[Resenha] Revolta em Nova York

Revolta em Nova York
Título Original: Last Descendants (Assassin's Creed: Last Descendants #1)
Autor(a): Matthew J. Kirby
Editora: Galera Record         Páginas: 252
Lançamento: 2016               ISBN: 9788501107701
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Assassin’s Creed está de volta com uma novíssima história da antiga guerra entre Assassinos e Templários, dessa vez nos dias de hoje. O jovem Owen finalmente tem a chance de limpar a honra do pai, que morreu na prisão, acusado de um crime que o garoto tem certeza de que ele não cometeu. Por meio do Animus, máquina que permite quem a usa viver as memórias dos seus antepassados, o lendário Tridente do Éden é revelado. Duas organizações secretas, a Irmandade dos Assassinos e a Ordem dos Templários, estão em guerra há séculos e não irão descansar enquanto não tiverem esse artefato sob seu poder. Logo, Owen percebe que a única forma de permanecer a salvo é encontrando o Tridente antes de todos. Ele e outros jovens partem numa jornada dentro de uma memória que dividem, em seu DNA: a Nova York de 1863, em meio aos motins que tomaram a cidade naquela época. O grupo será testado pela violência das pessoas em meio à revolta, e tudo sem poder interferir nas injustiças e crueldades que presenciam. Afinal, o passado já está escrito. O que nenhum deles sabe é que sua experiência com o passado terá grandes implicações no presente. E aqui que o futuro é incerto. Tudo pode acontecer.
Revolta em Nova York é o primeiro volume da duologia Assassin's Creed: Last Descendants, de Matthew J. Kirby, publicada no Brasil pela Galera Record. A Editora publica também outra série voltada para este universo, mas de autoria de Oliver Bowden.

Owen viu seu pai ser preso e condenado, mas para ele foi um tremendo engano e está disposto a provar que o pai era inocente. Há um certo homem – Monroe - que trabalha em sua escola e possui um Animus, uma máquina que coleta o DNA das pessoas e acessa memórias passadas. Não memórias desta pessoa e sim de seus antepassados. É como uma viagem no tempo por uma gota de sangue.

Owen pede que seu amigo Javier vá com ele encontrar o tal homem dono do Animus e fica frustrado ao saber que para o que precisa a máquina não pode ajudar. Mesmo assim, instigados por Monroe, os dois garotos aceitam usar a máquina e acabam descobrindo  algo que pode despertar o interesse de dois grupos que há muito tempo mantem uma disputa de vida e morte: os Templários e os Assassinos. Deste dia em diante Javier e Owen passam a ser seguidos e descobrem que seus antepassados foram pessoas bem ilustres.

No universo de Assassin's Creed há uma busca secular por peças que compõe um artefato poderoso. O Tridente do Éden é o objeto mais desejado pelos Assassinos e pelos Templários e estes dois grupos argumentam que vão usá-lo de maneira correta. O fato é que o objeto em questão dá muito poder a quem o possuir e sinceramente algo assim não deveria nem existir, quanto mais ficar com um destes grupos.

Você pode ficar dividido e não saber quem está certo nesta contenda, eu sou time dos Assassinos e desde que havia lido Submundo em 2015 estava sedenta por mais deste universo. Eu senti uma mudança considerável de uma série para outra, o texto de Oliver Bowden é mais maduro, assim como seus personagens. Já está nova série é bem mais adolescente. Há conteúdo histórico em ambas, só que em Last Descendants não é tão aprofundado.

Esta máquina permite viver aventuras bem loucas e Owen, Javier e mais um grupo de jovens reunidos por Monroe vão aceitar participar das simulações para achar o artefato. O que achei bem legal foi saber que estes adolescentes são descendentes não apenas dos Assassinos, mas também dos Templários e ver a nova geração trabalhando junta foi bem interessante. 

Mas não pensem que a paz reina na trama, os Templários estão ali querendo ganhar esta disputa e vão usar dos mais ardilosos artifícios para atingirem seus objetivos. E isso garante cenas de muita ação e perigo. Ainda permite que a trama dê reviravoltas e abra espaço para que a história fique mais complicada daqui em diante. Owen está num dilema e para ficar vivo terá que tomar grandes decisões.

A participação dos Assassinos foi bem pequena no balanço geral, mas há indícios que uma determinada moça vá ser uma importante adição para esta ordem e torço para que no próximo volume Eliza tenha uma participação maior. Torço também para que Owen consiga descobrir se o pai é ou não culpado e claro, para que os Assassinos deem um belo chute nos Templários. 

Revolta em Nova York é um bom começo para a série e pode agradar bastante o leitor que deseja algo mais leve e ágil para mergulhar em Assassin's Creed. É um texto leve, descontraído e flui muito bem. Recomendo.

Agora em 2017 temos o filme voltado para o universo de Assassin's Creed. Será que é legal?



2leep.com

9 comentários:

  1. Oi, Cida!
    Eu só li os dois primeiros livros da série do Bowen. Achei as histórias bacanas, mas fui perdendo o interesse ao longo dos anos.
    Estou super ansiosa para o filme.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. eu não sou muito a vibe desses livros, mas agradeço pela excelente resenha, como sempre
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    Não conhecia a série, mas tem uma premissa muito interessante, daquelas que te prendem do início ao fim. Parece ser uma obra com muita aventura e fiquei bem curiosa para conhecer a história completa. Sua resenha está maravilhosa, Parabéns!

    Beijos,

    Gnoma Leitora

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida,
    Não li nada dessa série ainda, vi que o filme 1 está nos cinemas.
    Quero ver se vou conferir em breve!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Cida!! Não li nada da série, mas sempre bons comentários sobre ela. Bom saber que o primeiro volume começa bem! Não imaginava que poderia ser um texto leve, gostei disso!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida! Eu tenho vontade, mas ainda não li nadica dessa série.
    Quero ler antes do filme.
    Beeijos
    http://lua-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida, tudo bem?
    Não costumo ler muitos livros de jogos, e como nunca joguei Assassin's Creed, acho que não leria. Mas a trama dos jogos/livros parece bacana, e ambientação também!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  8. Olá, Cida.
    Isso que você falou dessa série ser mais adolescente do que a outra eu percebi já pela capa hehe. Não sei se leria os livros porque acho que são muitos hehe. Mas pretendo assistir o filme, vai que eu goste muito, dai vou ter que ler hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Eu tenho os três primeiros volumes da série do Oliver Bowden, não sabia que havia outra série ambientada nesse universo. Sou fascinada pela mitologia na qual a Ordem dos Templários está envolta, fico me perguntando se essa série que coloca eles como vilões vai consegui me convencer. Aaaah esse universo do fim da Idade Média e inicio da Idade Moderna não cansa de instigar os autores. #Adoro

    #DoQueEuLeio

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!