[Resenha] À Sombra de Uma Mentira

À Sombra de Uma Mentira
Título Original: The Wicked Girls
Autor(a): Alex Marwood  
Editora: Bertrand                 Páginas: 462
Lançamento: 2016               ISBN: 9788528618471
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Poucas horas depois de se conhecerem, Jade e Bel, ambas com 11 anos, veem-se envolvidas na morte de uma garotinha e tachadas de assassinas. As duas meninas são enviadas a diferentes reformatórios, onde recebem novas identidades e são instruídas a nunca mais entrar em contato uma com a outra. Agora elas são Kirsty, uma respeitável jornalista freelancer de Londres, e Amber, gerente de um parque de diversões no sul da Inglaterra. Quando Amber encontra um corpo em uma das atrações do parque, a mídia fica em polvorosa, e Kirsty, enviada para cobrir os assassinatos, acaba cruzando o caminho de sua velha conhecida. Não demora muito para as duas se darem conta de o quanto sabem uma sobre a outra. Com medo de que seu passado seja descoberto e exposto pelo frenesi da imprensa, Kirsty e Amber lutam para manter o segredo a salvo.
Adoro histórias cheias de segredos do passado, assassinatos, mentiras e uma pitada de drama. À Sombra de Uma Mentira, de Alex Marwood, lançamento Bertrand Brasil, traz  isso tudo e mais um pouco, vamos conferir o que achei desta história.

Jade e Bel são duas meninas negligenciadas pela família e que por conta própria vão vivendo um dia após o outro. Jade vem de um família pobre, com muitos filhos e pais mais preocupados com eles mesmos e seus vícios. Bel, ao contrário, vive em uma mansão e tem um poder aquisitivo elevado, mas é tratada com parte da mobília, não como uma pessoa e sempre é esquecida em casa enquanto a mãe e o padrasto viajam pelo mundo.

Em uma dia como tantos outros elas se encontram e travam uma amizade peculiar, no entanto, entre brincadeiras de criança e travessuras, Bel e Jade matam uma garotinha de menos de cinco anos. Assim, se vêem arrancadas de sua infância, julgadas, condenadas e banidas da sociedade. As meninas passam a ser criadas pelo sistema penal e anos mais tarde – sob condicional – assumem novos nomes e vidas. Estão terminantemente proibidas de ter qualquer contato, não que quisessem isso, mas uma onda se assassinatos em série acaba unindo suas vidas outra vez.

Bel descobre um de muitos corpos no parque de diversões que trabalha. Agora ela é Amber Gordon. Chefe de limpeza, companheira de um homem distante, amargurada com a vida e ainda assim lutando para ajudar todos ao seu redor em busca de redenção. Jade é  Kirsty Lindsay. Mãe, esposa, principal provedora de um lar com um homem desempregado e repórter. Seu novo trabalho? Cobrir um assassinato. Exatamente! Aquele que Amber descobriu o corpo.

Será que as pessoas nascem más ou aquilo que as cerca é um fator intrinsecamente ligado ao que irá formar seu caráter? Eu acho que somos um pouco de cada, ninguém é totalmente bom ou ruim, mas alguns aspectos de nossa vida acabam determinando o que vai se sobressair em nossa personalidade.

Não temos certeza sobre Jade e Bel em um primeiro momento, nem como ambas acabaram matando uma criança, sendo elas crianças também. São boas ou más? Vítimas ou algozes? São perguntas que vão sendo respondidas pouco a pouco conforme a trama se desenrola. A autora intercala o presente com flashes do passado para construir esta história. No presente temos as duas adultas, lidando com o difícil reencontro, com as próprias vidas que construíram e com a onda de crimes que acontece na cidade onde Bel/Amber vive. No passado temos fragmentos do dia que mudou a vidas das duas.

Há então dois mistérios para serem esclarecidos. Quem é o serial killer e como as meninas cometeram um crime. De longe o mais intrigante é o crime do passado, pois o do presente acaba sendo bem óbvio, você logo percebe quem está por trás de tudo. Mas o forte aqui não é o fator assassinato e sim o lado psicológico.

As protagonistas são duas pessoas perturbadas, com fortes problemas de auto-estima e acreditam que qualquer migalha é suficiente para mantê-las vivas. Eu não afirmo que senti empatia por elas, mas cheguei mesmo a duvidar de sua culpa e se realmente mereciam a punição de toda uma vida de exclusão social e perda de identidade. Embora Bel e Jade não possuam carisma e nem sejam capazes de cativar, ainda assim despertam um  misto de sentimentos no leitor e a autora consegue, de maneira inteligente, te fazer aceitar em parte o que fizeram.

É difícil julgá-las quando temos todo um cenário de descaso, negligência, falta de amor e falta de base familiar em seus anos de formação. Elas eram duas figurinhas jogadas e sem orientação. Há claro, certa falta de tato e até maldade típicas de crianças desprezadas frente a outra que teve mais sorte, mas ainda assim não vejo o que aconteceu como um crime premeditado e sim um infeliz acontecimento. Acredito que vários aspectos desta trama serão vistos de maneira diferente por cada leitor, achei bem interessante ter margem para dúvida, discussão e diversidade de conclusões.

Alerto que se você for ler este livro em busca de uma investigação criminal apurada, um thriller de arrepiar no melhor estilo Jo Nesbo ou Tess Gerritsen, vai se decepcionar. Não é este tipo de história que temos, aqui o drama é psicológico. A história tem um suspense que te faz crer em tragédia iminente, infelicidade e dor. O cerne não está no agora e sim no passado, na violência contra crianças, seja ela  física, mental ou moral . É sobre varrer para debaixo do tapete aquilo que incomoda e acima de tudo, descobrir se quem é culpado é aquele que usou a ferramenta ou aquele que permitiu que a ferramenta fosse alcançada. Nem sempre o verdadeiro culpado tem sangue nas mãos. 

Eu gostei de acompanhar a jornada de Jade e Bel, mas não concordei com o desfecho reservado para ambas.  Além disso a autora inseriu alguns acontecimentos na trama que ficaram perdidos no decorrer da mesma, me deixando com a sensação que estavam ali para fazer apenas volume e não enriquecê-la. Ainda com essas ressalvas, foi uma leitura que apreciei e de fato adoraria ler outras obras da autora, dilemas morais e obscuros são sempre fascinantes. Espero que tenham a oportunidade de conferir! 




2leep.com

9 comentários:

  1. Oi Cida, sua linda, tudo bem?
    Nossa, que história!!! Eu gosto muito da natureza humana, esse livro é perfeito para discutirmos mais sobre ela. O meio influencia? Sim, não podemos negar. Ninguém é bom ou mal por completo? Sim, também acredito nisso. Mas vi uma psicóloga uma vez falando, que todo mundo tem uma percentual dentro de si que é totalmente único, completamente seu, sem influência. Talvez ele explique o motivo de pessoas na mesa condição, que acrescentaram com os mesmos fatores de abandono tanto social, familiar e econômico, terem reações diferentes. Por isso não consigo inocentar uma pessoa só por conta dos fatores que a cercam. Temos escolha, que é exatamente o que determina que seremos. Adorei sua resenha!!! Livro na lista com certeza.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Cidaaa, adorei a premissa!
    Já estou enlouquecida de curiosidade pra saber como a criança foi morta, e se Bel e Jade foram apenas vítimas também. Adorei a resenha, sou fã de livros assim.
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  3. Oiii Cida

    Às vezes esses dramas psicológicos acabam prendendo mais a gente do que imaginamos. Adorei a premissa do livro e essa indagação de quem sã realmente essas duas protagonistas. É muito legal isso de ler, se envolver e só no final descobrir se são boas ou más. Adorei! Fica anotado pra quando surgir a oportunidade

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
  4. tem de tudo um pouco nessa trama, hein Cida! pelo visto é uma história cheia de emoções
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá, Cida.
    Já tinha lido uma resenha desse livro e fiquei muito interessada em ler ele. Eu gosto muito de livros assim e ultimamente li dois livros que também tinha esse tema com as crianças e gostei bastante. Eu acho que vou gostar e vou ler assim que der. Só não gostei muito da capa hehe.


    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Oi, Cida!
    Ainda não conhecia o livro, não sou muito fã de livros desse gênero, mas é sempre bom diferenciar as leituras. Fiquei curiosa para conhecer as protagonistas, uma pena o final delas não ter sido satisfatório para você. :/

    Beijos,
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Cida!
    Menina, eu não sabia desse livro até eu ver você catalogar no goodreads.
    Com certeza eu leria mais por conta de descobrir esse assassinato do passado.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção 5 Anos de Além da Contracapa
    Participe do sorteio Halloween Literário

    ResponderExcluir
  8. Oi, Cida!
    Gosto muito de dramas, sejam psicológicos ou de amor mesmo, então já até anotei o livro na minha listinha que nunca para de crescer.
    Fiquei super curiosa, principalmente com o crime do passado e com as protagonistas, em saber como elas foram moldadas em meio a tanta tristeza, negligência e tragédias.
    Quero ler!

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Cida! Gostei muito da sinopse e das coisas que escreveu na sua resenha. É o meu tipo de livro! Gosto de investigações, mas gosto bem mais quando o peso maior é dado ao lado psicológico da coisa, por isso tenho certeza que gostaria muito da leitura. Pena que o final não te agradou...

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!