[Resenha] Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Sete Minutos Depois da Meia-Noite
Título Original: A Monster Calls
Autor(a): Patrick Ness
Editora: Novo Conceito        Páginas: 160
Lançamento: 2016               ISBN: 9788581638249
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Conor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida. A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido. O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a verdade. Baseado na ideia de Siobhan Dowd, Sete minutos depois da meia-noite é um livro em que fantasia e realidade se misturam. Ele nos fala dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para ultrapassá-los.
Histórias são coisas selvagens

Desde que vi o trailer do filme eu havia ficado interessada na história e quando o livro chegou aqui e vi que era tão fininho não pensei duas vezes, resolvi ler logo. Ah! Como eu queria mais e mais páginas desta história encantadora e comovente de um menino assustado com a  doença da mãe e que todas as noites – exatamente às 00h07– conversava com um monstro.

Os pais de Conor são separados e ele vive com a mãe. Eles têm uma ótima relação, mas nos último tempos o menino está praticamente vivendo por conta própria, pois a mãe está muito doente e a cada dia fica pior. Em uma noite como tantas outras, o menino está na janela do quarto olhando para o velho teixo que está ali desde que se entende por gente e quando menos espera a árvore ganha vida e vira um monstro.

Um monstro nada amistoso, mas que por mais que tente não assusta Conor. Nosso protagonista lida com coisas bem piores e até aparece que aquele monstro é assim tão perigoso, na verdade o garoto acredita que está sonhando.

No entanto, conforme o estado de saúde da mãe se agrava, a vida na escola é puro bullying, a avó autoritária vem morar em sua casa e o pai aparece mostrando claramente que a nova família é mais importante que o filho,  Conor vai se apegando  mais e mais ao monstro e acreditando que ele é muito real. E as três histórias que a criatura se dispõe a contar  são uma espécie de distração para tantos infortúnios que o cercam.

Este livro mistura fantasia e realidade de uma maneira bem especial e convincente. Por mais que você saiba que monstros surgidos de uma árvore não existam, o autor conduz de maneira tão viva a trama que você de fato acredita  que o que Conor está vivendo é real.

O monstro está ali por um motivo, mas qual não sabemos. Nem o protagonista sabe.  Ele só diz que Conor o chamou e por isso se levantou e resolveu “caminhar”. É uma criatura antiga e segundo diz foram poucas as vezes que “caminhou”. Assim através das histórias que conta ao garoto vai dando indícios de sua missão e nós vamos ter que juntar as peças para entender.


Ás vezes as pessoas precisam mentir para si mesmas acima de tudo.

O que mais intriga é que ele afirma que haverá uma quarta história, esta contada por Conor e será sobre uma verdade que o garoto teme. Uma verdade que lhe faz carregar uma culpa imensa no coração. Aí você nota que a história não é sobre uma mãe doente e seu filho e sim sobre um menino que precisa encontrar seu eixo para seguir em frente. Ele está perdido, sente-se invisível, revoltado ao ver que sentem pena de sua situação e anseia apenas por uma vida comum. A vida que um garoto de 13 anos deveria ter, simples assim.

As histórias do monstro são tão legais quanto a história central, assim a leitura se torna uma viagem por vários universos que aos poucos se conectam e provam que estão ali pelo menino e para ajudá-lo. Além disso existem perguntas que precisam de respostas: Quem é o monstro? O que ele veio fazer ali? O que Conor teme?  A mãe de Conor vai se salva?

A jornada do garoto é solitária e dolorosa, de partir o coração do leitor.  Eu me vi segurando as lágrimas várias vezes durante a leitura, mas nos momentos finais não consegui. Sempre queremos que uma criança viva cercada de alegria e sem preocupações, mas nosso garoto enfrentou desafios aqui que assustariam o mais corajoso dos adultos e a vontade de protegê-lo foi tão grande que eu quis entrar na história. Acho maravilhoso quando um livro consegue me atingir desta forma, quando me envolve ao ponto de eu desejar e acreditar que poderia entrar dentro dele e mudar o rumo das coisas, simplesmente me perdi nestas páginas.

É uma história triste, mas que traz muitos ensinamentos. Nos faz refletir sobre como encaramos os nossos problemas, que não precisam ser os mesmos que Conor enfrenta, mas que nos assustam em igual medida. É sobre enfrentar medos e encarar a verdade.

O filme tem estreia prevista para janeiro de 2017 e pelo que conferi do trailer é bem fiel ao livro. Não vejo a hora de assistir. Leiam Sete Minutos Depois da Meia-Noite e fiquem apaixonados por Conor e seu monstro. EU AMEI!


Nem sempre há um mocinho. Nem sempre há um bandido. A maioria das pessoas fica no meio termo.











2leep.com

11 comentários:

  1. Oi Cida, tudo bem?

    Estou criando coragem pra encarar essa leitura porque me parece ser triste demais, daquelas que mexe com a gente, demora dias pra ser digerida, mas que vale muito a pena ser lida!

    Como sempre a resenha está ótima e instigante!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oi, Cida!
    Eu tinha uma ideia completamente diferente desse livro. Estou criando forças porque sei que esse livro vai mexer bastante comigo.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário
    Participe da promoção de três anos de Um Oceano de Histórias
    Participe do Sorteio de Final de Ano

    ResponderExcluir
  3. Oi Cida, tudo bem?

    Já li algumas resenhas desse livro e sempre acabo me surpreendendo, pois a história parece ser fascinante. Gosto de livros que me fazem refletir, que me tiram da minha zona de conforto e me fazem embarcar em sentimentos e emoções. Não sabia que iria virar filme e adorei o trailer, muito bom!
    Parabéns pela resenha, mas uma vez estou babando na história!

    Beijos,

    Gnoma Leitora

    ResponderExcluir
  4. Um livro tão curtinho e tão cheio de coisas boas. Adorei.
    Gosto de clima de aventura com uma pitada boa de drama.
    Já tá na lista de desejados.

    Bjks

    ResponderExcluir
  5. Oi, Cida tudo bem?
    Esse livro me chamou bastante atenção, primeiro pelo enredo em si, segundo porque é fininho, parece que a leitura vai fluir tranquilamente e agora pela sua resenha. E ainda vai ter filme? Em Janeiro? Preciso ler urgentemente!
    beijinhos.

    https://leiturize-se.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. oi flor, eu não curto esse tipo de livro, fico com aquela angustia quando leio algo assim, meio aterrorizante (lado medrosa), mas da pra ver o potencial da história pela sua resenha, na elaboração de capa e pela adaptação ao cinema
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/2016/12/resenha-o-menino-dos-fantoches-de.html

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida, tudo bem?
    Estou louca para ler e para assistir ao filme também. Foi amor a primeira vista sabe, já estou me preparando para ir no cinema e para ler o livro também.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  8. Olá, Cida.
    Sou meio por fora mesmo porque nem sabia desse filme ainda. Achei o enredo bem interessante e estava aqui toda animada para ler até chegar nos momentos finais da resenha e você dizer que ele é de cortar o coração. Mas esses são os melhores né? Vou querer ler ele sim.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Oie Cida =)

    Já passei por todos os estágios com esse livro. Primeiro não dei bola, segundo fiquei interessada e agora estou bem curiosa rs...

    Tipo ele tem uma pegada que me lembra terror, ou seja, estou com medinho, mas me parece uma fantasia intrigante daquelas que deixam a gente grudada nas páginas do livro.

    Já está na fila de leituras ;)


    Beijos e um Feliz Natal para você e sua família!

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  10. Oi, Cida!
    A primeira vez que vi a capa desse livro imaginei uma história completamente diferente. A árvore me remeteu à uma história de fantasia, mas nada como o descrito na sinopse e na sua resenha. Sua opinião não é a primeira que leio, mas reforçou a vontade de ler que uma outra já tinha despertado. Essas coisas que mexem com as emoções da gente são um prato cheio pra mim, mesmo sofrendo durante a leitura.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  11. Oi, Cida, tudo bem com você?

    Menina, essa é minha leitura atual, faltam umas 20 páginas para terminar mas nem sei se vou terminar hoje, porque já chorei à beça de tarde. Ele não era nada do que eu estava esperando!!! :(

    Beijo
    - Tami
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!