[Resenha] A Árvore dos Anjos

A Árvore dos Anjos
Título Original: The Angel Tree
Autor(a): Lucinda Riley 
Editora: Arqueiro                 Páginas: 496
Lançamento: 2017               ISBN: 9788580417111 
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads|| 
Trinta anos se passaram desde que Greta deixou de morar no solar Marchmont, uma bela e majestosa residência na região rural do País de Gales. A convite de seu velho amigo David, ela decide retornar ao lugar para comemorar o Natal. Porém, devido a um acidente de carro, Greta não tem mais lembranças da época em que vivia na propriedade, assim como de boa parte de seu passado. Durante uma caminhada pela paisagem invernal de Marchmont, ela encontra uma sepultura no bosque, e a inscrição na lápide coberta de neve se torna a fagulha que a ajudará a recuperar a memória. Contudo, relembrar o passado também significa reviver segredos dolorosos e muito bem guardados, como o motivo para Greta ter fugido do solar, quem ela era antes do acidente e o que aconteceu com sua filha, Cheska, uma jovem de beleza angelical... mas que esconde um lado sombrio. Da aclamada autora da série As Sete Irmãs, A Árvore dos Anjos é uma história tocante sobre amores e perdas, sobre como nossas escolhas de vida podem tanto definir quem somos como permitir um novo começo.

Sempre tive vontade de ler algo de Lucinda Riley e, quando li no site da Editora Arqueiro um trecho deste livro, fui fisgada pela história de uma mulher que sofreu um acidente e após acordar do coma não possuía mais suas memórias. Logo ficou claro que algo terrível havia acontecido e seus familiares, mesmo querendo vê-la lembrar, acreditavam que talvez algumas coisas ficassem melhor esquecidas. O que afinal Greta não deveria saber?

Histórias que se alternam entre passado e presente são meu ponto fraco, se pontuadas com um mistério ficam ainda melhores. A Árvores dos Anjos tem isso em sua trama e uma narrativa fluida e bem envolvente. A história de Greta te puxa para dentro das páginas.

Conforme a visão de uma lápide a tira da escuridão e faz com que o passado venha com tudo, conhecemos a saga desta mulher que ficou grávida de gêmeos bem cedo, teve que se virar para criar os filhos sem o pai verdadeiro e depois lidar com a carreira precoce da filha Cheska no cinema. Greta errou, acertou e desejou muito o amor, mas quando amar trouxe mais dor do que alívio, ela dedicou-se apenas a Cheska e talvez tenha cometido aí seu maior erro.

A menina tornou-se problemática e neste ponto a autora insere mais uma protagonista na trama, fazendo com que o leitor vá seguindo de geração em geração. Eu gostei mais de Greta, achei uma pena ela ser deixada de lado com a entrada de Cheska e mesmo que a história de ambas se conecte, ela perde espaço para a filha.

Cheska é a parte mais insana deste livro e me vi querendo sumir com a garota da face da terra. Por mais perturbada que fosse, eu não consegui aceitar sua maldade infinita e tive a certeza que certas pessoas são totalmente más (lúcidas ou não) e possuem algo ruim em si e não têm chance de redenção. E não é algo no sangue não, é caráter mesmo, visto que a filha dela era um amor de garota.

E então temos uma terceira geração, a neta de Greta. Ava resgata tudo aquilo que a mãe e a avó perderam na vida e simboliza um fechamento de ciclo, um acerto de contas de um grande drama.

É uma história que fala muito de família e de relações entre pais e filhos. O mistério que Riley inseriu na trama acabou sendo bem fácil de desvendar, não demorei para captar o que havia de fato acontecido com Greta e foram mesmo as relações familiares que sustentaram a trama até a última página, pois você precisa saber como será a conexão final entre Greta, Cheska e Ava.

Eu gostei da história, mas esperava me emocionar bastante a até chorar. Pensei que Lucinda escrevesse algo no estilo Jojo Moyes e Kristin Hannah. Embora ela crie um drama, este não foi tão desidratante quando das autoras que citei. Espera algo mais comovente.

Vi que este foi um dos primeiros livros da autora (se não me engano é primeiro), que ganhou uma repaginada. Li comentários de fãs dela afirmando que o mesmo se diferencia bastante dos mais atuais. Vou ler em breve um mais novo então, pois ainda acho que não conheci totalmente Lucinda Riley.

Em suma, A Árvores dos Anjos é um livro  com uma trama extremante humana e personagens vivos, de tal modo quê você finaliza a leitura acreditando que verdadeiramente viveu aqueles momentos com eles.   




2leep.com

9 comentários:

  1. Oi Cida!
    Eu adoro os livros da Lucinda! Ainda não li esse, mas fiquei curiosa já que foi um dos primeiros livros dela. Como já li outros mais recentes, deve ser possível ver como a autora evoluiu.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  2. Oi, Cida!
    Já sei que não vou gostar dessa Cheska --'
    Eu achei essa capa maravilhosa! Geralmente capas brancas assim me lembram livros de Natal, mas essa nem passou perto.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Sorteio de Férias: cinco livros, um ganhador!

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nenhum livro desta autora, mas quando me deparei com a sinopse deste livro, fiquei esperando uma estória arrebatadora, e emocionante, daquelas que nos faz chorar realmente, e pela sua resenha e possível notar que no deparamos com um trama real, onde os personagens são pessoas comuns onde podemos sentir empatia por ela, nos colocando em seu lugar. Enfim, espero ter a oportunidade de ler esta obra.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu amo os livros da Lucinda, e ela é uma pessoa iluminada ♥

    Ainda não li este. Tenho dois aqui pra ler dela, depois comprarei este.

    Amei a resenha!

    Bjks

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Nunca li nada da autora, mas falam super bem dela, então tenho curiosidade... Adorei a resenha, dica anotada!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  6. Cida!
    A Lucinda Riley é também uma das melhores, se não a melhor autora na minha opinião.
    A forma como ela cria duas histórias em um livro apenas e no final consegue interligar aas duas histórias de forma crível, dando aqueles desfechos arrasadores, me deixa encantada.
    E não foi diferente nesse livro que claro, quero ler e que pude apreciar através de sua tão bela análise.
    Bom final de semana!
    “Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada.” (Immanuel Kant)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida,
    Eu sou fã da Lucinda, li uns dois livros da autora que me surpreenderam muuuuuito!
    Estou doida para ler esse lançamento. Adorei a capa e o título.
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Cida! Eu assim como vc sempre tive vontade de ler algo da autora. Acho que agora que li sua resenha vou alinhar as expectativas e não esperar algo para desidratar hehehehe

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Lucinda se mostrou uma autora versátil, para mim ela já é magistral, mas a essência desse conhecimento humano, da mente, da angustia e da doença foi brilhante

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!