[Resenha] O Colecionador de Peles

O Colecionador de Peles
Título Original: The Skin Collector (Lincoln Rhyme #11)
Autor(a): Jeffery Deaver 
Editora: Record                    Páginas: 490
Lançamento: 2015               ISBN: 9788501106100
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||

Um novo serial killer espreita pelas ruas de Nova York com sua mente doentia e perturbada. Conhecido como O Colecionador de Peles, ele é um tatuador que arrasta as vítimas para o subterrâneo da cidade, onde pode realizar sua arte sem ser interrompido. O problema é que, para criar suas obras-primas, em vez de tinta, ele desenha com venenos letais, causando mortes lentas e dolorosas. Convocados para a investigação, o detetive Lincoln Rhyme e sua parceira Amelia Sachs têm apenas as mensagens criptografadas gravadas na pele das vítimas como ponto de partida. Enquanto tenta descobrir o significado das tatuagens, a dupla segue por um caminho tortuoso em que nada é o que parece ser, e precisa correr contra o tempo para decifrar as pistas que encontram, antes que O Colecionador de Peles faça sua próxima vítima.

Do mesmo autor de O Colecionador de Ossos, mais precisamente da mesma série de livros que é protagonizada pelos peritos forenses Lincoln Rhyme e Amelia Sachs, O Colecionador de Peles, de Jeffery Deaver, publicado no Brasil pela Editora Record, traz uma história de um serial killer que é obcecado por peles. Ele escolhe suas vítimas ao acaso, dopando-as  com tranqüilizantes e arrastando- as por túneis ocultos esquecidos da cidade de Nova Iorque e lá no subterrâneo as tatua com veneno. Sua arte mortal são palavras desconexas. Para a polícia pode ser parte de uma frase, mas até que isso seja desvendado um rastro de corpos será deixado. Fica a cargo de Rhyme, Sachs e uma equipe escolhida a dedo capturar o assassino.

Foi meu primeiro contato com os livros do autor, embora eu já conhecesse a história de O Colecionador de Ossos por ter visto o sensacional filme protagonizado pelo talentoso Denzel Washington (Rhyme) e Angelina Jolie (Amelia). Acredito que o livro possua muito mais detalhes, mas ainda assim foi por ter gostado da trama que quis ler O Colecionador de Peles.

O primeiro capítulo já garante arrepios e medo, pois dá a sensação é que o assassino está bem perto da gente e adoro quando isso acontece, é como estar dentro da história. Cresce a expectativa pela hora do ataque e a aflição de imaginar como ele vai matar a vítima. E o primeiro crime não deixa nada a desejar neste quesito.

Então após tal momento eletrizante, veio algo inesperado. O autor revelou o nome do criminoso, Billy Haven. Eu pensei que se Deaver havia revelado Billy logo de cara, ou ele não era mesmo esta pessoa, ou então poderia ser alguém que aparecia em outros locais com outra identidade. Surge então outra questão quando você começa a conhecer Haven: qual a sua motivação e o que o levou a escolher um método de assassinato tão peculiar?

Usando de uma narrativa em terceira pessoa focada tanto nele, em Rhyme, Sachs, na polícia e em diversos outros personagens importantes para o desenvolvimento da trama, permitiu que o leitor pudesse dar uma espiada em cada ângulo da trama. 

Logo teorias foram surgindo na minha cabeça, mas a trama foi seguindo de uma forma que ao invés de me deixar animada, foi me deixando receosa e impaciente até a metade do livro. Primeiro que as mortes pararam, não que eu seja má, mas se é um livro sobre serial killer, eu esperava mais mortes. A seguir começaram a acontecer uma série de coisas meio frustrantes além dessa que já citei: os policiais tinham pistas demais, uma série de coincidências os ajudava a evitar danos maiores, Haven quase foi preso logo na segunda cena de crime e ainda havia um caso paralelo sendo tratado sobre um tal de Relojoeiro (outro caso de Rhyme) que dava aquela quebra no ritmo da trama.

Eu desejei que o autor tivesse cortado algo e sido breve em diversos aspectos, mas não desisti e segui em frente, sendo então recompensada lá pela página 200. Haven ficou mais ousado e insano, dando a impressão de travar uma batalha pessoal com Rhyme (entram aí várias referencias ao Colecionador de Ossos que irão fazer parte da história até a última página) e os ataques aumentaram significativamente. Tudo bem que na maioria ele falhou e não matou, mas ainda assim morreram mais pessoas e as palavras continuaram sendo escritas nos corpos. Eu estava na dúvida se Haven era um criminoso muito ruim ou Rhyme era muito sortudo.

Só que ambos, na verdade eram  muito inteligentes e tentavam a todo momento antecipar a ação do outro. Achei até que Haven se multiplicava, porque era incrível ver como conseguia estar em vários locais tão rapidamente. 

E nesta corrida de caça e caçador, onde você fica imaginando quem esta caçando quem de verdade, conhecemos um criminoso jovem e perturbado que se move buscando forças em lembranças truncadas da juventude. Haven é difícil de entender, mas fica claro que vê suas ações como algo predestinado, uma ação necessária para salvar a humanidade.

E a dupla Rhyme e Sachs age como se fossem um só. Ele está preso em cadeira de rodas e só conta com seu cérebro brilhante para desvendar os mistérios. E que cérebro minha gente! De primeira não gostei dele, todo arrogante e sarcástico sem um pingo de simpatia. Mas conhecendo sua genialidade fui cedendo e fechei o livro cativada por Rhyme, percebi que lá no fundo ele era uma pessoa que tão desprovida de sentimentos assim, só agia sutilmente e sem alarde. 

Sachs é o corpo de Rhymes nas investigações, coletando evidências e perseguindo bandidos, por isso citei que agem como um só, os dois são parte de um todo e desta forma vi a personalidade forte e marcante apenas nele. Pode ser que em outros livros ela seja mais forte, mas aqui eu achei Sachs um tanto apática.


E aí você quer saber se valeu apena eu seguir em frente? Com certeza! Quando os crimes aumentaram,  o ritmo ficou empolgante, mas foi mesmo conforme o mistério ia sendo desvendado que tudo encaixou e percebi que o autor não deixou nada ao acaso. Sim! Ele quis nos frustrar criando situações que faziam com que a história parecesse ser simples demais e sem rumo, quando na verdade cada falha do assassino, desvio de atenção, cada feliz coincidência e pistas que a policia encontrou no caminho e até aquele caso solto do Relojeiro eram necessários para compor o todo. O motivo não era apenas assassinato, eram tantas outras coisas e quando você acha que já descobriu tudo vem o golpe de mestre. 

Genial! Simplesmente fiquei chocada e aplaudi a técnica de Deaver para construir esta trama. Ele se arriscou, pois enquanto nos engana corre o risco de perder um leitor menos paciente, mas se você persistir e apostar, vai ganhar um grande prêmio. Um livro excelente, que só te deixa com vontade de estar mais e mais vezes ao lado de Rhyme e partilhar um pouco de seu brilhantismo. 


2leep.com

17 comentários:

  1. Acho o máximo quando um autor faz isso. Libera o nome do assassino no começo e ainda assim consegue segurar o leitor até o final. E olha que são 490 páginas!!!!!

    Ainda não li este, mas é claro que está na lista com uma estrelinha enorme do lado.

    Amei a resenha!!!!!!!!!

    Bjks

    Lelê

    ResponderExcluir
  2. Comecei a gostar de histórias sobre serial killers assistindo a série Hannibal. Me chamou minha atenção sua resenha sobre o livro. Fiquei imaginando quanto suspense as páginas deste livro contém. Gostei muito da capa também, bem macabra rsrsrs
    Nunca li livros com esse tipo de história, esse vai ser o primeiro a entrar para minha meta de leitura para 2016.

    ResponderExcluir
  3. Amei a sua resenha, mas fiquei morrendo de medo do enredo desse livro. Hahahaha Sou muito medrosa pra ler essas coisas. Hahahaha
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá :)
    A trama parece ser interessante e instigante!
    Adorei sua resenha!
    Beijos,

    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá! Adorei seu comentário sobre esse livro. Assim como você só tenho conhecimento através do filme e há pouco tempo fiquei sabendo dos livros. Achei interessante a história. Beijos
    SIL ~ Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  6. Olá, Cida.
    Só recentemente descobri que O colecionador de ossos era um livro. E agora quero ler todos do autor. Quando você começou a falar sobre o livro eu achei que fosse dizer que não ia indicar, que tinha te decepcionado, mas que bom que a história melhorou muito a ponto de você achar genial. É um livro que já está nas minha lista de futuras leituras.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil! O autor conseguiu me enganar muito bem, acreditei que os "erros" cometidos eram falhas, quando na verdade eram para despistar.

      Excluir
  7. Oi! ^^
    Adorei sua resenha! Ainda não conhecia o livro, e tenho vontade de voltar a ler mais livros policiais e com o que você escreveu esse livro se tornou um forte candidato à próxima leitura! Interessante você ter comentado que o autor poderia ter cortado algumas coisas, mas que depois melhorou. Assim quando eu for ler também não vou desistir fácil dele!

    Um excelente 2016 para você!
    Beijos;

    Blog: http://hipercriativa.blogspot.com.br/
    Wattpad: https://www.wattpad.com/user/helainaideas
    Fanpage: https://www.facebook.com/BlogMenteHipercriativa

    ResponderExcluir
  8. oi flor, o que acho interessante nesses livros é a mente psicótica da pessoa, meu Deus, é uma insanidade que salta das páginas!

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oie Cida =)

    A sua é a segunda resenha que leio desse livro. Nunca cheguei a assistir ao filme do Colecionador de Ossos inteiro por que o pouco que vi já me deu arrepios, mas pelo que percebi esse livro consegue ser uma pouco mais interessante do que o primeiro. Não é o tipo de livro que leio, mas não minto que a premissa me deixou curiosa. O problema é vencer o medo rs...

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  10. Amo histórias de serial killers. No começo da resenha já estava pensando que não ia gostar desse, por conta dos problemas que você citou, mas depois que terminei de ler, já adicionei na minha lista de desejados.
    Lembro que gostei do Colecionador de Ossos, mas não lembro muita coisa porque assisti faz tempo e além de querer ler o livro fiquei com vontade de rever o filme, já que é o mesmo universo.
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é antigo mesmo, estou pensando até em rever.

      Excluir
  11. Oi Cida,
    Sou louca para ler o primeiro livro porque adoro o filme, e ainda viciei meu pai.
    Mas duvido que ele leia HAHAHA

    Dica anotada.

    Tenha um lindo 2016 \o
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  12. Cida!

    Estou louca por este livro! Já havia lido resenha dele e cada vez eu confio mais no fato de que é um excelente livro, numa temática que adoro, os serial killers!
    Tudo parece interessante, intrigante e um pouco aterrorizante, mas eu quero muuuuito ler este livro, ainda mais depois de ler sua resenha! Meta de 2016? Com certeza!!

    Adorei, e é uma excelente dica pra quem ainda não conhece também. Muita gente só ouviu falar do Colecionador de Ossos porque é um filme :)

    Beijo!
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ainda não li esse livro e espero poder ler em breve. Gosto de livros que me deixa em suspense desde o inicio da história. Já li e tenho, O Colecionador de Ossos. Agora quero ler esse outro. Gostei da resenha.

    ResponderExcluir
  14. Cida!
    Só em ser do mesmo autor de Colecionador de ossos, já daria uma chance para leitura, apesar de todas suas observações contra.
    “Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância.” (Sócrates)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe do TOP COMENTARISTA de Janeiro, são 4 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!