[Resenha] Como Eu Fui Esquecer Você

Como Eu Fui Esquecer Você
Título Original: Forget You
Autor(a): Jennifer Echols
Editora: Pandorga                Páginas: 272
Lançamento: 2009               ISBN: 9788561784034
22395663 ||Compare & Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Existem muitas coisas que Zoey gostaria de esquecer. Que seu pai engravidou a namorada de vinte e quatro anos. Seu medo de que toda a cidade descubra sobre o colapso nervoso de sua mãe. Do belo e sombrio, Doug, o bad boy da escola que a perturba. Sentindo como se sua vida estivesse prestes a se tornar uma completa bagunça, Zoey luta da única forma que sabe, usando sua famosa atenção em detalhes para assegurar seu lugar como a filha perfeita, a aluna perfeita, e a namorada perfeita para o popular jogador de futebol americano, Brandon. Mas, em seguida, Zoey se envolve em um acidente de carro e no dia seguinte há apenas uma coisa da qual ela não consegue se lembrar - a noite do dia anterior. Saíra com Brandon como pretendia? Mas então porque Brandon a estava evitando? E porque Doug, de todas as pessoas, de repente está agindo como se algo de importante tivesse acontecido entre os dois? Zoey apenas lembra de Doug tirá-la do carro, mas ele continua a se referir ao que aconteceu aquele noite como se fosse algo mais. E Zoey está aterrorizada em admitir o quanto não pode se lembrar. A controlada e meticulosa Zoey está rapidamente perdendo o controle de todos os detalhes importantes de sua vida - uma vida que parece estranhamente vazia de Brandon e estranhamente preenchida por Doug.

Aos 17 anos Zoey vê sua vida perfeita, de garota de família rica e capitã do time de natação da escola, se mostrar não tão perfeita assim, o pai engravidou uma menina de 24 anos e deixou sua mãe, esta abatida pela depressão tentou se matar e foi internada em uma instituição psiquiátrica, Zoey teve que ir viver com o pai e uma madrasta que tem quase a mesma idade que a sua, poderia não ser tão ruim, se ao menos o pai se importasse com ela, contudo ele lhe trata como um peso morto.

Se não bastasse esta série de acontecimentos tristes, Zoey achou que namorar seu melhor amigo fosse uma boa jogada, só que ele é muito galinha e não quer nada sério, na noite que resolve ir numa festa onde ele está, sem ser convidada, sofre um acidente de carro e acorda na estrada nos braços de Doug, um lindo e rebelde garoto que estuda no mesmo colégio que ela e que sempre lhe odiou, mas agora, estar ali em seus braços, parece certo, é reconfortante, o problema é que ela não sabe quando e onde estar agarrada com o rapaz se tornou algo comum em sua vida. Zoey não lembra o que aconteceu na noite do acidente, ela precisa descobrir onde foram parar aqueles momentos de sua vida e ainda lidar com os sentimento de Doug por ela, que foram do ódio ao amor.

A história é narrada em primeira pessoa por Zoey, que logo se mostra um menina muito mimada, que se importa muito com aparência e status, não digo que este seu jeito fútil seja sua culpa, a criação que teve foi fundamental para isso, no dia que o casamento dos pais chegou ao fim, ela se ficou sem chão e se antes agia de maneira tola, agora posso dizer que elevou isso ao grau máximo, agindo de maneira impulsiva constantemente.

Eu não posso dizer que simpatizei com a mocinha logo de cara, seu jeito me irritou muito e achei Zoey totalmente superficial, percebi que só um grande choque faria com que acordasse e visse a vida de maneira real, não daquele jeito de contos de fadas que enxergava. O acidente foi um momento importante, o primeiro passo para sua transformação, mas não foi algo imediato, Zoey fingiu que lembrava de tudo e tentou levar a vida da mesma forma, fazendo sempre que possível perguntas sutis ao amigos para conseguir fragmentos daquela noite, mas a cada dia foi ficando mais complicado manter a mentira e em certo momento o castelo de cartas que construiu desabou, finalmente a mocinha levou o tão esperado choque e precisou mudar.

Acredito que a jornada de Zoey teria sido bem pior se não fosse por Doug, que se preocupou com ela durante toda a história, diferente de seu detestável pai que foi curtir a lua de mel bem longe e deixou a filha, recém saída de um acidente, sozinha em casa; a mãe sem condições de cuidar de si, nem sabia o que estava acontecendo, então foi Doug quem percebeu que a garota não lembrava de nada e precisava de ajuda. 

Doug é o mais perto que temos de alguém real e verdadeiro, afinal sua vida não foi nada fácil, tão cheia de luxos como a de Zoey e seus amigos, assim ele é mais pé no chão e sincero, esqueça as aparências, ele fala o que quer e nem sempre é bem visto por isso, mas foi essencial para dizer as verdades à Zoey que ela queria evitar. Eles protagonizam o romance do livro, bem estilo dama e vagabundo, mas claro que não se acertam de cara, afinal Zoey acredita que seu namoro como o melhor amigo Brandon é o certo e se nega a aceitar o que sente por Doug. Torci para que o casal ficasse junto e desse certo, afinal um completava o outro.

A autora aborda em seu  livro temas atuais e relevantes para nossa juventude, e embora a maneira que Zoey encare o sexo não seja a melhor, serve como alerta para muitas garotas por aí, que magoadas acabam buscando uma fuga no lugar errado e com o cara errado, sexo é bom, mas precisa ser consciente e com uma pessoa legal, que nos respeite.

O pano de fundo do romance de Zoey é sua relação com os amigos da equipe de natação do colégio, uma turma bem doidinha, que adora festas na praia e muita azaração.

Zoey é uma menina muito sozinha e perdida, que precisou amadurecer sem apoio dos pais, na verdade foi exatamente por ficar sem os dois que acordou para a vida, gostei de ver sua transformação, senti pena dela depois daquela antipatia inicial, no entanto seu pai não se tornou uma pessoa melhor, na verdade senti falta de uma abordagem maior em relação aos pais, eles aparecem bem pouco.

Como Eu Fui Esquecer Você é um romance jovem, ambientado numa cidade beira mar, tem cara de verão, é sobre transformação, amadurecimento e responsabilidade, não é uma trama densa e profunda, com aquela carga emocional elevada, é algo mais leve e despretensioso que consegue te prender facilmente, sem dramas a autora passa seu recado.







2leep.com

25 comentários:

  1. Oi Cida, tudo bem flor?
    Eu achei o enredo interessante, e confesso que no inicio, quando você começou a falar um pouco da personagem pensei: nossa, essa deve ser daquelas bem chatas e mimadas. Mas ainda bem que ela cresceu e modificou sua personalidade no decorrer da estória. A dica está anotada.
    Abraços,
    Amanda Almeida
    Você é o que lê

    ResponderExcluir
  2. Meu aniversário está chegando e acho que vou me dar esse livro de presente. É bem o tipo de história que me prende. Tem romance, mas também tem um certo mistério, estou louca pra saber mais sobre esse livro!

    Beijos
    ooutroladodaraposa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Pirei com esse livro. Não sou muito fã de livros calminhos assim não, mas a história desse acabou de grudar na minha cabeça. Parece que já conheço todo mundo. Rsrs. Ótima resenha!!!

    ResponderExcluir
  4. queria muito ler algo da autora, mas para uma primeira experiência procurarei outro livro
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Cida!
    Eu já tinha visto esse livro, mas ele não tinha chamado minha atenção antes. É uma história um pouco clichê, mas que me deu vontade de ler. Só não gosto muito dessa capa, mas quando tiver oportunidade vou conhecer!

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida

    A Jennifer é super aclamada nos blogs internacionais, por isso quando seus livros começaram a ser lançados por aqui eu me empolguei demais. Escolhi Longe Demais para minha primeira experiência e foi bastante decepcionante.
    O primeiro problema foi a revisão. O livro tinha tantos erros que ficava até difícil se concentrar na história. Achei que faltou profundidade na história e no desenvolvimento dos personagens. Depois disso acabei desistindo da autora e não tenho vontade nenhuma de voltar a tentar.

    Beijos
    Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  7. Oie Cida, tudo bom?
    Eu não conhecia o livro e acabei sendo conquistada pela proposta dessa história. Realmente a premissa é jovem, atual e interessante. Logo de cara eu sei que teria um pouco de raivinha da protagonista, mas pelo visto rola uma espécie de redenção e ela também aprende com os próprios erros. Gostei da indicação!
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Gostei da sinopse! parece um livro bem intrigante Cida, e deve ser legal fica na expectativa de descobriu o que aconteceu com Zoey no dia do acidente! Sem contar que eu adoro um romance estilo dama e vagabundo! rsrsrsrs

    Beijocas, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto de ler de vez em quando esses livros mais leves, mas que os personagens evoluam. Afinal, sempre podemos melhorar. Só que acho um pouco clichê e por isso evito um pouco.
    Letras & Versos

    ResponderExcluir
  10. Oi Cida =)

    Sempre fui curiosa para ler algo da autora, e até tenho este livro, mas nunca me animei realmente para ler. Este parece ser mesmo o tipo de livro para descontrair, sem esperar muito. O tipo de leitura delicinha, que ameniza a tensão. Espero ter um tempinho para ler um dia, numa tarde preguiçosa =)

    Beijos,
    Livy
    No Mundo dos Livros

    ResponderExcluir
  11. Que bom que vc gostou do livro
    mas confiante para ler kkk
    Blog: livroazul.blogspot.com.br
    Loja:chapeleiroazul.loja2.com.br
    A. online: livroazul-animes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Cida, tudo bem?
    Essa capa é linda, eu gosto muito dela.
    Sabe o que achei??? Uma história para falar dos problemas dos adolescentes, só faltou a relação entre pai e filha ser desenvolvida para ficar perfeito. Acredito que a personagem não seja agradável propositalmente, para sentirmos o antes e o depois dela.
    E colocar um rapaz totalmente diferente dela sendo o único a apoiá-la foi a cereja do bolo, embora não seja inovador. Antigamente eu pensava que isso era comum na cultura americana, mas infelizmente, hoje, descubro que isso é comum no mundo inteiro. Essa necessidade de autoafirmação dos jovens, de fazer coisa coisa para estar em um grupo, de não ter identidade. Precisamos mudar essa realidade, que venham muitos livros falando sobre o problema.
    Gostei muito do livro, dica super anotada, apesar de não ser tão profundo.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cila você falou uma grande verdade, hoje em dia é fácil ver isso em qualquer lugar, aqui, nos EUA, não importa, onde existam jovens.

      Excluir
  13. Falta esse na minha coleção.
    Eu gosto desses romances despretensiosos assim. É calmante até. O tipo de livro que você começa a ler sem esperar nada, mas te conquista pela simplicidade. Assim são os livros da autora, pelo menos eu os vejo assim né.
    Adorei a resenha deste. Vou ter que comprar!!!

    Bjks

    Lelê

    ResponderExcluir
  14. Falta esse na minha coleção.
    Eu gosto desses romances despretensiosos assim. É calmante até. O tipo de livro que você começa a ler sem esperar nada, mas te conquista pela simplicidade. Assim são os livros da autora, pelo menos eu os vejo assim né.
    Adorei a resenha deste. Vou ter que comprar!!!

    Bjks

    Lelê

    ResponderExcluir
  15. Oi, Cida!
    Quantas meninas feito a Zoey existem por aí? Que, ainda que tenham seus pais por perto, são mesmo alheias à realidade da vida, despreparadas para as dificuldades que vão se apresentando? Sei que parte disso é a imaturidade, mas tem algumas que parecem se recusar a crescer! Até que a vida vem e dá uma sacudida, puxa o tapete e as coisas têm que mudar...
    Tenho uma amiga psicóloga que diz adorar ouvir do paciente que ele está numa crise. Ela diz: que bom! E isso é motivo para o paciente se chatear, rsrs... Na verdade, ela explica em seguida que as crises são ótimas oportunidades de reavaliação da vida, dos caminhos e escolhas que fazemos. Nada como uma crise para favorecer a mudança e, de quebra, o amadurecimento.
    Acho que é por aí que Zoey vai ter que andar... aliás, como todos nós, a vidaé uma grande e implacável mestra. Pena que a personagem seja um tantinho chata...
    Gostaria de ler, sim, para ver o processo de crescimento dela.
    Beijo!

    Minha nova resenha, um romance muito bonito: Uma Noite em NY:
    Ler para Divertir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Manu! Nem todos têm a sorte de ter pai e mãe presentes durante esta fase de amadurecimento, é uma alegria quando estes jovens conseguem passar por esta fase e se tornarem pessoas felizes, mas infelizmente muitos vão procurar profissionais como sua amiga, em busca de ajuda.

      Excluir
  16. Um romance a beira mar deve ser bom demais. Vi este livro e me interessei. Só não sei quando vou ler..rs
    Esse casal da capa é o mesmo da capa do livro Jogo perfeito, e é igualzinha a capa do segundo livro..rs Repara.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. O livro parece ótimo, drama familiar típico, história emocionante, fiquei bastante interessada em ler!

    ResponderExcluir
  18. O livro parece ser interessante, tema bom para os jovens lerem mas a personagem me pareceu ser bem irritante com esse jeito mimado dela, não gosto de personagens assim.

    ResponderExcluir
  19. Oi, Cida!

    Também me cansaria facilmente da protagonista, mesmo levando em consideração tudo o que houve com ela antes e depois. Gostei da história e de saber que é uma leitura leve e fluída.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Oii Cida..
    Eu quero muito ler esse livro. Fala de alguém jovem que nem eu e que está passando por dificuldades pra crescer uma pessoa melhor.. Mesma coisa acontece comigo, sou muito imatura às vezes :( meus amigos reclamam disso...Mas não sou tão chata assim kkkk Espero.
    Quero ler e aprender com a Zoey.. :)

    ResponderExcluir
  21. Já li outros livros da Jennifer, esse eu não conhecia, entrou para a lista :)

    ResponderExcluir
  22. Até que é um livro interessante para mim, pois não gosto desse gênero. A protagonista estar passando por tantos momentos difíceis foi o que mais me chamou atenção. Só não sei se vou gostar muito dela, por causa desse jeito que parece realmente irritar.
    Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  23. A vida de Zoey no início me pareceu bem trágica, com toda a confusão causada pelo pai. e sortuda cair em braços de um cat Doug, achei que ela tem seus motivos por ser assim, como se fosse negligenciada pelos pais, por serem ausentes demais, ela acredita em coisas que não pode realmente acontecer e não aceita Doug, gostei dos dois, gostaria que ela amadurecesse na história e ficasse mais realista. Nunca li o livro, e nunca ouvi sobre a autora, me pareceu bem legal o romance dos dois, não curti a capa. Mas pode o conteúdo dar a volta nela.
    Beijos, ThaynáQ.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!