[Resenha] Lições do Desejo

Lições do Desejo
Título Original: (Rothwell Brothers #2)
Autor(a): Madeline Hunter
Editora: Arqueiro      Páginas: 272
Lançamento: 2013     ISBN: 9788580412017
liçoes do desejo
Atraente, sutil e tentador, lorde Elliot Rothwell é um homem acostumado a fazer sucesso entre as mulheres e a conseguir tudo o que deseja delas. Mas isso não se aplica a Phaedra Blair. A brilhante e exótica editora não parece disposta a ceder a seu pedido e cancelar a publicação das memórias de um membro do Parlamento que podem manchar o nome da nobre família Rothwell. A pedido de seu irmão mais velho, o marquês de Easterbrook, Elliot vai a Nápoles para negociar com Phaedra. Historiador de renome e autor de livros respeitados, tudo indica que ele seja a pessoa ideal para a tarefa. Porém, em vez de encontrar a bela mulher descansando à beira do mar Tirreno, Elliot descobre que ela está presa por causa de uma acusação injusta. Graças ao prestígio da família, o nobre consegue libertá-la, mas também se torna responsável por ela até voltarem à Inglaterra. Percorrendo juntos uma das regiões mais belas e românticas da Europa, eles vão descobrir que discordam de quase tudo o que o outro pensa ou faz – exceto o que fazem juntos na cama. E, nessa aula de prazer, será cada vez mais difícil saber qual dos dois tem mais a ensinar.

Quando terminei a leitura de As Regras da Sedução, primeiro livro das série Os Rothwells, tive a sensação que o irmão escritor, estudioso e que vivia em meio aos livros, Elliot, não era tão tranquilo quanto se mostrou em suas curtas aparições, e não é que eu acertei!

Em Lições do Desejo conhecemos o mais um irmão Rothwell, o caçula Elliot. Historiador de renome, apesar da pouca idade, ele juntou-se ao irmão mais velho para tentar evitar um escândalo em família, a publicação de certas memórias que revelariam um segredo sujo de seu falecido pai. A família estava em negociação com o dono da editora que publicaria o livro, mas este morreu, deixando tanto o manuscrito revelador, quanto a editora e direitos de publicação para a filha do escritor, a jovem e nada convencional Phaedra Blair.

Poderia ser algo fácil de resolver visto que Phaedra era a melhor amiga da cunhada destes dois jovens, mas ledo engano, dona de sua vida e com seus próprios valores e conceitos, todos avessos a sociedade da época, a jovem jurou ao pai publicar o livro de memórias sem corte, não importando quem fosse afetado por isso. Determinado a manter o nome Rothwell intacto, Elliot parte em uma viagem pela Europa atrás de Phaedra, uma viagem tão imprevisível quanto a mulher que ele foi encontrar.

Narrado em terceira pessoa, este romance nos traz um casal maduro e sem medo de quebrar as regras da sociedade para viver uma história quente e sensual. Phaedra não é a mocinha cheia de cuidado com o que os outros pensam, criada na filosofia da mãe de um amor livre e de que nunca, jamais, uma mulher deveria submeter-se à um homem. Ela vive como acha mais confortável, chocando com sua maneira de vestir-se e comportar-se em público. Mas não é uma mulher escandalosa, sem moral, nada disso, é uma intelectual, inteligente, articulada e que não vê a sensualidade e liberdade de expressão como vulgar, e sim como libertadoras. É uma protagonista encantadora, que aprendeu a ser dura para aguentar julgamentos da sociedade, mas ao mesmo tempo é doce e cativa por seu jeito simples e modesto. Uma mulher forte, que em meados de 1800, se tivesse existido, seria uma das primeiras a lutar por nossos direitos. Sua ousadia é sinônimo de vida.

Elliot, ao contrário de muito nobres da época não é hipócrita ao ponto de ver nela uma mulher para diversão, ele vê seu conteúdo e a respeita. Talvez sua erudição tenha servido para abrir a mente para o novo, mas não importa se foi isso ou outra coisa, o importante é que temos um homem incrível, que viu que para amar, ninguém precisa estar aos pés do outro e sim lado a lado. Um casal lindo, elegante e que não atira-se repentinamente na relação, eles nos dão um romance tão bem desenvolvido e amadurecido que convence qualquer um de sua intensidade e seriedade. E as cenas de sexo sensualidade pura, com aquele toque de descoberta entre dois amantes que só quem viveu algo assim pode entender como é mais do que sexo, a uma relação de corpo e alma.

“ – Podemos ter prazer juntos esta noite, se quiser – disse ela. Ele arrancou o casaco e andou até onde ela estava. – Se eu quiser? Eu quero possuí-la desde a primeira vez que a vi. – Não será assim. Possuiremos um ao outro. – Como queira. Não me importo nem um pouco com os termos dessa rendição. – Não é uma rendição, Elliot. É uma trégua. Uma noite para gozarmos de nossa amizade."

Não é uma relação sem problemas, o primeiro deles é que Elliot precisa convencer Phaedra que gosta dela pelo que ela é, não por estar tentando conseguir o manuscrito; segundo, depois de provar seu amor, é preciso fazer a moça aceitar abrir mão de suas ideias e aceitar algo convencional… casamento.

“Ela vira os olhos de um conquistador. E se perguntou o que ele erroneamente achava ter conquistado.”

A autora é muito elegante em sua descrição de cada cena, eu já havia notado isso no livro anterior, mas aqui ela consegue confirmar que podemos nos aquecer com uma cena mais quente sem usar termos baixos e vulgares, que podemos ser poéticos. Além disso este romance é construído da maneira que mais aprecio, com um pano de fundo que trabalha toda a vida dos personagens, indo além dos lençóis. Eu sou da opinião que uma história mais quente não precisa necessariamente ter só pegadas mais fortes, os personagens tem que ter história e essa desenvolver-se ao lado da história de amor. A trama fica consistente.

É um romance de época, mas os protagonistas passam grande parte do tempo fora de sua terra natal, então a questão do período é abordada mais pelo lado da moral e postura de uma mulher solteira, não temos aqui a pompa de bailes e salões de chá. Não senti falta, apesar de gostar, mas estes irmão são homens que já passaram da fase de estar em bailes de debutantes, eles são muito mais densos.

Falando nos Rothwells, Hayden e Alexia, do livro anterior (resenha aqui) aparecem para dizer olá, mas foi mesmo Christian que me deixou intrigada novamente. Ai, ai (ouçam suspiros), não vejo a hora de conhecer os segredos do Marques de Easterbrook.

Eu adorei a história, que ainda foi temperada com um mistério surpresa, algo que notei que a autora gosta de inserir no contexto, sempre temos um fora da lei no meio de tudo. Não tem o toque de humor que encontramos nos livros de Julia Quinn e Lysa Kleypas, Madeline Hunter é mais séria, no entanto seus romances nos deixam suspirando da mesma forma.

Leiam e apaixonem-se. E ressalto que mesmo sendo série,  podem ser lidos separadamente, cada livro traz um casal de protagonistas diferente e uma nova trama.



Os Rothwells
As Regras da Sedução (#1)
Lições do desejo (#2)
Jogos do Prazer (#3)
The Sins of Lord Easterbrook (#4)

2leep.com

23 comentários:

  1. Infelizmente, nunca me interessei muito por essa série. Não por causa do gênero mais picante, mas porque não gosto de histórias de romance. Mas vejo muita gente falando bem e depois da sua resenha, tenho certeza de que se trata de uma boa história para os amantes de histórias românticas e envolventes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mallu! É mesmo para fãs de romance, então se não é seu tipo de leitura preferido, talvez não agrade, mas deixo a dica se um dia você quiser experimentar. Bjos!

      Excluir
  2. Madeline tem sido uma autora surpreendente, super talentosa
    essa serie de históricos é um sucesso!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li nada da autora, mas tenho lido comentários positivos, principalmente sobre esse segundo livro. Acredito que irei gostar dessa protagonista e de seu jeito “moderno” de encarar a vida.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida,
    Eu gostei mais desse livro do que do primeiro, por ter um cenário magnífico e protagonistas apaixonantes. Essa série é maravilhosa. Quero ler logo o próximo livro.
    bjs

    entrepaginasesonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele foge do cenário da era vitoriana da Inglaterra e foi algo inovador.

      Excluir
  5. Oi Cida,
    Eu li o primeiro livro dessa série e adorei!! Já li o segundo também e gostei muito!!
    Parabéns pela resenha ficou 10!!
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  6. Essa série nunca me chamou atenção "/ mesmo depois da resenha não fiquei com interesse de ler, quem sabe um dia. Falam tão bem que talvez eu dê uma chance =)

    http://nerdicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi flor,
    Estou bem curiosa pela leitura desse livro, lendo uma resenha melhor que a outra.
    Sou fã desse estilo de leitura e com toda certeza será minha leitura de 2014.
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  8. Ué Cida, cadê a classificação final em estrelinhas? Sempre cuido a nota que você dá e isso influencia muito na minha decisão de ler ou não o livro.. kkk Confesso que boa parte da sua resenha me remeteu ao livro O Duque e eu, em razão das cenas eróticas e despudoradas que encontrei no texto, coisa que me surpreendeu e em parte até agradou, por sair da mesmice convencional de romances de época. Pelo visto também irei gostar dessa narrativa. Ainda não li os livros da Madeleine. Espero conferir um dia. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Mi! São 5 estrelas, já coloquei a classificação. Então, entre as três séries lançadas pela editora este ano, esta é a segunda que mais gosto, é mais séria e como disse a autora dá um pano de fundo bem consistente ao casal, mais do que Julia Q. que é a autora de O duque e eu, mas no balanço geral, a série de Julia é a que mais gosto.

      Excluir
  9. Adoro romances de época!
    Morro de vontade de ler todos esses lançados pela Arqueiro *-*
    Beijinhos,
    Paula
    http://www.interacaoliteraria.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi Cida.. eu não sou fã de livros de época. Mas gostei muito da sua resenha e fiquei, de verdade, bem curiosa com o livro. E essa capa é linda demais. Gostei da história, do fato de haver um mistério, romance... são ingredientes que me atraem! rs

    Beijos,

    Marcelle
    www.bestherapy.net

    ResponderExcluir
  11. Tenho varias amigas q insistem pq insistem para eu ler um romance de epoca... Acho q vou acabar cedendo as pressões delas e começar por essa serie "Os Rothwells".

    ResponderExcluir
  12. Que legal, a série até me lembrou um tantinho a da Bella Andre com essa coisa de romance e de poder ser lido separadamente. Só que aí é um romance com a aquele clima mais antigo né?

    Apesar de não ser meu tipo de livro preferido acho que eu leria essa série sim, principalmente porque ganhou 5 estrelas, deve ser bacana mesmo ^^

    (desconstruindoaspalavras.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maressa! Não acho parecido com os da Bella não, pois as histórias dela são muito superficiais e sem emoção (pelo menos os que já li), já estes romances aqui, como eu disse os personagens têm além do romance um pano de fundo consistente em suas vidas, têm vários problemas que são desenvolvidos junto com o relacionamento amoroso.

      Excluir
  13. Oi Cida :)
    Quando a Arqueiro lançou as séries de livros históricos fiquei divida em qual acompanharia: esse ou o da Julia Quinn. Optei pelos da Julia (amo demais *-*), mas pretendo ler os dessa série em breve já que só ouço elogios.
    Você também achou esse segundo livro melhor que o primeiro? Vi algumas pessoas comentando isso, mas queria a opinião de alguém em quem confio (e vc é super confiável).
    Adorei a resenha!
    Beijos
    http://www.coisasdemeninas.blog.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu dei 5 estrelas para os dois Neyla, ambos estão bem equilibrados na balança, mas se você curte um romance mais intenso, isso é mais forte no primeiro, pois é no estilo você vai me amar e vou te conquistar custe o que custar. Neste livro a questão mais forte, depois que a mocinha é conquistada é mostrar à ela que vale a pena ficar com quem ama e isso não é deixar a liberdade de lado. Espero ter ajudado. Bjos!!!!

      Excluir
  14. Oie Cida
    Fiquei interessada nessa série desde que vi o lançamento do primeiro livro e como amo esses romances de época tenho certeza que essa série vai me agradar. Também sou dessas leitoras que gostam de mais romantismo e cortesia, do que somente sexo. Eles fazem parte da vida, mas gosto quando ele não é o principal, e sim um elemento no romance.
    Gostei dos personagens e como eles são mais maduros fico mais contente. Parabéns pela resenha.

    Jéssica
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
  15. Cida, essa série deve ser um amor! :)
    Fiquei bem mais animada com a história do segundo livro. O Elliot é encantador, pela sua descrição, acho que irei gostar bastante dele.
    Aliás, amei saber que as descrições são poéticas e não utilizam termos vulgares. Bem melhor assim.
    Ótima resenha!

    Beijocas e Feliz 2014! =)
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oie Cida =D

    É muito amor esse livro, não é mesmo? <3
    Eu só fiquei meio irritada com a Phaedra no final, mas o livro é uma graça e muito divertido.
    Também quero muito conhecer a história do Christian (suspiros), mas antes do livro dele tem o livro da Rose (prima da Alexia), então vamos ter que esperar mais um pouco =/

    Adorei a resenha!!!

    Beijos e um Feliz Ano Novo!
    ;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela tinha que dar trabalho Ane, para no final o encontro ser aquela fofura.

      Excluir
  17. Nunca tinha ouvido falar deste livro, mais gostei muito da sinopse dele, e a resenha me fez ficar interessada neste livros, espero que no próximo ano eu tenha a oportunidade de lê-lo.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!