[Resenha] A Estrela da Meia-Noite

A Estrela da Meia-Noite
Título Original: The Midnight Star (The Young Elites #3)
Autor(a): Marie Lu 
Editora: Rocco (Jovens Leitores)         Páginas: 254
Lançamento: 2017                               ISBN: 9788579803437
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Adelina Amouteru sobreviveu à febre do sangue, fez uso de seus dons, formou seu próprio exército, vingou-se de seus traidores e conquistou a vitória. Mas seu reinado triunfante está ameaçado, e o inimigo não vem de fora; a sede de vingança da jovem levou seu lado cruel e sombrio a sair do controle, e ela terá que curar antigas feridas se quiser manter tudo o que conquistou. No desfecho da eletrizante trilogia Jovens de Elite, Marie Lu coloca sua protagonista diante de uma nova ameaça que a levará a revisitar fatos dolorosos do seu passado e a fazer uma aliança arriscada e difícil. Será que Adelina está preparada para se transformar na estrela da meia-noite e, finalmente, conhecer a paz?

No começo deste ano eu li dos dois primeiros livros desta trilogia e fui surpreendida por uma história criativa, complexa e ousada. Não via a hora de ler o desfecho e fiquei muito feliz quando o lançamento foi anunciado no segundo semestre.

Os Jovens de Elite são jovens que sobreviveram a febre do sangue e adquiriram com isso dons. Na época em que vivem, ao invés de serem vistos como milagres, são considerados aberrações e caçados pela Inquisição. Dentro deste grupo temos Enzo, o Ceifador, e real herdeiro do trono. Ele une outros semelhantes e juntos formam os Punhais. O grupo quer o trono, mas por uma série de conflitos internos, acaba sendo derrotado pela novata da turma, a cruel Adelina Amouteru.

Adelina é a protagonista e elemento mais ousado da trilogia, pois é a vilã de toda a história. Cada ato seu nos causa horror e foi fácil, mesmo adorando o diferencial de ter uma pessoa má como protagonista, odiá-la profundamente. No primeiro volume percebemos sua distorção de caráter apenas nas últimas páginas, mas no segundo ela assola o mundo com sua infinita crueldade. Quando terminei Sociedade da Rosa  me deparei com uma Adelina vitoriosa e derrotada ao mesmo tempo e nesta sequencia vemos claramente como ela vem se saindo depois de mostrar para todos que é uma força a ser temida e até mesmo reverenciada.

Muita gente morreu no decorrer dos livros, mas muitos sobreviveram e aqui estão novamente reunidos. A princípio seguimos de onde a história havia parado, mas logo surgem indícios que conquistar um trono não é mais o foco. Em A Estrela da Meia-Noite, terceiro volume da trilogia Jovens de Elite, a autora Marie Lu mudou totalmente o rumo da história e colocou os personagens centrais em uma jornada bem distante daquela iniciada no primeiro livro.

Os remanescentes Punhais e Adelina com seus asseclas acabam encontrando um problema muito maior do que a conquista de novos reinos, na verdade, se não resolverem este desafio não vai sobrar nada para ser conquistado e o que foi ganho até agora de nada valerá. Adelina, a vilã mor de todos os tempos, se vê tendo que repensar o que é e tudo que já fez, assim entende que o ajuste de contas chegou.

Os Jovens de Elite são donos de dons extraordinários oriundos de uma febre de sangue, no entanto, este fenômeno nunca foi muito bem explicado e finalmente neste livro a autora nos revela a origem de tudo  e entendemos não apenas a grandeza dos poderes deles, mas sua fonte e se de fato podem ser considerados normais ou aberrações.

Eu não li nenhuma resenha deste livro até agora, não queria ser influenciada por nenhuma opinião quando fosse ler e estou bem curiosa para saber se a mudança de foco da série agradou ou não. Foi uma mudança grandiosa, todos os Jovens de Elite deixaram de lado os antigos objetivos para mergulhar em algo mais místico e abnegado. Eu fiquei surpresa, mas gostei demais. A imprevisibilidade desta trilogia foi sempre um ponto positivo e ao chegar na última página senti que um ciclo havia se completado e nada havia sido deixado ao acaso. Não nego que meu lado mais terrível queria um desfecho bem mais duro para Adelina, mas ainda assim acredito que houve alguma justiça.

A leitura me empolgou do começo ao fim, foram muitos acertos de contas, muitos momentos nostálgicos para lembrar pessoas perdidas, horas de reflexão sobre atos e consequências e magia poderosa usada tanto para o bem quanto para o mal. A ambientação medieval dá grandeza a história e permite que existam cenas de batalha marcantes e violentas. É impressionante o grau de ação e gosto de sentir a energia da história me envolvendo.

Em suma, A Estrela da Meia-Noite concluiu bem esta a trilogia e vou sentir saudades deste grupo de jovens tão extraordinário e corajoso. Até mesmo de Adelina, de sua loucura e sede de poder. Ela é má, mas um personagens muito bem construída e convincente.  Quero conferir agora a Trilogia Legend da mesma autora, pois preciso de mais Marie Lu na minha vida de leitora. Super recomendo! 

Confira

2leep.com

12 comentários:

  1. Oi Cida!
    Acho linda a capa desse livro. Ele só não me interessou tanto porque não li os anteriores ainda.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  2. Preciso muito voltar a ler Marie Lu... essa trilogia está nos meus planos para 2018. E se você diz que ela começou e terminou muito bem, eu super acredito e vou mergulhar nela com gosto!
    Amei a resenha!!

    Bjks

    ResponderExcluir
  3. a autora e seus enredos sempre eletrizantes, apesar de só conhecer os livros por meio das suas resenhas tenho uma boa impressão das tramas
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida! Essa protagonista é o que mais me chama atenção nessa trilogia, eu fico bem curiosa com ela, confesso! Fico feliz em saber que vc curtiu a leitura e que a trilogia é bem finalizada, agora posso ler sem medo hehehehehe

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi Cida,
    Já me falaram tanto dessa autora e realmente parece ser uma boa trilogia.

    bjs
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida, tudo bom/
    Achei o final dessa trilogia magistral, melhor do que Champion foi para Legend - e eu acho Champion uma obra prima em quesito 'finalizar uma história'. Tudo o que a Marie escreveu em Estrela foi condizente com o que os outros livros trouxeram pra história; bem sombrio, mas ao mesmo tempo esperançoso.
    E a Adelina, minha deusa que protagonista fantástica! Queria ter escrito esse livro só pra ter criado ela.
    Adorei a resenha!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é incrível, você a odeia, mas sabe que é a vilã perfeita.

      Excluir
  7. Oi, Cida!
    Pulei sua resenha até o último parágrafo porque ainda vou ler e fiquei com medo de descobrir algo que não queria haahhahahha
    Bom saber que a autora fechou bem a história. E leia a trilogia Legend. É maravilhosa <3 É completamente diferente de tudo que você pode pensar que ela é.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
  8. Essa é uma das séries que tenho muita curiosidade, está na minha lista de espera, tenho os dois primeiros em ebook.

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
  9. Olá, Cida.
    Que bom que gostou da trilogia e da autora. Eu amei tanto Legend que fui com muita sede ao pote e acabei me decepcionando com o primeiro livro dessa trilogia. Não sei se lerei os outros.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Oi Cida,

    Estou doida para ler esse livro da autora, pois o final do segundo deixou um gostinho de quero mais.
    Ainda não pude ler, mas está na lista de prioridades de leitura.
    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida,
    Não conhecia essa trilogia, mas que bom que a autora conseguiu finaliza- lá de forma satisfatória. Ainda não li um livro onde a protagonista fosse a vilã, fiquei curiosa. Dica anotada!!

    *bye*
    loucaporromances.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!