[Resenha] Uni-Duni-Tê

Uni-Duni-Tê
Título Original: Eeny Meeny (Helen Grace #1)
Autor(a): M.J. Arlidge   
Editora: Record                    Páginas: 416
Lançamento: 2016               ISBN: 9788501106551
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||

Um assassino está à solta. Sua mente doentia criou um jogo macabro no qual duas pessoas são submetidas a uma situação extrema: viver ou morrer. Só um deverá sobreviver. Um jovem casal acorda sem saber onde está. Amy e Sam foram dopados, capturados, presos e privados de água e comida. E não há como escapar. De repente, um celular toca com uma mensagem que diz que no chão há uma arma, carregada com uma única bala. Juntos, eles precisam decidir quem morre e quem sobrevive. Em poucos dias, outros pares de vítimas são sequestrados e confrontados com esta terrível escolha. À frente da investigação está a detetive Helen Grace, que, na tentativa de descobrir a identidade desse misterioso e cruel serial killer, é obrigada a encarar seus próprios demônios. Em uma trama violenta que traz à tona o pior da natureza humana, Grace percebe que a chave para resolver este enigma está nos sobreviventes. E ela precisa correr contra o tempo, antes que mais inocentes morram.
Uni-Duni-Tê é o primeiro livro da série Helen Grace, de M.J. Arlidge, publicada no Brasil pela Editora Record. Caramba! Fazia tempo eu não lia um thriller deste naipe e com um serial killer tão cruel.

Helen Grace é uma policial inglesa no auge da carreira, a mais jovem policial de seu departamento a subir tão rápido de cargo. Grace já recebeu várias condecorações, um reconhecimento válido por ter salvado a vida de muita gente. No entanto, algo a incomoda. É adepta de relações sexuais que a ferem, não que tenha um namorado e tal, ela paga um cara, um garoto de programa para lhe dar umas chicotadas.

A mulher é focadíssima no trabalho, sente um afeto verdadeiro por alguns colegas de equipe, é empática com as vítimas e até mesmo se relaciona com algumas após o encerramento dos casos. É solitária e reservada, se revelando um mistério para os que a cercam e para o leitor. Quem é a verdadeira Helen e qual o motivo de sentir a necessidade de dor ao invés de prazer? Que culpa carrega?

Desvendar Helen Grace vai ter que ficar em segundo plano, pois surge um criminoso em cena para deixar a polícia em polvorosa. Na verdade é uma criminosa que aborda as vítimas  com bastante gentileza, lhes dá um sonífero e depois as confina em locais isolados. Esta mulher deixa apenas um celular e uma arma para estas duas pessoas com a seguinte orientação: atire no seu colega e está livre. Simples assim, se não fosse perverso. Você só vai se safar se matar. 

Sem comida, bebida ou qualquer mínima condição de sobrevivência – por melhor que sejam aquelas pessoas – e escolha se torna óbvia e a criminosa consegue atingir seu objetivo.

Doentio e impressionante. Este livro me pegou desde a primeira página com esta trama. Eu adoro histórias de serial killers e esta em particular me deixou empolgada pelo diferencial de ter um assassino que matava por terceiros. A tal mulher dava o pontapé inicial no assassinato, mas não o finalizava. Que loucura! Imaginem levar isso até um tribunal, como o advogado de defesa ia conduzir seu discurso e tentar convencer o júri da inocência dela. Ah! E é uma mulher serial killer, gente!

Se não bastasse este diferencial do criminoso, há ainda o que vamos ver acontecer com as vítimas. Não é só quem leva o tiro que morre, quem escapa acaba tendo a vida destruída. Eram pessoas boas que se vêem com sangue inocente nas mãos, nada vai lhes dar paz novamente e assim a criminosa mais uma vez é bem sucedida.

A narrativa de divide em focos: policia, criminosa e vítimas. Sendo que os pensamento da criminosa são muitos intensos e tristes e a cenas das vítimas de gelar o sangue.  Os capítulos são curtos e terminam de maneira a puxar você para o próximo com algo que vai te fazer queimar as células cinzentas em busca de motivos, da conexão entre tantos sequestros e mortes de pessoas aparentemente sem ligação. 

Não demorei para estabelecer a conexão, neste ponto a trama se revelou fácil, mas quem estava por trás de tudo e o motivo foi uma grande surpresa.

Helen é uma policial diferente, não me lembro de ter encontrado uma antes que fosse tão sensível com as vítimas e desse um voto de confiança para a mais absurda das histórias.  Ela se solidariza com as pessoas, mesmo que esqueça de si mesma neste processo. Helen Grace tem coração, mas o desfecho do livro me levou a considerar que algo nela nunca mais será igual depois deste caso, acho que no próximo volume vamos encontrar o que restou dela, ou seja, os cacos da mulher que foi um dia.

E o que foi aquele desfecho? Posso dizer que entendi a motivação da criminosa? Pois é, ela tinha um motivo válido, não que justifique fazer o que fez com pessoas inocentes, mas um dia ela também foi uma vítima, foi traída e sacaneada por alguém que amava. No final todos foram vítimas de algum modo.

Esta série promete grandes investigações policiais de forte carga psicológica. Eu amei Uni-Duni-Tê, me fez ver o quanto estava com saudades histórias pesadas e o quanto tenho lido pouco livros deste gênero que foram uma constante nos meus primeiros anos de leitora. Sim! Eu comecei pegando pesado para depois migrar para algo mais leve e descontraído.  Record! Please, não demore para publicar os próximos! Recomendo.

Série Helen Grace 

Uni-Duni-Tê (#1) Pop Goes the Weasel (#2)  The Doll's House (Helen Grace, #3) Liar Liar (Helen Grace, #4) Little Boy Blue (Helen Grace, #5) Hide and Seek (Helen Grace, #6) Follow My Leader (Helen Grace, #7)


2leep.com

17 comentários:

  1. Parece ser muito bom!!! Amei a resenha, será que eu teria coragem de ler esse livro? Sou dessas que fica apreensiva e trás pra vida real haha.
    Conheci seu blog agorinha e já to apaixonada e seguindo pra não perder nenhuma resenha!

    Beijão,
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem -vinda , Clara! Espero sempre contar com você aqui.

      Excluir
  2. Eu adoro livros deste gênero! Tinha ouvido falar do livro, mas não tinha lido opiniões ainda. Fiquei ainda mais empolgada pela leitura depois da sua resenha. Parabéns!

    Beijos,
    Postando Trechos

    ResponderExcluir
  3. Oie, só pelo nome do livro já pra sentir o nível de doentia né. Eu até ouço uma música bem macabra quando penso nesse livro. Ele está na minha lista de leitura e espero conseguir ler o mais rápido possível.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro livros assim, com bastante mistério, então é claro que amei a indicação! Ainda não tinha visto mais já prevejo que irei comprar e ler logo hehehe Mais um pra furar minha listinha!
    Beijos!
    Borboletas de Papel | fanpage - twitter - instagram

    ResponderExcluir
  5. Oi Cida,
    Que protagonista forte, gostei bastante da premissa da série e do assassino desse volume hehe amo o gênero.

    tenha uma ótima semana ♥
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  6. Que trama incrível! Me lembrou Jogos Mortais, de certa forma. O fato de tanto a policial quanto a assasina serem mulheres me chamou muito a atenção - já quero urgente saber o que passa pela cabeça dessas duas!
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida!
    Nossa, sério que a mulher fazia isso porque foi traída/sofreu? Loucona! hahaha
    Mas curti que a vilã é uma mulher, nunca vi uma serial killer mulher nas histórias. Curto thrillers, então acho que leria Uni-Duni-Tê.
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Priih! Mas não é uma traição comum...Leia, sim!

      Excluir
  8. Mas tem mortes bem sangrentas, né?

    Porque é disso que eu gosto, hehehe.

    Adorei a resenha! Quero ler o mais rápido possível!!

    Bjksssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lele! As mortes até que não são tão loucas assim, embora algumas sejam sangrentas, mas o que antecede as mesmas é de revirar o estômago.

      Excluir
  9. Olá, Cida.
    Eu comprei esse livro na Black Friday de tanto ler resenhas positivas sobre ele. Estou louca para começar a leitura. Assim que der um jeito aqui nas leituras atrasadas vou começar a ler. Mas a sua resenha é a primeira que vejo falando sobre ser uma série. Mas é daquelas séries que só a detetive que é a mesma e as histórias tem começo, meio e fim né?

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso! São casos com começo, meio e fim e o que vamos acompanhando em cada volume é a vida da protagonista.

      Excluir
  10. Oi, Cida!
    Que livro, heim! Já me ganhou na sinopse! Também gosto de livros de serial killers, e adorei saber que nesse trata-se de uma mulher. Esse tipo de livro costuma vir carregado de questões psicológicas e pela sua resenha vi que em "Uni-duni-tê" isso não é diferente. Adoro! Vai direto para a estante de desejados do Skoob.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  11. Oie Cida =)

    Com certeza para quem gosta de livros do gênero esse é um livro que possui uma premissa bem interessante. Já eu como não curto nada tão "forte" assim vou deixar essa dica passar rs...

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  12. Olá Cida 😍
    Nossa eu senti o peso do livro pela resenha, e agora estou realmente curiosa para saber sobre o livro, o final, tudo.
    Amei seu blog e amei sua resenha, tudo, você está de parabéns 😍 Comecei a te seguir ♥
    Beijos,
    teattimee.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!