[Resenha] George

George
Título Original: George
Autor(a): Alex Gino
Editora: Galera Record         Páginas: 384
Lançamento: 2016               ISBN: 9788501077677
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Seja quem você é. Quando as pessoas olham para George, acham que veem um menino. Mas ela sabe que não é um menino. Sabe que é menina. George acha que terá que guardar esse segredo para sempre: ser uma menina presa em um corpo de menino. Até que sua professora anuncia que a turma irá encenar “A teia de Charlotte”, e George quer muito ser Charlotte, a aranha e protagonista da peça. Mas a professora diz que ela nem pode tentar o papel porque... é um menino. Com a ajuda de Kelly, sua melhor amiga, George elabora um plano. E depois que executá-lo todos saberão que ela pode ser Charlotte — e entenderão quem ela é de verdade também.
Ingênuo, sincero e puro.

George é o primeiro livro que leio com um personagem transgênero e foi exatamente por a história abordar esse tema e a animação do vídeo que vi lá no Estante Secreta Record sobre o lançamento que me levou a querer ler.

Quem conhece George vê um menino, mas ele não se vê, ou melhor, não se sente assim. Para George ele é uma menina.

Quando a sua professora começa a montagem da peça baseada no livro A Menina e o Porquinho, George se vê frente ao grande dilema se sua vida, que é criar coragem para admitir como se sente e fazer os testes para o papel da aranha Charlotte, sempre interpretada por garotas.

Contando como o apoio da melhor amiga Kelly, George ensaia para ser a aranha e arrisca se candidatar ao papel. Só que fazer as pessoas entenderem sua motivação e a razão dela não é algo tão fácil assim. E vamos então acompanhar a jornada deste garoto de corpo e garota de alma a coração.  

Eu imaginei uma trama mais densa e séria, mas me surpreendi ao me deparar com algo tranquilo e sensível. Reparei então que o livro mesmo sendo da Galera Record, saiu pelo selo Galera Júnior, que sempre traz histórias leves, voltadas para um público mais jovem e por isso com uma abordagem bem delicada. No entanto, não subestime a grandeza do livro, pois é uma história linda e tocante que passa muito bem sua mensagem. 

Desde as primeiras páginas, Alex Gino nos coloca na cabeça de George e se refere ao personagem como ela, assim vou adotar este pronome na resenha ao meu referir a protagonista, respeitando sua escolha. E o nome em si foi uma grande sacada, pois caiu bem para ser usado tanto para um menino como para uma menina.

George vive tentando conciliar seu verdadeiro eu com o que as pessoas acham que é, nem a mãe e nem o irmão mais velho sabem que ela se vê como uma menina e uma das primeiras cenas me arrancou muitas risadas e também me comoveu ao mesmo tempo, exatamente por causa deste segredo em família. 

George estava trancada no banheiro lendo revistas femininas e o irmão chega em cada inesperadamente e acredita que flagrou a caçula vendo revista de mulher pelada. Coitada! Nunca ficou tão constrangida, mas ainda assim o momento é uma graça, mesmo nos fazendo sentir uma dorzinha no coração por ela não poder fazer tudo abertamente.

Acho que não só a vontade de ser a aranha na peça, mas também o apoio da melhor amiga Kelly, foram essenciais para George criar coragem e revelar sua verdade para todos, mais precisamente a amiga que foi extremamente compreensiva e leal em cada momento. Pensa naquela pessoa gentil e com um coração enorme que faz de tudo para ajudar você a ser feliz? Eu queria essa amiga na minha vida. Kelly, você foi nota dez! A relação delas é doce e pura, garantindo um sorriso espontâneo na gente.  

Mas se por um lado George recebeu apoio, por outro teve que ser forte para aguentar uma possível rejeição, já que sua mãe não lidou bem com a situação. Infelizmente certos assuntos ainda são tabus e, por mais incrível que pareça, é exatamente dentro de casa que causam mais polêmica e são incompreendidos.

Para o jovem em formação é preciso ter a segurança e liberdade de ser honesto com os pais ou com quem quer que seja responsável por ele. O adulto de sua vida deve não apenas ser acessível, mas ajudar no processo de cimentar seus caminhos e dar segurança para seguir por eles. Uma criança bem orientada, amada e respeitada, com certeza, será um adulto mais seguro de si e bem resolvido, além de uma pessoa com uma vida muito mais feliz.

George é um livro com uma história realista e o tema proposto foi apresentado com muito tato e naturalidade. Nada aqui é conduzido com exagero e drama e ainda que você possa achar que o problema com a mãe nos leva para um desfecho triste, podem ter certeza que esta história é para ter um final de deixar o leitor sorrindo.

Indico George para crianças, adolescentes e adultos. Traz uma mensagem bonita sobre descoberta pessoal e aceitação. Uma dica não apenas para a família, mas para educadores e a sociedade num todo sobre como lidar com aqueles que se sentem diferentes da maioria. Lembrem que nem por isso são estranhos, apenas são eles mesmos. 



2leep.com

11 comentários:

  1. Oi, Cida!
    No começo do ano eu li um livro que a protagonista era transgênero, mas no caso já havia feito a cirurgia. Ele foi baseado em algumas experiências que a própria autora, que é transgênero, viveu.
    Eu achei interessante em George que esse aqui é quando a pessoa se descobre. Com certeza irei ler.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio de aniversário Balaio de Babados e Postando Trechos
    Participe da promoção 1 Ano de Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu! Eu lembro do livro, pelo visto o tema está ganhando mais espaço.

      Excluir
  2. eu conheci o livro exatamente aqui no blog por conta da divulgação da sinopse e adorei a resenha, é um tema que nunca tinha lido, mas que é trabalhado com muita leveza
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem legal Thaila. Se ler me conta o que achou.

      Excluir
  3. Oi Cida,
    Que linda essa novidade da editora, eu não estava sabendo.
    Adorei e já foi para lista dos desejados.

    tenha uma ótima semana.
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  4. A escolha do nome, que pode ser usado tanto para meninas quanto meninos, foi muito boa mesmo. Imagino a coragem que George teve que reunir para se candidatar ao papel na peça de teatro e a reação dos colegas. Acima disso, a coragem para encarar quem ele/a era por dentro num mundo repleto de preconceitos. Uma leitura certamente muito rica!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Cida, tudo bem?

    Eu nunca li nenhum livro com personagem transgênero, mas fiquei com muita vontade de ler George. Não tinha muita ideia de como o tema tinha sido abordado, mas o fato de ser mais leve e sensível me agrada bastante! Muito boa sua resenha <3

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante
    O que tem na nossa estante: Sorteio par de ingressos Bruxa de Blair

    ResponderExcluir
  6. Oi, Cida!
    A história parece ser linda mesmo, também nunca li nada do gênero. E é ótimo quando o livro nos passa uma mensagem positiva! :)
    Parabéns pela resenha!


    Beijos,
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  7. Cida, que coisa fofa esse livro!
    Não conhecia ainda, mas adorei a premissa e o fato de que é do selo júnior, ou seja, pode ser lido por qualquer idade, independente do tema mais polêmico e complexo.
    Fiquei bem interessada.
    Parece um livro fora do que eu comumente leio.
    Sinto que vou gostar muito da George.

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  8. Quero muito ler este livro!!! Achei que ele fosse menor, tivesse menos páginas... Mas não importa, quero ler assim mesmo.

    Gostei muito da resenha!!

    Bjks

    Lelê

    ResponderExcluir
  9. Olá, Cida.
    Eu fiquei curiosa com esse livro desde que vi el nos lançamentos. Nunca li nada sobre transgêneros, mas assisto um programa na H&H, A Vida de Jess que a garota é transgênera. E é bem complicado para ela. Vou ler o livro sim, ainda mais se tem essa abordagem mais leve, que prefiro.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!