[Resenha] À Procura de Audrey

À Procura de Audrey
Título Original: Finding Audrey
Autor(a): Sophie Kinsella
Editora: Galera Record         Páginas: 336
Lançamento: 2015               ISBN:9788501104632
Audrey ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Audrey, 14 anos, leva uma vida relativamente comum, até que começa a sofrer bullying na escola. Aos poucos, a menina perde completamente a vontade de estudar e conhecer novas pessoas. Sem coragem de sair de casa e escondida por um par de óculos escuros, a luz parece ter mesmo sumido de sua vida. Até que ela encontra Linus e aprende uma valiosa lição: mesmo perdida, uma pessoa pode encontrar o amor.

Sophie Kinsella é uma autora conhecida pelo seus livros do gênero chick-lit e confesso que fiquei surpresa ao vê-la lançar um livro do gênero young adult. Eu particularmente sou fã de livros assim e queria conferir o resultado desta empreitada de Kinsella, ainda mais depois dos inúmeros elogios que vi sobre À Procura de Audrey.

Audrey, após de ter sido vítima de bullying na escola, está passando por um intenso acompanhamento psicológico e não consegue sair de casa, tampouco falar com pessoas que não sejam os pais e irmãos. Ela usa óculos escuros todo o tempo, pois contato visual é algo que a incomoda muito. Pouco a pouco está tentando retomar a vida e superar seus medos, no entanto é uma luta que parece não ter fim Há dias que está melhor, em outros regride. Assim sua médica lhe dá a missão de fazer um filme sobre a família e depois avançar para entrevistar pessoas. Quem sabe uma hora dessas tentar ir até o Starbucks? Quem sabe atrás da câmera seja mais fácil interagir, até que seja possível encarar todos diretamente? Ao conhecer Linus, um amigo do irmão, ela começa a sair de sua zona de conforto e arriscar-se outra vez pelo mundo além de sua casa e ele vai ajudá-la em sua missão.

A narrativa em primeira pessoa pela voz de Audrey é intimista e reveladora, mostrando sua família e o cotidiano de todos,  ela vai falando de si e como se sente diariamente. Medos e anseios são maiores que sonhos, mas mesmo assim ela se mostra alguém disposta a lutar e conseguir ficar curada. Ela é uma graça e logo ganhou meu coração com sua delicadeza, fragilidade e força de vontade. Não há como não se emocionar com sua história, com sua doença e com tudo que a atormenta. Eu sentia sua aflição na pele, mas também cada pequena vitória e vibrava com as conquistas que a conduziriam à cura.

Embora a protagonista tenha sido vítima de bullying, a autora não aborda o ocorrido profundamente nem dá detalhes do que realmente aconteceu, eu senti falta de explicações neste sentido, embora a falta delas não tenha comprometido em nada meu aproveitamento da obra. Isso porque não é o fato em si que importa, mas sim a recuperação de Audrey e a forma como ela e a família lidaram com isso.

Kinsella foi perfeita neste sentido, não optou pela abordagem dramática e triste, e sim por algo bem humorado, leve e revigorante, mas ainda assim com poderes de tocar e comover o leitor dada a delicadeza e sensibilidade com a qual criou sua personagem e tudo que a cercava. O problema central não perde a seriedade por ser tratado em um ambiente onde o riso vem fácil, o que vemos é que há um depois, que há sempre a chance de ser feliz apesar de tudo.

A história se passa na maior parte do tempo dentro da casa de Audrey e assim vivemos a rotina da família, somos mais um morador da casa e posso dizer que tive uma ótima estadia ali. Todos são hilários e surpreendentes, podemos até acompanhar suas histórias paralelas ao tema central.

Por exemplo, no caso do irmão de Audrey, Frank, a autora abordou a influência da tecnologia na vida dos jovens, até onde este mundo virtual é saudável e em qual momento passa a ser nocivo. A mãe travava uma batalha maluca com o filho na tentativa de fazê-lo deixar de lado um game de nome Land of Conquerors e se interessar por outras coisas. Eu ficava até me perguntando como ela dava mais atenção ao filho, do que para a filha, pois Audrey tinha problemas bem mais sérios. Achei esta senhora bem exagerada, mas não nego que suas intenções eram válidas e prova de amor para com os filhos, De uma forma ou de outra, ela me fez rir muito e Frank foi um exemplo de muita esperteza. No tocante a garota, eu logo entendi e admirei, pois ela não a tratava como uma inválida, ou louca, todos naquela casa viam Audrey como uma pessoa que precisava de desafios, não de pena para se recuperar.

A família é mostrada com muito amor nesta história e achei esta mensagem positiva, mesmo sendo um pouco malucos, todos se amavam e se protegiam. Embora fique claro que no final só depende da pessoa a força para sair do problema, o apoio e  amor daqueles ao redor são fundamentais para ajudar à seguir em frente. E ainda temos Linus que vem para colocar um pitada de romance da história, nada arrebatador, mas sim doce e cativante.

Eu adorei a história! É simples se você for analisar, trazendo pessoas comuns e vida cotidiana, algo que qualquer um de nós poderia viver e acredito que aí resida parte de seu segredo, a forma como nos coloca na pele dos personagens, fazendo acreditar ser possível estar na mesma situação e vencer no final.





2leep.com

19 comentários:

  1. Oi Cida, tudo bem flor?
    Eu estou com esse livro na minha cabeceira, mas ainda não engatei de verdade na leitura dele. Depois dessa resenha acho que vai ser impossível não começar logo, pois sou uma grande fã do trabalho da Sophie e fiquei muito feliz quando soube que ela ia investir em livro YA.
    Abraços,
    Amanda Almeida
    http://blog.amanda-almeida.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nossa, a blogosfera inteira está falando neste livro, preciso ler! Parece ser sensacional! Vou à falência deste jeito, tantos livros legais sendo divulgados! Eu gostei da proposta do livro, ainda mais porque AMO histórias com drama! E sua resenha ficou sensacional! Já deu vontade de correr na livraria buscar esse livro para ver se é tudo isso mesmo que você falou!
    Beijos!
    http://virtualcheckin.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi,
    Ahh adoro chick-lit, mas ainda não tive oportunidade de ler nada da Sophie. Preciso mudar logo isso!
    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  4. Cida, confesso que gosto do lado humorado do chick-lit, mas também me interesso imensamente por YAs, só não supera a minha paixão por distopias. À Procura de Audrey me encantou por sua premissa e história ao todo, gostei do fato do bullyng que Audrey sofreu te ficado, quase, por completo no passado e o fato dela começar a interagir visualmente com outras pessoas novamente é encantador Gostei da resenha!

    ResponderExcluir
  5. Oii, tudo bom?
    Sou doida para ler algum livro da Sophie e esse chamou muito a minha atenção, adorei sua resenha!!
    Um beijo
    Katrine Bernardo

    ResponderExcluir
  6. Eu amoooooooo a escrita da Sophie então, qualquer livro que ela escreva eu vou ler sem nem pensar duas vezes. <3
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu amoooo a escrita da Sophie, então qualquer livro que ela escreva eu vou querer ler. <3
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. oi flor, eu sempre achei que seria uma trama meio insossa justamente por Kinsella escrever com muito mais humor, mas pela resenha vi que julguei errado
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. oi flor, eu sempre achei que seria uma trama meio insossa justamente por Kinsella escrever com muito mais humor, mas pela resenha vi que julguei errado
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Cida!

    Ainda não li nada da Sophie Kinsella e tenho apenas um livro dela na estante. Mas acho que ela é uma boa autora porque sempre conquista muito facilmente seus leitores. Os toques de humor deste livro me conquistariam, é bom para uma leitura descontraída e sair um pouco dos livros complexos. Ela é bem estilo "serie de comédia americana", e se gosto das séries provavelmente gostarei dos livros da Sophie.
    Adorei a resenha, me deixou confiante com o que tenho na estante!
    Beijo!

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Eu ganhei este livro , mas ainda não tive como encaixa lo na minha lista de leitura . Espero ate o final do ano ler os livros que não estao lidos ai sim poder ler lo .
    Bjos!

    ResponderExcluir
  12. Tenho lido várias resenhas sobre esse livro e em todas elas aquela curiosidadezinha cresce mais e mais.
    A sua resenha me deixou mais curiosa do que o normal!
    shIUHSUIAHSUIHAs

    Beijos!
    Fabi Carvalhais
    pausaparapitacos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi Cida, tudo bom?
    Saudades de passar no seu cantinho. Desculpa o descaso.
    Eu amo a Sophie e estou bastante curiosa com esse YA que ela escreveu. No início eu pensei que era mais um livro sobre bullying, mas começo a perceber que isso não é o foco. Parece mesmo ser aquele livro que nos coloca no lugar do personagem e acho isso muito válido. Quero muito ler em breve.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Preciso ler algo da Kinsella, 11 entre 10 leitoras pelas quais tenho respeito recomendam ela e elogiam suas histórias. Cada vez mais vejo coisas dela aqui e ali e eu nada. Adorei a ideia desse livro e a forma como ela conduziu a história. Fiquei com vontade de ler, agora resta tomar vergonha e correr atrás.

    #DoQueEuLeio

    ResponderExcluir
  15. Esse livro parece ser muito bom, ainda não li nada da autora Sophie Kinsella, mas pretendo ler A Procura de Audrey, acredito que irei gostar, pois gosto de romances e a história me pareceu ser muito interessante.
    Sua resenha está muito boa e pretendo ler esse livro em breve.

    ResponderExcluir
  16. Eu não gosto do gênero YA, mas achei bem legal a história de superação,sabe? Essa questao de sair da zona de conforto, de se abrir :)

    ResponderExcluir
  17. Olá, Cida.
    YA não chama tanto a minha atenção, porém, o fato de a narrativa ser intimista pode me fazer ler a obra. Gosto desse tipo de narrativa pois nos permite ficar mais próximo do protagonista.
    Quanto à autora não ter explicado o que realmente aconteceu para a protagonista ficar nesse estado, realmente é um pouquinho desanimador.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro. Serão seis livros para três vencedores.

    ResponderExcluir
  18. Cida!
    Simplesmente adoro os livros da Sophie e como amo chick lit e me acabo de rir, gostaria demais de ler esse dela que ainda não li.
    Ela é uma autora no estilo chick lit mais interessante que já li.
    “Felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente.”(Érico Veríssimo)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  19. Para uma super fã de Sophie Kinsella eu com toda certeza leria este livro, mas fiquei surpresa com sua resenha que mostrou como ele é diferente e emocionante. Fiquei apaixonada, quero muito ler.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!