Extra! Extra! Geração Editorial

Olá galera!

Confiram as novidades da Geração Editorial.


Holocausto Brasileiro.

Neste livro-reportagem fundamental, a premiada jornalista Daniela Arbex resgata do esquecimento um dos capítulos mais macabros da nossa história: a barbárie e a desumanidade praticadas, durante a maior parte do século XX, no maior hospício do Brasil, conhecido por Colônia, situado na cidade mineira de Barbacena. Ao fazê-lo, a autora traz à luz um genocídio cometido, sistematicamente, pelo Estado brasileiro, com a conivência de médicos, funcionários e também da população, pois nenhuma violação dos direitos humanos mais básicos se sustenta por tanto tempo sem a omissão da sociedade.

Pelo menos 60 mil pessoas morreram entre os muros da Colônia. Em sua maioria, haviam sido internadas à força. Cerca de 70% não tinham diagnóstico de doença mental. Eram epiléticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, gente que se rebelava ou que se tornara incômoda para alguém com mais poder. Eram meninas grávidas violentadas por seus patrões, esposas confinadas para que o marido pudesse morar com a amante, filhas de fazendeiros que perderam a virgindade antes do casamento, homens e mulheres que haviam extraviado seus documentos. Alguns eram apenas tímidos. Pelo menos 33 eram crianças.

O primeiro evento de lançamento do livro será em Juiz de fora, no próximo dia 20/06, na livraria Saraiva.
                                           
Sobre a autora

Daniela Arbex é uma das jornalistas do Brasil mais premiadas de sua geração. Repórter especial do jornal Tribuna de Minas há 18 anos, tem no currículo mais de 20 prêmios nacionais e internacionais, entre eles três prêmios Esso, o mais recente recebido em 2012 com a série “Holocausto brasileiro”, dois prêmios Vladimir Herzog (menção honrosa), o Knight International Journalism Award, entregue nos Estados Unidos (2010), e o prêmio IPYS de Melhor Investigação Jornalística da América Latina e Caribe (Transparência Internacional e Instituto Prensa y Sociedad), recebido por ela em 2009, quando foi a vencedora, e 2012 (menção honrosa). Em 2002, ela foi premiada na Europa com o Natali Prize (menção honrosa).


ENTREVISTA COM RACHEL GIBSON SOBRE SEU NOVO LIVRO, SIMPLESMENTE IRRESISTÍVEL



Quando e por que começou a escrever livros?
Comecei a escrever livros em 1989 quando a minha televisão quebrou. Não tinha muito que fazer, então decidi reescrever E o vento levou para matar o tempo. Depois que reescrevi o livro com um final feliz, deixei-o de lado e comecei a escrever um romance contemporâneo.
   
Você faz muitas pesquisas antes de escrever os seus livros?
Isso depende muito do livro. A série militar que atualmente estou escrevendo (o primeiro livro foi Rescue Me) exige muita pesquisa. Os livros de hockey – como See Jane Score e Any Man Of Mine, também demandou pesquisa, mas não tanta assim. Escrevi uma série baseada em escritores e não tive que fazer pesquisas.

 Qual é a coisa mais interessante que encontrou durante a pesquisa dos seus livros? 
A mais interessante, e com certeza a mais memorável, foi quando eu falei com jogadores de hockey gostosões e suados no vestiário deles. Aquele dia eu levantei com o pé direito! 


Você se considera uma escritora de chick-lit? O que acha do gênero?
Não sou autora de chick-lit. Escrevo romances, mas adoro ler um bom chick-lit. 

Qual é a melhor parte no seu trabalho como escritora?
Economia de tempo e de transporte. Saio da cama quando quero. Pego o bule de café e vou até o andar de cima onde está o meu escritório

Como você faz para que os seus livros sejam tão divertidos? Como mantem o frescor das cenas e diálogos engraçados, como é possível ver em Simplesmente Irresistível?
Nunca foi minha intenção sentar e escrever humor. As pessoas são engraçadas. A vida pode ser engraçada. Eu escrevo sobre pessoas e sobre a vida.




Por que machões e mocinhas em perigo são frequentes em seus enredos?
Por que machões? Por que não! Toda mulher tem um segredo, que não é tão secreto assim:  fantasia ser resgatada por um homem másculo que não tem escolha a não ser ficar loucamente apaixonado por ela. Não importa o quanto ele tente, ele não pode lutar contra isso...

Qual foi sua inspiração para criar Simplesmente Irresistível?
O jogador de hockey Mark Messier. Ele parece um homem primitivo com o capacete enfiado na cabeça. Mas, por alguma razão, o acho sexy. 

Eu li em algum lugar que Simplesmente Irresistível é o livro que você mais se orgulha. Por quê? 
Simplesmente Irresistível foi o primeiro livro que vendi em 98, e que ainda vende bem 18 anos depois.

Os personagens principais são inspirados em pessoas reais?
Não, mais usei minha mãe como um personagem secundário quando escrevi Daisy's Back In Town.

Quais são suas expectativas em relação aos leitores brasileiros? Por que você acha que seus romances são tão amados por aqui?
Não tenho expectativas em relação aos meus leitores. Só espero que gostem do meu trabalho e  que possam “fugir” comigo por algumas horas. Acho que mulheres em todas as partes do mundo gostam de ler um bom romance.

Está trabalhando em algum livro no momento?
Estou escrevendo um romance ambientado em Nova Orleans, Louisiana. É bem sexy e picante, com direito a homens machões.

 Loucamente Sua e Simplesmente Irresistível  já estão à venda no formato e-book. 
2leep.com

10 comentários:

  1. Oi Cida,
    Eu estou doida para ler O Holocausto Brasileiro. O assunto me interessou muitíssimo. Vou ler com certeza.
    bjs

    http://entrepaginasesonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Da Rachel Gibson só li Loucamente Sua e adorei, fiquei curiosa sobre Simplesmente Irresistível. Mas, como minha wishlist já está enorme, vai demorar um pouco p eu comprar rs

    www.resenhasealgomais.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante desses 2 ultimos livros

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Hey
    Adorei as novidades da editora.

    HAHA a Rachel tem razão. Que mulher não tem essa fantasia de ser salva por um másculo?

    Gosto das capas dos livros dela.
    E preciso ler mais, assim quem sabe entendo mais de hockey

    beijinhos :*
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estou lendo o livro dela, e achei bem gostoso o galã todo másculo, esta receita sempre dá certo.

      Excluir
  5. Eu não sabia desse livro embora soubesse desse hospício em Barbacena como também sei de um hospício no estado de São Paulo onde morreu muitas pessoas também e onde os pacientes eram tratados como animais. Se puder ter oportunidade de ler o livro então lerei.

    ResponderExcluir
  6. Bom, sou formada em História, então nem preciso dizer que quero muito ler o Holocausto Brasileiro! :)
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Cida,

    Não conhecia a autora e esse livro Holocausto me interessou bastante....gostei da entrevista e os outros livros dela parecem ser legais....abraços.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá Cida!
    Adorei saber sobre o livro O Holocausto Brasileiro, pois é um tema que me atrai muito.
    Passei várias férias em Barbacena, tenho parentes lá e sempre ouvi histórias deste hospício, mas quero saber mais a fundo.
    Este foi para minha lista de desejos.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu fiquei estarrecida quando li no blog L&C sobre o lançamento do livro Holocausto Brasileiro o.O não tinha conhecimento desse episódio que ocorreu no Brasil, principalmente as alegações para "internar" as pessoas :( Muito triste.
    Entrevista com Rachel Gibson \o/ Graças a Deus os últimos lançamentos dela pela Jardim melhoraram e muito na revisão, quando li Sempre ao seu Lado eu fiquei chateada com tanto descaso com a obra :P

    Beijos,
    Jhey
    www.passaporteliterario.com

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!