[Resenha] O Despertar do Príncipe

O Despertar do Príncipe
Título Original: Reawakened (Reawakened #1)
Autor(a): Colleen Houck  
Editora: Arqueiro                 Páginas: 384
Lançamento: 2015               ISBN: 9788580414363 
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads|| 
Aos 17 anos, Lilliana Young tem uma vida aparentemente invejável. Ela mora em um luxuoso hotel de Nova York com os pais ricos e bem-sucedidos, só usa roupas de grife, recebe uma generosa mesada e tem liberdade para explorar a cidade. Mas para isso ela precisa seguir algumas regras: só tirar notas altas no colégio, apresentar-se adequadamente nas festas com os pais e fazer amizade apenas com quem eles aprovarem. Um dia, na seção egípcia do Metropolitan Museum of Art, Lily está pensando numa maneira de convencer os pais a deixá-la escolher a própria carreira, quando uma figura espantosa cruza o seu caminho: uma múmia — na verdade, um príncipe egípcio com poderes divinos que acaba de despertar de um sono de mil anos. A partir daí, a vida solitária e super-regrada de Lily sofre uma reviravolta. Uma força irresistível a leva a seguir o príncipe Amon até o lendário Vale dos Reis, no Egito, em busca dos outros dois irmãos adormecidos, numa luta contra o tempo para realizar a cerimônia que é a última esperança para salvar a humanidade do maligno deus Seth. Em O despertar do príncipe, Colleen Houck apresenta uma narrativa inteligente, cheia de humor e ironia.

O Despertar do Príncipe, de Colleen Houck, é o primeiro livro da série Deuses do Egito lançada no Brasil pela Editora Arqueiro. Eu sou fã da autora desde que li A Saga do Tigre, vivi uma série de emoções durante a leitura de cada livro. Fui do ódio ao amor, sofri com os personagens, fiquei indecisa sobre o romance, vibrei com a aventura e me vi fascinada por uma ambientação e mitologia únicas. Assim estava muito curiosa sobre esta nova obra. Quem não fica imaginando se um autor querido vai se sair bem em um novo projeto? E posso dizer que embora eu tenha encontrado semelhanças entre as duas séries, ainda assim curti muito esta leitura.

Lilliana Young é uma garota rica com uma vida confortável e bem planejada, para falar com sinceridade, planejada demais. Seus pais controlam cada passo dado, escolhem suas amizades e querem até mesmo determinar o caminho que ela vai seguir na vida adulta. Atormentada pelo peso da decisão sobre a universidade que vai cursar, Lily se refugia no museu de Nova Iorque. Lá, entre antiguidades e arte, ela encontra paz. É uma artista nata, que teme contrariar os pais, mas também deixar seus sonhos de lado.

Os pensamentos reflexivos de Lily são interrompidos quando escuta ruídos vindos da ala que guarda os objetos vindos do Egito para uma nova exposição. Ela vai verificar o que está acontecendo e se depara com o homem mais belo que já viu, Amon. Quem é ele? De onde veio apenas vestido com um saiote branco? Por que ele age e fala sobre coisas que ela nunca ouviu falar? E como foi capaz de entoar um cântico que ligou a vida de ambos aparentemente em caráter irrevogável?

É do encontro inesperado de Amon e Lily que Houck desenvolve sua trama. O leitor não sabe quase nada sobre o rapaz e acaba descobrindo quem ele é conforme a protagonista também vai descobrindo. Na verdade, nós temos acesso a algumas informações privilegiadas conforme conferimos trechos da história ocorridos no passado, mais precisamente no Egito antigo. Ficamos sabendo sobre três soberanos que abandonaram seus deuses para seguir uma nova entidade – Seth, um deus que prometeu muito, mas pediu algo maior em troca: os filhos dos reis. 

Percebam que temos duas épocas sendo mostradas e a curiosidade cresce a cada página conforme vamos tentando encontrar as conexões e determinar o propósito de Amon. É bem óbvio que ele não é uma pessoa comum, e não só por possuir poderes incríveis, mas também por toda sua história milenar.

O belo rapaz desperta a cada mil anos para cumprir uma missão, mas desta vez algo mudou e por isso precisa forçar que Lily lhe sirva como fonte de energia. No começo a relação dos dois é conturbada e ela não quer segui-lo, contudo não demora para se ver encantada pela beleza e jeito enigmático de Amon. Quando entende a grandiosidade da missão dele, resolve mergulhar de cabeça nesta aventura.

Esta sacudida na vida de Lily é empolgante. Eu não suporto ver pais manipuladores que tratam os filhos como marionetes e vibrei ao ver a garota cortando as amarras e deixando tudo para trás rumo ao desconhecido no Egito. Embora muitas vezes os deslumbramento dela por Amon e o excesso de vontade para que ele caísse em seus braços tenha me deixado irritada com ela, por outro lado não pude deixar de admirar a forma como se rebelou, como lutou pelo que desejava e não deixou que as negativas dele a desanimassem. Eu acredito que em boa parte do tempo Lily agiu movida pelos hormônios recém despertos, mas houve generosidade também em seus atos.

Lily lembra Kelsey, mas também é muito diferente da mocinha da Saga do Tigre. Ambas não temem lutar pelos amados e enfrentar o impossível para ajudá-los na guerra contra forças do mal e quebra de maldições. Elas morreriam por eles, mas ao passo que Kelsey frustrou leitores com sua eterna indecisão, Lily é decidida.

No tocante ao romance, este é uma incógnita. É evidente que ela está a cada momento mais apaixonada, mas ele não demonstra com clareza seus sentimentos. Em alguns momentos Amon parece que vai tomar Lily braços e beijá-la com paixão, em outros se afasta como se ela fosse um veneno. Ele a protege, mas a repele. Um personagem de sentimentos controversos, que nos confunde e intriga, por isso se torna o maior trunfo da autora nesta trama. Não podemos prever se vamos ter ou não um romance.

E mais uma vez a autora trouxe uma história cheia de mistério, magia, personagens cativantes e com uma mitologia fascinante. O cenário da vez é o Egito antigo, mas o local em si não foi tão explorado quanto a Índia na outra série, contudo as lendas egípcias, as histórias de seus deuses e mitos é abordada em detalhes, o que é uma nota digna de destaque, pois Houck soube criar algo singular novamente. 

A trama se revela aos poucos, falar sobre cada detalhe é um risco de spoiler, então meu conselho é que você se aventure nesta páginas e se deixe encantar por cada descoberta. É uma narrativa intimista, por ser na voz de Lily ajuda para que os sentimentos sejam mais vivos. Há momentos divertidos mesclados com outros de muita ação e aventura, mas é mesmo o final que vai deixar você surpreso e sem saber o que o futuro reserva para Lily, Amon e alguns outros personagens que vão ganhar seu coração, como os irmão dele – Asten ♥ e Ahmose

Em suma, recomendo que leiam O Despertar do Príncipe. Que venha Recreated! 




2leep.com

15 comentários:

  1. Siim, lembra bastante a Kelsey, mas até então tô gostando mais dela. Até que não apareça nenhum triângulo amoroso, né kkkk espero muito que a Colleen não torne ela chata também, porque eu adoreei esse volume e quero logo o próximo!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Se eu morrer antes de você", vem conferir!

    ResponderExcluir
  2. Collen é uma autora boa, leio ótimos comentários sobre suas sagas, mas sinceramente não é uma autora a qual eu tenha uma curiosidade imediata
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Li O Despertar do Príncipe no ano passado, e foi uma das melhores leituras que tive o prazer de desfrutar. Quando comecei a leitura, confesso que fiquei apreensiva devido ao livro A Maldição do Tigre, que apesar da autora ter contado uma boa história, ela foi bem repetitiva e não me simpatizei com a protagonista. Porém, fui completamente surpreendida com esta trama: Aqui encontrei uma personagem determinada, como você também citou, uma mitologia muito bem organizada e uns príncipes completamente apaixonantes e cuidadosos.
    Eu também não poderia estar mais ansiosa pela sua continuação *-*
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Cida. Eu nunca li a saga do tigre, mas esta obra eu sou bastante curiosa para ler. Mesmo com alguns poréns em relação a protagonista, acho que vou acabar curtindo principalmente por Amon. Beijos
    Sil - Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  5. Estou com o livro aqui para ler e bastante curiosa para saber mais sobre essa história, ainda não li nada da autora. A capa desse livro é maravilhosa!
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida,
    Estou com a Collen Houck na minha lista a tempos... minha amiga a ama!
    Não sei se pego esse livro ou a saga do Tigre para ler. Mas incrível como só tem elogios para essa autora né?
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida!
    Eu li esse livro e também gostei! Só não gostei da Lily... ela é muito chata e mimada! Por causa disso nem sei se vou ler o segundo livro.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  8. Olá :)
    Eu sinceramente ainda não li o livro porque eu não suportei a série do Tigre, na verdade eu não suporto a Kelsey e você falando que a protagonista deste outro livro é meio parecida com ela já me assusta um pouquinho rsrs

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Tá bom, tá bom! Você me convenceu! Eu estava entre o desejo e o receio de ler esse livro, embarcar em mais uma série longa e tudo o mais, mas quando me deparo com uma resenha tão positiva que me cutuca tanto a curiosidade quase gritando "VOCÊ TEM QUE LER!" como resistir?!?!?! kkkkkk

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  10. Oi, Cida!
    Todo mundo fala que a Colleen acertou nessa mocinha. Eu ainda vou ler esse e a Saga do Tigre pra tirar algumas conclusões.
    Só sei que essa capa é lindona.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Mês das Mulheres em Dobro
    Porcelana - Financiamento Coletivo

    ResponderExcluir
  11. Oie! Já tinha ouvido falar nesse livro, mas nunca havia lido uma resenha sobre ele. Parece ser realmente muito interessante. Sua resenha me deu muita vontade de lê-lo!

    Beijos,
    http://www.girlfromoz.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oii Cida, tudo bom?
    A Lily é uma ótima melhora, mas pude sentir nesse livro uma leve vontade de autora de criar outra Kelsey, ou seja, três caras gatões apaixonadas por uma garota. Acho que você já sabe, mas odeio triângulos amorosos e quadrados então, nem se fala! Espero estar enganada!
    Fora isso, amei conhecer um pouco da mitologia egípcia. Foi uma novidade muito bem vinda e admito estar bem ansiosa pelo próximo livro da saga <3
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
  13. Olá, Cida.
    Eu tenho esse livro aqui, mas não sei quando vou ler. Tenho a mania de esperar lançar todos e ler de uma vez hehe. Eu amo o Egito e toda a mitologia envolvida, por isso acho que vou gostar, mesmo não tendo gostado tanto da saga do Tigre. Não aguentava mais a Kelsey e no final ela não decidiu nada, decidiram por ela. Mas se a protagonista desse é decidida, já é meio caminho andado.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  14. Oi Cida, diferente de você esse livro foi meu primeiro contato com a escrita da autora. E como sempre futura curiosa da mitologia egípcia embarquei nesse enredo de corpo e alma e simplesmente me apaixonei. O livro entro na minha lista de melhores do ano. Emprestei esse mês para minha mãe, ela leu e adorou também. Agora estamos ansiosa pelo livro seguinte.
    Que bom que vc também gostou e indica empolgadamente a leitura. Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!!

    ResponderExcluir
  15. Oi Cida, tudo bom?
    Ai oh, Lily estragou o livro pra mim pois eu realmente achei outra Kelsey em um triangulo, ou possivel quadrado, amoroso.
    Quero continuar só pela mitologia, isso sim me agradou MUITO

    Beijos

    http://shadabooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!