[Resenha] Beleza Perdida

Beleza Perdida
Título Original: Making Faces
Autor(a): Amy Harmon    
Editora: Verus                      Páginas: 336
Lançamento: 2015               ISBN: 9788576863748
Beleza Perdida||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Ambrose Young é lindo — alto e musculoso, com cabelos que chegam aos ombros e olhos penetrantes. O tipo de beleza que poderia figurar na capa de um romance, e Fern Taylor saberia, pois devora esse tipo de livro desde os treze anos. Mas, por ele ser tão bonito, Fern nunca imaginou que poderia ter Ambrose… até tudo na vida dele mudar. Beleza perdida é a história de uma cidadezinha onde cinco jovens vão para a guerra e apenas um retorna. É uma história sobre perdas — perda coletiva, perda individual, perda da beleza, perda de vidas, perda de identidade, mas também ganhos incalculáveis. É um conto sobre o amor inabalável de uma garota por um guerreiro ferido. Este é um livro profundo e emocionante sobre a amizade que supera a tristeza, sobre o heroísmo que desafia as definições comuns, além de uma releitura moderna de A Bela e a Fera, que nos faz descobrir que há tanto beleza quanto ferocidade em todos nós.

Beleza Perdida, de Amy Harmon, publicado no Brasil pela Verus Editora, traz uma das histórias mais surpreendentes e lindas que eu já li. Foi um livro que a princípio me assustou um pouco, vi alguns comentários sobre ter um lado mais cristão e eu que sou avessa ao tema, evito a qualquer custo livros que abordem religião. Sempre fico com receio de ser algo que soe como uma imposição para o leitor, mas mesmo assim eu vi diversos elogios também, ou seja, a curiosidade venceu e arrisquei. Que alegria foi para mim ter lido a belíssima história de Ambrose Young e Fern Taylor.

O começo é em um ambiente estudantil, ali conhecemos o belo lutador Ambrose Young. Um jovem com um futuro promissor pela frente, mas que ao meu ver não se sentia bem na própria pele, nem via propósito na vida. Contudo, assim que os EUA viveram o 11 de setembro e ele se formou, achou um objetivo para si. Ambrose se alistou no exército e foi lutar pelo país levando consigo os quatro melhores amigos. 

No entanto, uma bomba mudou tudo. Ambrose sempre um deus da beleza e ladrão de corações, ficou desfigurado. Voltou sozinho para casa, ou melhor, apenas com suas cicatrizes e fantasmas. É controverso, mas ele foi em busca de algo que o fizesse sentir-se bem na própria pele e acabou voltando com outra aparência, uma que o assustava de verdade. Para ele uma punição.

Fern Taylor teve a trajetória do patinho feio, uma menina sem atrativos na escola e finalmente uma bela mulher. Tímida e reservada, vivia sempre na companhia de seu primo Bailey. Ambos eram uma dupla inseparável, ela aspirante a escritora de romances e eternamente apaixonada por Ambose e ele preso em uma cadeira de rodas por conta de uma doença degenerativa. Há de se imaginar que fossem tristes, mas ao contrário, esbanjavam vida e alegria e foram aqueles que salvaram Ambrose de sua perdição.

A narrativa em terceira pessoa é focada neste três personagens e embora Fern e Ambrose sejam os protagonistas, Bailey tem seu espaço garantido, sendo tão fundamental para a trama quanto os outros dois. Na minha opinião os três têm o mesmo peso, cada um ao seu modo me tocou profundamente com seus dramas, medos e anseios. São personagens muito vivos e cheios de grandiosidade de alma e caráter, pessoas que mostraram em gestos de puro amor e generosidade o que é o verdadeiro amor seja por um amigo ou um amante.

A história fugiu dos clichês. Começou em uma escola mas não teve aqueles famosos dramas adolescentes e disputas acirradas por status, mesmo o amor platônico de Fern por Ambrose não seguiu os moldes que estamos acostumados. Ela não foi a mocinha feia que lutou para ser popular, ou tampouco ficou incomodada em não fazer parte deste time, ao contrário, sentia-se bem consigo mesma. Não vou afirmar que ela gostava plenamente de sua aparência,  queria sim,  ser bonita e deslumbrante como a melhor amiga Rita, mas isso era algo natural. Afinal quem nunca quis ser diferente do que é? Mas Fern não era neurótica com isso e vivia a vida tirando o melhor dela. Era honesta e genuína.

Ambrose quebrou outro paradigma,  lindo e maravilhoso, mas não tirava vantagem disso. Sua beleza não o definia. Não era um conquistador barato. Ele era um rapaz sensível e romântico. E Bailey, mesmo com os dias contados devido a sua doença, era animado e alegre, ousava até convidar a garota que amava para dançar. Ele não temia amar, era o mais corajoso de todos.

Ao analisar cada um deles, fico feliz ao concluir que Harmon nos trouxe personagens complexos e profundos, nada em sua trama nos remete a superficialidade. É uma história sobre amor, sobre perda, sobre morrer e sobreviver a cada dia. O receio que eu tinha sobre a abordagem cristã foi em vão, embora o pai de Fern seja pastor, ele está ali apenas para confortar aqueles que buscam seu apoio.

Mesmo que eu não siga nenhuma religião, vi aqui o que eu acredito que deveria ser sua essência: o amor ao próximo sem interesse ou preconceito, independente de cor, credo ou classe, apenas um par ou pares de braços abertos para um amigo que precisa de ajuda.

O romance pode ser considerado uma versão moderna de A Bela e a Fera. É belo, sensível e cheio de ternura. Fern e Ambrose se aproximam de maneira lenta, mas com muita intensidade e força, algo que vemos que é para durar. Eles mostram o quanto a beleza é superestimada e onde realmente reside a verdadeira beleza do ser humano, não no rosto e sim na alma e no coração. Sem jogos dissimulados de conquista, é algo mais real e visceral.

A verdadeira beleza, aquela que não de desvanece ou se esvai, precisa de tempo, de pressão, precisa de uma resistência incrível… Temos esperança em coisas que não podemos ver. Acreditamos que há lições na perda e poder no amor, e que temos dentro de nós o potencial para uma beleza tão magnífica que o nosso corpo não pode contê-la.

Beleza Perdida traz aquela história que vai entrando no seu coração bem devagar e quando você nota está totalmente imerso e vivendo literalmente cada acontecimento. A autora apresentou seus personagens com elegância, os amadureceu com cuidado e lhes deu desafios incríveis.  Sempre choro nos finais, mas este livro foi capaz de arrancar minhas lágrimas em várias partes e posso dizer que no final eu precisei parar e respirar fundo para continuar. Eu leio bastante no ônibus indo e voltando do trabalho, mas este livro teve que ser lido apenas em casa. Eu não ia conseguir me segurar, ia passar vergonha. Há tempos um livro não mexia tanto comigo.

A ambientação em cidade pequena me deu a impressão de estar vendo tudo se passar há algumas décadas atrás, não na correria atual. É um clima aconchegante e de muita camaradagem. É caseiro e acolhedor.

Não dá para colocar em palavras o quanto esta leitura foi uma experiência maravilhosa para mim, eu só posso recomendar que leiam e se deixem envolver pela sua pureza e honestidade. Eu amei e virei fã de Amy Harmon. A Verus comprou os direitos de publicação de mais obras da autora, não vejo a hora de ler todas. São elas: Infinity + One, A Different Blue e Running Barefoot.

A vitória está na batalha.






2leep.com

11 comentários:

  1. Cida, amiga, esse livro é lindo demais, que bom que você o leu, quando amamos assim uma leitura ficamos torcendo para que o maior número de pessoas possam ter seus corações tocados como o nosso foi. Também virei fã de carteirinha da Amy, Beleza Perdida foi um dos melhores livros que li em 2015.
    Beijos... Elis Culceag. * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
  2. Olá :)
    Eu realmente gostei demais do livro, mas acredito que faltou mais algum ingrediente pra ele ser perfeito, mas sem dúvida nenhuma foi ótima leitura desse ano!
    Adorei a resenha!

    Beijos,
    http://livrosentretenimento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Cida!
    Se o livro é uma versão moderna de A Bela e a fera, já estou interessada porque adoro as releituras dos contos e esse é o meu favorito.
    E ver um romance surgir de forma tão cativante é ainda mais enternecedor.
    Tenho o livro aqui para leitura e espero fazê-la em breve.
    “E que não somente o Papai Noel esteja presente, mas principalmente o motivo pelo qual o Natal existe: JESUS!” (Tamy Henrique Reis Gomes)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista de Dezembro, serão 6 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  4. Olá flor, adorei a resenha, ainda não tinha visto nada a respeito desse livro, mas já me encantei por ele...quero ler também ;)

    Beijokas da Quel ¬¬
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  5. Nossa, nunca havia ouvido falar... Amei a resenha, louca para ler!
    Lindo o seu blog..
    http://trairon.blogspot.com.br/
    Beeijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida, tudo bem?
    Esse livro é lindo demais! A autora foi de uma sensibilidade incrível e também me sinto feliz de saber que a Verus vai publicar mais livros dela. Fiquei fã de sua escrita. Esses três personagens nos alcança a alma. Foi um dos livros mais lindos que já li em toda a minha vida. Entre os melhores deste ano.
    Ainda não consegui fazer a resenha dele. Ele mexeu tanto comigo, tanto com minhas emoções, que ainda não consegui canalizar tudo isso na escrita.
    Bela resenha.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi, Cida!
    Devo dizer que já li várias resenhas sobre esse livro, mas nenhuma havia despertado o meu interesse para ler.
    Como sempre, sua resenha está de parabéns!

    ResponderExcluir
  8. tenho lido muitas resenhas deste livro e confesso que inicialmente tinha uma outra visão dele que de cara me fez repudiá-lo... só que agora eu quero muito lê-lo, não só pelos seus elogios, mas também porque percebi que a trama tem um poder de evolução e conquista muito forte!
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Cida, sua linda, tudo bem
    Uma das minhas histórias preferidas é A Bela e a Fera, quando descobri que se tratava de uma versão, fiquei louca para ler. Mas todo mundo está elogiando esse livro, falando da profundidade dos sentimentos dos personagens. E você me deixou feliz ao contar que eles fogem do esteriótipo. Uma das leituras mais desejadas por mim. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Ai gente, gostei da triste e trágica história de Ambrose e fiquei com sensibilizada com sua história e torcendo para que ele encontrasse algo que realmente o fazia bem, e olhe que nem li o livro ainda, imagina quando começar?! Já li 'A Cabana' um livro com enredo muito cristão e gostei, acho que não teria problemas em ler as sábias palavras do do pai de Fern.

    ResponderExcluir
  11. Cida, resenha maravilhosa.
    ja havia lido esse livro, e confesso que amo de paixão, uma estória perfeita de superação, um tema clichê transformado em algo maravilhoso.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!