[Resenha] 2083

2083
Autor:  Vicente Muñoz Puelles
Editora: Biruta      Páginas: 140
Lançamento: 2012      ISBN:   9788578480431


O fim dos livros de papel e tinta está próximo. Restarão poucos exemplares: as antiguidades valiosas ou as relíquias de família. Verdade? Ilusão? Fantasia? Imagine-se agora em 2083 e surpreenda-se: o livro eletrônico também não existe mais. O que restou das histórias e dos autores que admiramos? Desapareceram sem deixar vestígios? Não! Seria impossível destruir os textos que nos emocionaram, que nos fizeram viver melhor e nos tornaram mais humanos. Não se desespere, todos sobreviveram e você poderá conhecê-los bem perto, numa viagem de turismo, no modo amplificador de inteligência. Embarque na bibliotravel.
Atualmente vemos muitas discussões sobre os e-books substituírem os livros físicos, eu não sei se isso vai realmente acontecer, mas se fosse depender de mim, a resposta seria, jamais. Embora ler no formato digital seja prático, e até mesmo ajude muito na questão de espaço, eu bem sei pois estou na busca da terceira estante, comigo não funciona, eu ainda preciso pegar meu livro, sentir seu cheirinho e até mesmo o peso dele aonde eu vá. Não sinto conforto em ler e-books, pode ser porque fico o dia inteiro na frente do computador no trabalho, e também porque gasto algumas horas da semana no blog, na hora da leitura não quero nada digital, apenas sentir aquela textura maravilhosa em mãos e mergulhar nas páginas do meu amigo. Não sou contra, para quem gosta, é ótimo, então sou a favor de espaço para todos, mas se fosse questão de escolha, já sabem minha opinião.

Este livro foi uma escolha de leitura exatamente por causa desta questão, mas eis que aqui, nem o e-book existe mais. O hábito de leitura foi esquecido, e nosso protagonista David, nem faz ideia do que seja um livro. 

David tem 16 anos, perdeu a mãe bem cedo e hoje vive com o pai, eles não têm muito diálogo, vivem em uma rotina que lembra a presença da mãe, mas mesmo assim a interação pai e filho quase não existe. No entanto, ao assistirem o noticiário, viram uma matéria sobre a descoberta de uma antiga caixa com livros, assim o menino que nada sabia do assunto, questiona o pai sobre este acontecimento. Começa assim uma longa conversa sobre os livros e o hábito de ler, como um dia eles foram tão importantes, mas em 2083,  a era de hamburguer de carne vegetal e aulas em casa por teleaula, caiu do esquecimento.

David descobre que seu bisavô foi escritor e que seu pai, um dia, um leitor apaixonado. E como não importa, se estamos em 1700 ou 2083, a curiosidade de um jovem é a mesma, e nosso protagonista, embarca na busca pelos livros e suas histórias, descobrindo assim não só o passado, mas também uma perspectiva de futuro.

O livro é narrado em primeira pessoa por David, que de maneira bem interativa nos faz participar de sua busca, e também da evolução de seu relacionamento com o pai, que divide com o filho os sentimentos que tinha quando lia. David é um personagem muito simpático, inteligente e curioso, com uma sede enorme por conhecimento e seu pai, no começo caladão, mostra-se um grande companheiro e amigo nesta missão do filho.

Através dos olhos do garoto, é possível imaginar um mundo sem livros, eu achei um terror, embora a tecnologia seja bem avançada, não dá para imaginar viver sem uma boa história, acho que todos nós, que temos este adorável vício, iríamos ter uma depressão profunda. 

Eu fui lendo e desejando que David encontrasse um livro de verdade, não apenas trechos de famosas histórias na internet, queria ver qual seria a sensação dele ao ter um livro em mãos. Enquanto isso, ele frequentava a bibliotravel, uma biblioteca que levava o usuário em uma viagem dentro das histórias, mas de maneira a fazer parte das mesmas. Esta ideia do autor foi bacana, mas mesmo assim não me deixaria feliz.

Uma leitura fluída, que tanto faz imaginar o mundo sem leituras,  quanto nos faz pensar no que os livros nos proporcionam, a oportunidade de aprender, de conhecer novos mundos, a sagacidade e visão crítica. Conforme vemos David tornar-se um leitor, vemos nossa própria evolução neste universo. Outro ponto bem familiar, é a aproximação de pessoas que nunca se viram antes e por compartilhar a mesma paixão tornam -se próximas, algo que aprendi muito bem , depois de fazer o blog.

"Quando as pessoas liam os livros, elas se transformavam em outras pessoas, se sentiam de um modo diferente e eram tomadas por ideias e perguntas que nunca tinham pensado antes. Era como se pudessem estar em vários lugares e viver várias vidas ao mesmo tempo."

Eu espero mesmo que o que aconteceu em 2083 nunca seja nossa realidade, que sempre existam livros em todos os formatos, para agradar todos os tipos de leitores, e mais importante, que o hábito de leitura seja a cada dia mais difundido entre todos. Um livro que fala do prazer de ler.

"Deixei de jogar e pensei nos livros, no poder que tinham para buscar nossa cumplicidade e para despertar em nós sentimentos desconhecidos."


2leep.com

24 comentários:

  1. Oie,
    não conhecia o livro e não sei se leria, ele parece ser bem diferente do que a capa diz rsrsrs

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  2. Que legal a temática desse livro. Nunca li algo tãaao parecido, então acho que vai ser uma experiência legal lê-lo! Vou colocá-lo na minha lista :)

    Beijos,
    Caroline.
    http://criticandoporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Cida, saudade do seu cantinho..
    Amiga ando muito atolada de trabalho e como se não bastasse com uma baita crise de ressaca :(
    Nossa, eu concordo com vc, não troco jamais meus belos exemplares pelos digitais, embora alguns eu não me importe de ter, mais se for para escolher eu escolho os físicos.. ^^
    Eu gostei deste livro, parece ser super diferente e nem imagino um mundo sem leituras, puxa deve ser muito ruim..
    Gostei muito da sua resenha e adoraria ler este livro..

    Beijos Mila
    Tem caixinha de CorrEio no Daily
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Pobre David, vivi em um mundo chato (entenda, sem livros) e não sabia... O pai dele como suportava ficar sem ler, já que um dia foi um leitor apaixonado??

    Letras & Versos

    ResponderExcluir
  5. Já tinha lido resenhas sobre este livro antes, adoro as mídias digitais, são um meio ecologicamente correto. Mas, como imaginar um mundo sem o contato físico dos adoráveis livros? Gostaria de comentar sobre isto, mas sinceramente não consigo imaginar. Este vai pra minha lista.

    ResponderExcluir
  6. Eu estou louca de curiosidade para ler esse livro. Estou participando de um book tour dele, mas devo recebê-lo somente final do ano, então a curiosidade corre solta. Adorei a resenha. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  7. Hey Cida
    Não conhecia o livro e achei bem interessante pela sua resenha.
    Apesar de eu ler e-books, prefiro livro físico, adoro o cheiro e fora que é mais prático HAHAHA

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  8. Não, não e não.
    Não iria sobreviver a mundo desses.rrs
    Deus me livre!
    Eu gostei da sua resenha, o modo como guiou o livro para nós, mas fiquei com medo.

    O.o


    Beijos :)
    http://clicandolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Muito legal! Não conhecia o livro, uma pena que determinados títulos sejam tão pouco divulgados.
    Mas já fiquei super curiosa com a sinopse, daí li a resenha e pronto, tb quero ler *-*
    E eu acredito que não estamos longe da época em que os livros impressos se tornarão raridade. Sei lá, eu prefiro o livro em minhas mãos e por mais que muita gente diga o mesmo, acabam optando por e-book pelo preço e praticidade =/

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kel! É uma pena mesmo o livro ser tão pouco conhecido, é uma leitura diferente e muito gostosa. Bjos!

      Excluir
  10. Muito legal! Não conhecia o livro, uma pena que determinados títulos sejam tão pouco divulgados.
    Mas já fiquei super curiosa com a sinopse, daí li a resenha e pronto, tb quero ler *-*
    E eu acredito que não estamos longe da época em que os livros impressos se tornarão raridade. Sei lá, eu prefiro o livro em minhas mãos e por mais que muita gente diga o mesmo, acabam optando por e-book pelo preço e praticidade =/

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com.br

    ResponderExcluir
  11. Interessante a proposta do livro, Cida! Não conhecia a obra, assim como livros do gênero, mas fiquei curiosa, é realmente interessante analisar por este ângulo. Não tenho problemas com ebooks, leio-os, mas obviamente o livro físico é insubstituível.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  12. Caracas, achei muito interessante a temática do livro, me assustou no começo mas agora estou com muita vontade de lê-lo !
    valeu pela resenha,pois não tinha conhecimento do mesmo antes .. rs

    ResponderExcluir
  13. Olá Cida!
    Já li o livro e amei a oportunidade de conhecer esse futuro cruel! Que bom que ainda existem livros de papel e espero que sempre existam. Amei a resenha!
    Beijos... Samantha.
    Só pra Menores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Sá, este mudo de 2083 ia nos matar de tristeza.

      Excluir
  14. Oi Cida!
    Nossa, imagina viver em um mundo desse? Eu morreria! :O
    Mas a proposta do livro é SUPER interessante. Curti mesmo.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  15. Cida, eu não conhecia p livro, mas fiquei interessada, temática nova, diferente e com quem sabe ate um pouco de previsão, ja que o futuro a gente não sabe como será, principalmente com todas essas mudanças sociais e tecnologicas

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Hum.... Não conhecia esse livro, e que triste essa temática diante da inexistência dos livros..... Não sou muito fã de e-books e por mais que lute com falta de espaço, não me vejo priorizando os e-books....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas Ana, eu troco, sorteio para arrumar espaço, mas não abro mão.

      Excluir
  17. A premissa do livro me interesso. É algo diferente, nunca li nada parecido, o que me deixa ainda mais instigado a lê-lo. Gostei, não sei se leria em e-book, pq sinceramente não gosto, somente fisíco mesmo.
    Adorei a resenha Cida ^^

    David - Leitor Compulsivo

    ResponderExcluir
  18. Olá, eu não conhecia esse livro, a primeira vez que escuto falar dele é por aqui. Pelo tema distinto de qualquer outro que eu tenha lido é bem provável uma leitura futura dele, principalmente se tratando de algo que é mais que um hobby para nós, adoradores de histórias. Sinceramente, espero que essa realidade não chegue tão cedo para nossa geração e as futuras, embora ela não seja descartável quanto a ocorrer...

    ResponderExcluir
  19. Concordo! Ah, me chame de antiquada, mas desde que eu me entendo por gente que os livros me acompanham e por isso (além do prazer de tê-los em mãos... O toque, o cheirinho e tudo o mais), que para mim eles sempre serão insubstituíveis. É claro que eu leio e-books, mas só em casos de necessidade, quando não tenho outra opção, porque fico com uma baita dor de cabeça depois. =/
    Achei a proposta desse livro aterrorizante (imagine um mundo sem livros?! Céus, que pesadelo), mas muito instigante. Fiquei curiosa para saber como isso aconteceu e como David se sentiu ao se deparar com os livros.

    Gostei da dica, Cida!
    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. O livro chama a atenção realmente por todos discutirem isso, na verdade os livros de papel acabaria se ninguém mais os comprasse, já os eletrônicos ajuda bastante, muitas pessoas não querem abrir mão para esta realidade, quando na verdade já abriram mãos para tantas outras. O mesmo ocorreu com o Mp3, todos tiveram medo, mas até hoje compro os CD´s normalmente.
    O autor soube muito bem aproveitar o momento para escreve este livro que promete ser um sucesso em questão de debates também.
    Parabéns pela resenha.

    Don
    http://donskedar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Ai Meu Deus eu não conseguiria viver sem um livro impresso, eu até leio e-book's mas nada se compara ao prazer de ter o livro impresso nas mãos (Concordo totalmente com você nessa parte), fiquei curiosa quanto ao livro e quero ler sobre David descobrir essa magia linda que é ler :) Adorei a dica!

    Beijos,
    Jhey
    www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!