[Resenha] Dez Coisas Que Aprendi Sobre o Amor

Dez Coisas Que Aprendi Sobre o Amor
Título Original: Ten Things I've Learnt About Love
Autor(a): Sarah Butler 
Editora: Novo Conceito        Páginas: 256
Lançamento: 2015               ISBN: 9788581637778
Dez Coisas.indd ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Por quase 30 anos, quando a brisa de Londres torna-se mais quente, Daniel caminha pelas margens do Tâmisa e senta-se em um banco. Entre as mãos, tem uma folha de papel e um envelope em que escreve apenas um nome, sempre o mesmo. Ele lista também algumas coisas: os desejos e o que gostaria de falar para sua filha, que ele nunca conheceu. Alice tem 30 anos e sente-se mais feliz longe de casa, sob um céu estrelado, rodeada pela imensidão do horizonte, em vez de segura entre quatro paredes. Londres está cheia de memórias de sua mãe que se fora muito cedo, deixando-a com uma família que ela não parece fazer parte. Agora, Alice está de volta porque seu pai está morrendo. Ela só pode dar-lhe um último adeus. Alice e Daniel parecem não ter nada em comum, exceto o amor pelas estrelas, cores e mirtilos. Mas, acima de tudo, o hábito de fazer listas de dez coisas que os tornam tristes ou felizes. O amor está em todas as partes desta história. Suas consequências também. Sejam boas ou más. Até que ponto uma mentira pode ser melhor do que a verdade?

Você não pode sentir saudade de alguém que nunca conheceu. 
Mas sinto saudade de você.


Dez Coisas Que Aprendi Sobre o Amor, de Sara Butler, nos apresenta uma história narrada em primeira pessoa através de dois pontos de vistas distintos, o de Alice e o de Daniel.

Alice é uma jovem que viaja pelo mundo fugindo de sua vida na Inglaterra, mas que por conta da doença do pai, precisa voltar para casa. É irônico dizer isso, tendo em vista que ela não considera o lugar no qual foi criada como um lar. Na verdade, até hoje ela parece não ter encontrado seu lugar no mundo. A caçula da família carrega nas costas a culpa pela morte da mãe, a frustração de não ter uma ligação tão estreita com as irmãs mais velhas Tilly e Cee, e ainda sofre pela dor do término de seu relacionamento amoroso.

De outro lado temos Daniel, um homem que ama artes, mas na sua vida as cores são mais para expressar  arrependimento, dores e perdas, não alegria e entusiasmo. Ele nunca superou o suicídio do pai e só achou alívio em sua vida quando se apaixonou, contudo a sua amada era casada e não quis deixar o marido para ficar com Daniel. Hoje ele é um morador de rua que está praticamente morrendo com problemas do coração, vive das lembranças desta tal mulher e sonha com o dia que vai encontrar a filha que ambos tiveram, mas ele não teve a chance de criar.

Alice e Daniel são pessoas tristes e solitárias, ambos caminham por Londres de uma forma que evidencia a falta de rumo, embora tenham alguns propósitos sabemos bem que ambos não fazem ideia de como agir para atingi-los, desta forma as voltas e voltas que dão em torno de seus infortúnios os deixam ainda mais perdidos. 

A principio suas histórias correm paralelas, fazendo com que o leitor tente adivinhar qual o elo de ligação entre estes dois, tão logo isso é esclarecido, o que toma conta de nós é a vontade de saber como vão finalmente se encontrar e interagir. Enquanto não ocorre o encontro, temos a oportunidade de conhecê-los, saber mais sobre sonhos e anseios. Cada capítulo traz uma lista de dez coisas sobre Alice e Daniel e alguns itens destas listas foram bem significativos e me fizeram refletir bastante.

A narrativa de Butler é fluida e poética, começou de maneira envolvente prometendo drama e eu esperava por desdobramentos que me arrancassem lágrimas, contudo não foi isso que ocorreu, embora exista uma forte abordagem de sentimentos dos protagonistas, não me tocou profundamente, pois é algo mais voltado para o conflito interno de cada um, para suas frustrações. É algo intimista, mas não cativante, não consegui sentir uma ligação com nenhum dos dois ao ponto de partilhar sentimentos. Em resumo senti falta de personagens que conversam com o leitor. Sabem aqueles que nos dão a impressão de estarem no contando algo? Ambos estavam muito voltados para si.

Ela é uma pessoa difícil de gostar, imatura e insegura. Há algo em Alice que me deixou bem incomodada, pois sua falta de atitude em relação aos seus problemas e a sua própria vida foi bem deprimente. Eu não vi nesta garota um suspiro de inspiração e sempre que resolvia fazer algo me dava a impressão de ser apenas um subterfúgio, nunca um ato de superação. Eu acho que ela encarava a sua vida de uma forma bem errônea, por exemplo, a morte da mãe não foi sua culpa e as irmãs que ela achava que não gostavam dela, demonstraram ter muita paciência com seu jeito, as duas sempre tentavam se aproximar, mas eram rejeitadas.  E no tocante ao seu grande amor Kal, esse sim era uma perda de tempo, ela teimava em sofrer por um cara que tinha vergonha dela. O sentimento de inadequação de Alice é tão dominante, que a impressão que tive dela ou melhor a visão, era de uma moça andando pelas ruas curvadas e a cada dia afundando mais em sua solidão.

Daniel por outro lado tem uma atitude mais animadora,  isso porque mesmo morrendo de medo de falhar não desiste, reluta algumas vezes e repensa seus atos, mas no final, apesar dos pesares, vai em frente e parte para ação. Ele é um homem transtornado e não nego que senti pena dele, de sua condição e da vida tão sem falta de amor. No entanto, ainda acredito que ele poderia ter sido feliz se tivesse tido mais força de vontade no passado.

Dois personagens que beiram certa insanidade, que se comunicam de maneira mais simbólica do que direta e que são vítimas de relacionamentos destrutivos e egoístas. Suas lembranças são parte constante da trama, dão um toque de nostalgia e perda ao enredo. O final deixa margem para imaginarmos onde os dois poderiam chegar se seguissem lado a lado, um epílogo teria sido bem-vindo. Eu queria um desfecho mais claro, mais elaborado, onde certas verdades não tivessem ficado nas entrelinha.

Dez Coisas Que Aprendi Sobre o Amor fala de relacionamentos pontuados por segredos e mentiras, fala das dificuldades das pessoas se adequarem ao mundo e acima de tudo, sobre  o amor e suas controvérsias.


10) É confuso: amar e odiar alguém ao mesmo tempo.




2leep.com

17 comentários:

  1. Concordo contigo, a história é muito boa mas o final deixou muito a desejar. uma pena pois ela poderia ter encerrado a trama com chave de ouro.
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. oi flor, eu estou lendo neste final de semana, também estou com uma impressão negativa da Alice, por seu jeito temperamental e imaturo de ser, como na degustação do livro, Daniel é meu personagem preferido
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Daniel é fácil de aceitar Thaila, já a Alice é tão tola na maior parte do tempo que não consegui gostar dela.

      Excluir
  3. Achei a capa tão linda mas, não me interesse muito pela história, nesse momento... Não me chamou atenção
    Sua resenha está bem boa e dá pra perceber o que se trata o livro.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida! Eu gosto de livros que a narrativa mostra pontos de vista diferentes! E parece que os dois personagens são bem diferentes! Acho que boa parte dos livros precisam de um epílogo, eu sempre gosto de saber o que acontece com eles depois! Vou anotar a dica de leitura aqui!!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi Cida!
    Eu recebi esse livro mas ainda não consegui ler, acho que ainda vou demorar um pouquinho para pegar nele... Apesar dos problemas que você citou eu estou curiosa pela leitura!

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  6. Eu li só as primeiras impressões do livro... um pouco confuso, mas gostei do que li. Depois da sua resenha, quero muito conferir o final e tirar minhas conclusões. D:
    beijos,
    whoosthatgirrl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oie Cida =)

    Confesso que esse livro não chegou a me chamar muito a atenção e depois de ler a sua resenha acredito que ele realmente não seria uma leitura que me deixaria assim tão envolvida.
    Os pontos negativos que você citou são sempre os que mais me desagradam e um final não muito claro é bem frustrante também.
    Acho que vou pular esse.
    Ótima resenha ;)

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  8. Ai que medo.

    Fui gostando de tudo na resenha, mas esse final que você citou me deixou com medinho de ler, rsrsrs.

    Só lendo pra saber né. Bora lá ver qual é desse final.

    Bjkssssss

    Lelê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Lele, leia qu quero ver sua opinião. Bjos!!!

      Excluir
  9. Oi!
    Já li algumas resenhas deste livro , ele esta entre meus desejados , mas ainda não consegui ler lo.
    Pela sua resenha consegui ver que é um livro bom mesmo tento pecado um pouco no final , mas mesmo assim quero muito ler.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  10. Eu não li esse livro ainda e achei a história, pelo menos pelas resenhas, um pouco sem graça. Preciso ler o livro para ter uma melhor idéia sobre ele.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Cida
    Eu só li os primeiros capítulos, mas já percebi que Alice é meio dramática demais, e já gostei logo de cara mais de Daniel. Ouvi falar que o desfecho fica meio incompleto mesmo. Espero gostar da leitura.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Cida!
    Li a degustação enviada pela editora e aguardo o livro para dar continuidade a leitura.
    Me parece que Daniel precisa se redimir e Alice é um tanto resistente a a aceitar.
    O que gostei foram das listas, adoro fazer listas também.
    “A vida só pode ser compreendida, olhando-se para trás; mas só pode ser vivida, olhando-se para frente.”(Soren Kierkegaard)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  13. Oi !
    Não me animei com a história,mas ando tão surpreendida pelas leituras que venho tendo que quem sabe?, amei a resenha como sempre.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Fico um pouco incomodada quando os finais não são bem claros e deixam margem para interpretação e tal, não sei se a intenção do autor é deixar que você veja todas as possibilidades, o que eu sinto é que parece que o livro foi mal acabado. No entanto fiquei com um pouquinho de vontade de ler o livro, em que pese acho que me irritaria um pouco com o jeito da Alice, parece um pouco de drama Mexicano.

    O que assusta é pensar que assim como no livro, na vida, muitas pessoas chegam ao fundo do posso por causa do amor, ou melhor, por não saberem lidar com suas frustrações amorosas.

    ResponderExcluir
  15. a capa de dez coisas que aprendi sobre o amor tá maravilhosa
    a proposta do livro é muito boa e eu tenho certeza que vou ter uma experiência maravilhosa. assim como você teve.
    é sobre esse "refletir", esse "instigamento" e essas coisas boas que sentimentos em um livro que eu quero ler "dez coisas que aprendi sobre o amor". tive uma impressão muito boa desse livro desde o primeiro momento em que "bati" meus olhos nele e eu quero muito conhecer a obra mais um pouco.

    bjs

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!