[Resenha] Infinito + Um

Infinito + Um
Título Original: Infinity + One
Autor(a): Amy Harmon    
Editora: Verus                      Páginas: 336
Lançamento: 2015               ISBN: 9788576864424
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Quando duas pessoas se tornam aliadas improváveis e foras da lei quase sem querer, como podem vencer todos os desafios? Bonnie Rae Shelby é uma estrela da música. Ela é rica, linda e incrivelmente famosa. E quer morrer. Finn Clyde é um zé-ninguém. Ele é sensível, brilhante e absurdamente cínico. E tudo o que ele quer é uma chance na vida. Estranhas circunstâncias juntam o garoto que quer esquecer o passado e a garota que não consegue enfrentar o futuro. Tendo o mundo contra eles, esses dois jovens, tão diferentes um do outro, embarcam numa viagem alucinante que não só vai mudar a vida de ambos, como pode até lhes custar a vida. Infinito + um é uma história sobre fama e fortuna, sobre privilégios e injustiças, sobre encontrar um amigo por trás da máscara de um estranho — e sobre descobrir o amor nos lugares mais inusitados.

Desde que li a última página de Beleza Perdida - de olhos inchados e nariz vermelho de tanto chorar –,  eu fiquei com muita vontade de conferir outros livros de Amy Harmon. Esta autora me surpreendeu de maneira inesperada, não só pela delicadeza de sua narrativa que consegue derreter nosso coração, mas por abordar um tema que geralmente me afasta das histórias: fé. Não curto quando o autor coloca isso como obrigação. Eu que não sigo nenhuma religião me sinto incomodada quando leio algo que a impõe, mas Harmon trata isso de maneira diferente. É sutil, é sincero e sem a necessidade de ritos, cerimônias, sacerdotes, fanatismo  e afins, é simplesmente com o coração. É imperfeito, nos aceita como somos na nossa individualidade. É real,  honesto e inspirador.

Infinito + Um acabou de ser lançado pela Verus e traz uma versão moderna e não tão violenta da história de Bonnie e Clyde, um casal de criminosos norte-americano que imortalizou seu amor ao deixar um rastro de mortes e crimes nas estradas dos EUA até o dia que foram mortos em um cerco policial.

Calma! O casal  Bonnie e Clyde deste livro não é uma dupla de criminosos, são dois jovens que se conheceram de maneira inusitada e caíram na estrada rumo à Las Vegas em busca de um novo começo.

Bonnie Rae Shelby é uma menina que chegou ao estrelado como um foguete e aos vinte um anos tem mais dinheiro do que jamais sonhou. É conhecida pelos quatro cantos dos país e não aguenta mais seguir as ordens de sua avó e nem ao menos saber quem é de verdade. Sem chão e de coração partido desde a morte de sua irmã gêmea Minnie, ela não se sente dona de sua vida, assim pular de uma ponte parece ser o mais certo em sua existência sem sentido.

Mas não era a hora de Bonnie e um anjo, ou melhor dizendo, um cara com a aparência do deus Thor resolveu salvá-la. Infinity  James Clyde (Finn Clyde) tinha um fraco por pessoas que queriam se destruir. Finn não tinha conseguido salvar o irmão gêmeo Fish, mas aquela garota não ia morrer. De jeito nenhum!

E foi depois de impedir o suicídio de Bonnie que ambos resolveram viajar juntos e nós leitores acabamos embarcando nesta viagem inconsequente e imprevisível, onde não dá para imaginar o que virá na próxima curva.

É o fator surpresa que deixa a leitura mais interessante, eu devorei o livro na expectativa de saber o desfecho da história do casal Bonnie e Clyde dos dias atuais. A narrativa é ora em terceira pessoa, focada em Finn, e ora em primeira pessoa na voz de Bonnie, permitindo ao leitor um vislumbre da confusão de sentimentos que consomem a garota.

Ambos são complexos e mesmo jovens têm uma bagagem pesada. Na minha opinião a de Finn bem mais, pois além de carregar o peso do luto pelo irmão, da separação dos pais, ainda tinha que lidar com seu passado de presidiário. Que fique claro que ele não era um bandido, simplesmente foi pego em uma situação complicada e pagou pelo erro do irmão. Independente disso, ficou marcado de corpo e alma. As tatuagens do rapaz contam – de maneira bem feia – sua trajetória e exceto por uma que ele quis, todas as demais foram colocadas em seu corpo contra sua vontade e são motivo de vergonha. É triste demais ver um rapaz gentil, bom e inteligente  ser rotulado e não ter uma oportunidade de progredir na vida. Inteligente é pouco. Finn é brilhante com números e um gênio da matemática.

E Bonnie é doce, cativante e inocente. Não há como não querer proteger  Bonnie Rae Shelby, embora eu não tenha achado sua situação tão feia quanto a de Finn, ainda assim é complicada, pois é um retrato de muitos artistas jovens que sobem na vida muito rápido e se perdem de si mesmos. Aliado à isso temos o luto e uma menina que nunca recebeu amor, apenas a ganância vinda da família.

Eles são tão solitários e opostos que atraem-se como uma imã. Razão e emoção, pobre e rico, cautela e inconseqüência… Variáveis de uma equação que deveria ter um resultado perfeito se assim fosse possível entre tantas probabilidades e estatísticas. A verdade é que eles não poderiam dar certo juntos, mas eles queriam dar e cabe ao leitor seguir com Bonnie e Clyde para ver o resultado final.

A estrada era mal iluminada. Não havia placas para orientar. Mas eles tomaram a decisão. Se nenhuma estrada tinha saída, não desistiriam até morrer.

Harmon cria uma história de amor diferente e esperta, que é cheia de emoção, de crises e de loucuras. Os personagens falam muito, mas você nota que evitam se revelar e conforme um derruba o muro do outro é que vão ficando mais ligados. Este jeito de ser de ambos nos seduz. Você quer mais, deseja saber tudo em detalhes e temos mais do que uma viagem pelas estradas americanas, temos uma viagem pelas almas dos dois, que são muito bem construídos e explorados profundamente, nunca de maneira leviana, e sim com muita delicadeza e sensibilidade. Bonnie e Clyde são humanizados pela autora, suas falhas e fraquezas expostas de maneira a torná-los vivos e reais.

A escrita deste livro  e a forma como a história é contada são muito inteligentes e bem pensadas. Desde os títulos dos capítulos – que compostos de duas palavras traduzem as personalidades dos protagonistas -,  até cada diálogo e pensamento de Bonnie e Clyde. Há ainda trechos de tablóides especulando sobre o desaparecimento da queridinha da América e a possiblidade de ter sido sequestrada por um criminoso que dão uma clima de intriga na trama. E temos a música. Canções que dão o toque de melancolia, desespero, romance e esperança necessários para emocionar todos nós.

É evidente que houve pesquisa sobre diversos assuntos: as engrenagens que movem o mundo das celebridades, a realidade de presídios e presidiários e matemática. É incrível ver amor, medo, sonhos, relacionamentos e vida explicados em números e teorias de paradoxos e equações. Eu confesso que algumas vezes precisei reler algumas passagens, mas ao absorver o significado a teoria  se transformou em poesia.

Quanto é infinito mais um? – interrompi Katy, fazendo a Finn minha própria pergunta.
- Ainda é infinito – respondeu ele com um suspiro.
- Errado. É dois.

O início é bem agitado e especulativo, representando a adaptação de Bonnie e Clyde um ao outro e a forma como se despem de seus disfarces. O meio foi mais lento e eu não gostei muito de certas atitudes impensadas de Bonnie, ali ela foi a “estrelinha” acostumada a ter o mundo aos seus pés. Mesmo que estes momentos mostrassem o quanto estava perdendo o controle de si, eu não consegui aceitar a forma como colocava Finn em perigo. Ele não tinha a mesma condição que ela de sair ileso da fuga e Bonnie não parecia enxergar isso. Já nas últimas cem páginas entramos numa corrida alucinada com os dois, onde a execução de um plano mirabolante pode ser a única saída para um final feliz.

Será que nossos personagens tiveram o mesmo fim que suas versões do passado? O que esperava por Bonnie e Clyde no fim da estrada?

Só lendo para saber e garanto que não vão se arrepender desta viagem. É intensa e apaixonante. E eu preciso de outro livro de Amy Harmon para ontem.




2leep.com

16 comentários:

  1. Oi, Cida!
    Eu vi a capa do livro da Bianca e pirei horrores aqui. Quero logo que chegue março *-*
    Não sabia que era uma releitura de Bonnie e Clyde... Achei interessante.
    Nunca li nada da Amy, mas sei que ela faz muito sucesso por aqui. Acho que ainda não li pelo fato das histórias serem um pouco batidas sabe? O casal sempre tem um passado pesado e tals... Acho que li tanto NA seguido que me saturei um pouco hahhaha
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu! Os livros dela não são clichês, leia ambos e deixe se surpreender, especialmente com Beleza Perdida.

      Excluir
  2. quando vi que era da autora ja fiquei com gostinho de quero ler, com a sua resenha ainda mais, a história parece ser linda, como você, acho que tratar de fé em livros é um tema delicado e que deve ser administrado com cuidado e que com que a autora surpreende positivamente nesse quesito também
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá :)
    Menina você me assustou quando mencionou o casal de criminosos hahaha
    A história parece ser tão linda no estilo de "Beleza perdida" com toda certeza o livro já está incluído na lista de primeiras leituras de 2016.

    Um feliz natal!
    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oie Cida =)

    Leio só resenhas positivas de Beleza Perdida, mas apesar de ter o livro em e-book ainda não tive chance de conferir a história. Também não curto muito quando o autor trabalha a fé como uma obrigada na narrativa, sei lá sinto que fica algo forçado.

    A premissa desse livro me chamou a atenção e a sua resenha me deixou curiosa. Me lembrou um pouco o Entre Agora e o Nunca, tipo os dois se conhecem na estrada e tal rs...

    Ótima resenha!

    Beijos e um Feliz Natal!
    ;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ane! Não li ainda Entre o Agora e o Nunca,mas morro de vontade de conferir. Gosto destas road trips malucas

      Excluir
  5. Oi Cida!
    Ainda não li nenhum livro da autora, mas a sinopse desse me deixou ainda mais curiosa do que Beleza Perdida. Mais um para a wishlist!

    Feliz Natal!
    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  6. Eu PRECISO conhecer essa autora! Suas resenhas tem esse dom de me fazer querer desesperadamente ler alguns autores. Gente, esses dois tem uma história envolvente e fiquei aqui torcendo por eles sem nem conhecer e agora preciso encontrar esse livro com urgência...

    #DoQueEuLeio

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida, sua linda, tudo bem
    Nossa, arrebatadora a sua resenha, não tem outra palavra. Quem precisa dessa autora agora sou eu, que livro é esse, gente, no lançamento e já tinha colocado na minha lista, por ser a mesma autora de Beleza Perdida, mas não esperava por tudo isso.
    Aproveito para desejar um Feliz Natal!!! Que toda a magia envolva seu lar e traga muitas bênçãos, alegria, saúde e amor!!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá Flor
    Tudo bem?

    Estou bastante curiosa em relação a este livro! Minhas Expectativas são realmente muitos altas, e depois de ler sua resenha fiquei ainda mais curiosa! Pois percebo que não falta neste neste enrendo, nos deparamos com segredos, tragedias mistérios e clima romântico, e pelo que entendi o livro conta com uma adrenalina também, o fato de você ter gostado também me deixa mais tranquila em saber que posso compra o livro sem medo e me surpreender com este casal.
    Adorei resenha.
    Beijos
    http://resenhaatual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Como não ficar louca pra ler esse livro depois dessa resenha maravilhosa? :( maldade hahaha a história em si nem me interessou ~tanto, mas algo no sofrimento dos personagens e como eles encontram uma fuga para lidar com os próprios dilemas me deixou bem curiosa. Já está anotado! Será que papai noel ainda atende meu pedido hoje? hahaha

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Jogador n°1", vem conferir!

    ResponderExcluir
  10. Fiquei com vontade de ler. A capa é maravilhosa e a história parece muito boa...

    Beijos,
    http://postandotrechos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oiii Cida, tudo bem??? Não conhecia o livro, mas gostei de conhecer. parece ser uma história bem emocionante :)
    Também não curto muito quando a religião é posta em livros, mas que bom que a autora soube fazer isso sem ficar forçado :)
    A capa é linda também né?
    Beijoooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Eita Cida!
    Que resenha!
    Fiquei fisgada só por ela e claro que fiquei impressionada com todo enredo,com as personagens, seus dilemas, seus problemas, a união, a fuga, enfim, um enredo de tirar o fôlego.
    Quero ler para ontem.
    “Feliz Ano Novo, que este ano seja superado pelo velho em felicidades, amor, esperança, fé, paz e que o ano seguinte seja em dobro, tenha um feliz e prospero ano novo.” (Chium)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista de Dezembro, serão 6 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  13. O início da resenha me lembrou o livro 'Por Lugares Incríveis', uma história de um garoto que salva a garota de um suicídio e depois ambos vão viajar juntos, que coincidência! Já estou acostumada com histórias que os personagens são fortes. Espero que esse não seja daqueles livros que nos decepcionam no final!

    ResponderExcluir
  14. Uau, devorei sua resenha, imagina o que não farei com o livro? Parece ser muito bom, vai além do romance clichê, apresenta personagens bem construídos e cheios de complexidades, adorei!

    O "Thor" parece ser um deus, ops, um cara e tanto, apesar dos problemas que enfrentou.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!