[Resenha] Crianças do Éden

Crianças do Éden
Título Original: Children of Eden (Children of Eden #1)
Autor(a): Joey Graceffa
Editora: Galera Record        Páginas: 266
Lançamento: 2019               ISBN: 9788501116277
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Joey Graceffa conquistou os corações de milhões de jovens com seus vídeos no YouTube. Após o sucesso de vendas de seu livro de memórias, Joey apresenta agora seu primeiro romance, Crianças do Éden. Em uma Terra envenenada e morta pelo homem, onde todos os animais e a maioria das plantas foram destruídos, o Éden é o último refúgio para o que restou da raça humana. Mas as medidas de controle populacional garantem que a existência de Rowan seja ilegal. A garota não pode frequentar a escola, fazer amigos, ou mesmo ser vista em público. Cada dia em que continua viva é um risco para sua família. Cansada de viver escondida, Rowan decide pular os muros que a escondem, e, embora descubra ser fácil permanecer invisível quando não se existe legalmente, a noite de aventura pode acabar em tragédia. Cabe a Rowan usar toda sua habilidade para sobreviver em um mundo que a renega.
Crianças do Éden é primeiro volume da série de mesmo nome, de Joey Graceffa, publicada no Brasil pela Galera Record.

Rowan existia na inexistência. Ok! Eu sei que é uma afirmação contraditória, mas a situação de Rowan, uma criança do Éden, só pode ser descrita desta forma.

Ela nasceu em um mundo onde a humanidade quase foi extinta. Não existem mais animais, nem florestas, nem uma plantinha que seja. Se você ver algo verde na cidade é artificial, assim como os pilares que sustentam essa nova organização social humana.

O homem usou e abusou do meio ambiente, ao ponto de a Terra entrar em colapso. Apenas uma pessoa acreditou que estávamos próximos do fim e desta forma criou um local seguro para vivermos. Hoje a população que restou deve seguir regras rígidas de controle de suprimentos e de natalidade e exatamente este último aspecto é que marca a vida de Rowan.

Cada casal fértil pode ter um filho e os pais dela tiveram gêmeos. Deveriam ter comunicado as autoridades para que um dos fetos fosse eliminado, mas não, quiseram seguir adiante e desde o nascimento das crianças, uma delas existe sem de fato existir. O pai dela ser médico ajudou a criar todo o disfarce.

Rowan, a segunda filha, aos quase dezessete anos nunca saiu de casa. Apenas os pais e o irmão gêmeo sabem que ela existe, para o mundo ela não é ninguém. A menina sente muito por ter que viver limitada e quando descobre que vai ser enviada para uma família adotiva, ganhando uma identidade falsa, fica muito magoada. Nem imaginava que uma revelação que a mãe estava por fazer pudesse lhe ferir ainda mais e com isso Rowan se rebela e resolve sair de casa para ver a cidade.

Assim ela começa a interagir com esse novo mundo, o Éden, e percebe que quer ser livre e viver sem mais mentiras. No entanto, não demora para ser descoberta e ter que lutar para escapar das autoridades e se manter viva.

Eu não lia distopias há muito tempo e foi bom retornar para este tipo de universo onde o mundo sempre é um caos. A obra de Graceffa não traz algo estranho para quem já é familiarizado com o gênero. Temos um planeta destruído pelo descaso do ser humano, uma nova sociedade erguida sobre as ruínas e um governo que adora impor regras rígidas para a sociedade e que na verdade esconde uma boa quantidade de segredos do povo e vai matar sem dó nem piedade para que todos permaneçam alheios e cegos para a verdade.

No entanto, ainda que possua elementos que já sejam familiares para nós, a história empolga e intriga em igual medida. Nós torcemos pela protagonista injustiçada e desejamos que ela consiga ter uma existência normal. Nós ficamos sedentos por respostas, para saber o que de fato há por trás da organização de uma sociedade que diz estar caminhando para recuperar a Terra e voltar a viver normalmente no próximo milênio, mas que de fato parece é estar fazendo o problema ser mais grave do que é.

Rowan é uma jovem que possui determinação. Claro que os anos em isolamento cobraram um preço e este é a grande ingenuidade que ela possui. Ela se apega muito fácil aos mais simples gestos amistosos. É desesperador observá-la confiando tão facilmente nas pessoas. Eu lia já esperando por uma armadilha. A sua personalidade é bem caracterizada e coerente com o que viveu e passa a viver.

A história tem muitas cenas de perseguição e ação. Vai ter tiro, mortes e reviravoltas. Em questão de romance, começa a surgir um triângulo amoroso incomum, os rivais não poderiam ser mais diferentes. Nem a protagonista se deu conta do que está acontecendo ao seu redor no campo sentimental.

No entanto, o foco central da obra é nos introduzir neste novo mundo e mostrar que nem todos os humanos estão de acordo com essa realidade. Há aqueles que não se importam, já que vivem confortáveis. Já as classes mais baixas, que passam necessidade e o grupo formado por segundos filhos, estes sim querem mudar. Uma revolução esta sendo organizada e Rowan pode ser a peça chave para o sucesso.

Apesar de ser um livro introdutório, o final traz boas surpresas e um cliffhanger como há tempos eu não via. 

Sempre que leio distopias me vejo pensando se um dia nós não vamos viver algo assim e esta série traz uma realidade que não é tão impossível de acontecer. Na verdade parece que não estamos tão longe dela…

Crianças do Éden teve um começo promissor. Tomara que a trama venha a evoluir mais a cada novo livro. Galera Record, traz logo o segundo volume, please! 







2leep.com

6 comentários:

  1. Oiii Cida

    Eu não sabia o que pensar desse livro, tua resenha me esclareceu bastante. Legal saber dos cliffhangers inesperados que a trama trouxe e também que o romance (mesmo sendo triângulo é inusual). Eu estava um pouco receosa com esse livro, porque o autor é um youtuber famoso e infelzimente a maioria dos livros que li de youtubers me decepcionou muito, mas pelo visto este está bem montado e conseguiu te deixar curiosa com a história.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Cida, eu ando distante de séries, mas achei interessante a premissa do livro, existir na inexistência é bem diferente!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oi, Cida

    É a primeira resenha que leio do livro e me deixou bem animada. Que horrível a Towan existir sem existir, é uma trama interessante.
    E eu quando leio distopias também fico me perguntando como sobreviveríamos àquele cenário.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida, uau para a sua resenha, fiquei empolgada só de ler e claro, doida de curiosidade, tem tempo que também não leio uma boa distopia, acho que a última foi a série Divergente!
    Vou colocar na lista..

    Beijos Mila

    ResponderExcluir
  5. Olá, Cida!
    Essa capa me intriga muito.
    Sério, triangulo amoro? 😢
    Eu também me pergunto isso, se o futuro virar alguma distopia que li, mas só vivendo para gente saber.
    Quero saber que cenas de ações foram essas que lhe empolgaram tanto.

    Amei a resenha, até mais!

    www.depoisdaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, Cida.
    Nem me fale. Toda vez que leio alguma distopia fico pensando quanto tempo vai demorar para aquilo acontecer de verdade. É muito surreal. Eu me interessei pelo livro e acho que lerei. Mas não tão já porque sou dessas que odeia ficar esperando lançar os outros livros hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!