderoso está empenhado em abrir uma investigação criminal contra ele. Mas Carver tem alguns aliados: a namorada de Eli, sua única amiga na escola; o dr. Mendez, seu terapeuta; e a avó de Blake, que pede a sua ajuda para organizar um “dia de despedida” para compartilharem lembranças do neto. Quando as outras famílias decidem que também querem um dia de despedida, Carver não tem certeza de suas intenções. Será que eles serão capazes de ficar em paz com suas perdas? Ou esses dias de despedida só vão deixar Carver mais perto de um colapso — ou, pior, da prisão?

Oi! Eu sou a Jô e quero que conheçam esse livro tocante.

Dias de Despedida é aquele livro que segue com o leitor por dias e dias após ser fechado. O autor Jeff Zentner abordou em sua história temas reais, temas vivos e sentimentos pulsantes que chegam facilmente no coração do leitor. Aliado a isso, apresenta-nos personagens carismáticos, que mesmo quando falhos você os aceita.

Carver e os três amigos -  Mars, Eli e Blake - , formavam a Trupe do Molho. Quatro garotos que estavam seguindo rumo ao último ano da escola e eram cheios de sonhos, até que um acidente de carro ceifou suas vidas. Carver, que estava trabalhando naquele dia, sente a dor da perda e culpa pelo acontecido. Ao que tudo indica, a mensagem que ele enviou aos amigos distraiu precisamente o que estava dirigindo e isso causou o acidente.

A história começa logo em um dos velórios e segue com Carver em sua saga de superação de luto e de lidar com as acusações vindas de alguns dos familiares de seus amigos. O leitor não é poupado de nenhum segundo da aflição e desespero de um jovem que esperava estar iniciando novos projetos de vida e se vê enterrando aqueles que estariam com ele nesses projetos. Imaginem que situação delicada, dor de perda e culpa, caminhando lado e lado? Encerramentos em épocas novos de começos?

A avó de um dos garotos pede a Carver que faça com ela um Dia de Despedida para honrar o neto e esse projeto acaba se estendendo para as outras famílias e permitindo que o leitor conheça melhor Mars, Eli e Blake. Eu fiquei impressionada com a forma como o autor lhes deu tanta vida na ausência. Na memória dos que ficaram, eles não partiram de fato e estavam ali em cada linha da história. Não engane-se achando que é a história apenas de Carver, saiba que é a história também de Mars, Eli e Blake.

Carver mostra para as famílias dos amigos, partes deles que os pais não conheciam, até mesmo percebe que ele próprio não se conhecia totalmente e acaba se descobrindo e se encontrando.

Não é uma leitura pesada, mas é reflexiva pela quantidade de temas polêmicos que aborda. Contudo, apesar de toda a carga de drama, há diversos momentos de leveza, especialmente quando o passado é trazido ao presente para mostrar como a amizade dos quatro teve inicio e como se fortaleceu.  

O que mais apreciei foi o posicionamento da família de Carver dando espaço ao garoto, mas mostrando que estava ali por ele todo o tempo. A irmã dele é a irmã que todos queriam ter e o relacionamento de companheirismo de ambos é um alívio, é um incentivo para o diálogo em família e para mostrar que irmãos não são rivais.

O que gera mais abalo é com certeza o que gira em torno do tema culpa. Eu não acho que Carver tenha sido responsável pelo acidente. Ele mandou a mensagem para o amigo, mas o amigo é que deveria ter tido a responsabilidade no volante. Se ele estava dirigindo, deveria ter sido um motorista mais cuidadoso. O absurdo maior de toda a situação e que foi o aspecto que gerou muito desconforto durante minha leitura foi a forma como o pai de um dos garotos, que era juiz, usou sua autoridade para intimidar Carver e acusá-lo de matar os outros. Sei que ele precisava de um culpado para se sentir melhor, mas limites existem para tudo nessa vida.

Na maioria das vezes, a gente não guarda as pessoas que ama no coração porque elas nos salvaram de um afogamento ou nos tiraram de uma casa em chamas. Quase sempre, nós as guardamos do coração porque, em um milhão de formas serenas e perfeitas, elas nos salvaram da solidão. 

Dias de Despedida é um livro para ser sentido e que nos faz ver o quanto cada momento com aqueles que amamos é de suma importância. O quanto vale a pena dentro de um relação de amizade apenas ouvir o amigo e lhe dar um abraço quando faltam palavras. Os pequenos gestos para alguns tão sem sentido, para outros pode significar a coragem para encarar a vida e a si mesmo. É uma história de perdão, superação, de celebração a generosidade, a amizade e a vida.





2leep.com

13 comentários:

  1. Adoro livros que nos perseguem, Cida!
    São as melhores histórias. E as temáticas abordadas me interessam muito.
    Adorei a dica!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Jô!
    E eu achando que esse livro seria fofinho.. Já anotei a dica pra ler quando estiver no clima.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. eu achei a proposta interessante, mas não acho que leria por agora
    em 2018 uma das minhas propostas é ler outras propostas, autores e etc
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oii Jô, a história deve ser linda , e igual você disse na resenha é uma leitura para ser sentida, e ver o valor que damos nos outros.
    -Beijos,Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie Jô =)

    Estou com esse livro aqui em casa para ler, mas como minhas últimas leituras foram emocionalmente pesadas, estou esperando estar em um clima melhor para ler ele.

    Só pela premissa já percebi que esse será um livro que vai deixar meu coração em pedaços, e sua resenha só confirmou isso.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida!
    Pela capa o livro nunca me chamaria a atenção, porém gostei da sinopse e da sua resenha. Olha como as capas enganam!

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida,

    Não conhecia a história mas, parece ser um livro bem marcante.
    Gostei da premissa, mas não sei se leria nesse momento algo do gênero.
    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Cida, tudo bem?
    Esse livro tá na minha wishlist.
    A temática parece super tocante e certamente vou me emocionar.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  9. Que lindo isso!!! OMG!!
    Amei.
    Queroqueroquero!!!

    Bjks

    ResponderExcluir
  10. Olá, Jô.
    Esse livro parece ser daqueles que fujo, mas que estou sempre lendo. Por isso já adicionei na minha lista. Pelo que consegui entender sem ler o livro, não acredito que seja culpa dele já que ele não tinha como saber onde a pessoa estava na hora da mensagem, quem tinha que saber o momento de ler era quem estava dirigindo. Mas a culpa fica mesmo, ainda que a pessoa não tenha sido realmente culpada.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  11. Oi, Cida!
    O livro vai o meu estilo, é com certeza uma leitura repleta de sentimentos que eu gostaria de fazer! Vai para a lista de desejados!

    Beijos
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Cida, tudo bem? Eu não sabia direito o que pensar desse livro até começar a ler as resenhas e achar o máximo <3 Vi fotos da edição e achei bem bonita tb!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  13. Nossa, fiquei morrendo de vontade de ler agora. Vou anotar e colocar na minha lista de leitura! <3
    Beijinhos!
    Livros, Amor e Mais

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!