[Resenha] Na Estrada Jellicoe

Na Estrada Jellicoe
Título Original: On the Jellicoe Road
Autor(a): Melina Marchetta  
Editora: Seguinte                 Páginas: 296
Lançamento: 2016               ISBN:9788555340017
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||  
A pequena cidade de Jellicoe, na Austrália, vive uma guerra territorial travada entre três grupos: os estudantes do internato, os adolescentes da cidade e os alunos de uma escola militar que acampa na região uma vez por ano. Taylor é líder de um dos dormitórios do internato e foi escolhida para representar seus colegas nessa disputa. Mas a garota não precisa apenas liderar negociações: ela vai ter que enfrentar seu passado misterioso e criar coragem para finalmente tentar compreender por que foi abandonada pela mãe na estrada Jellicoe quando era criança. Hannah, a única adulta em quem Taylor confia e que poderia ajudar, desaparece repentinamente e a pista sobre seu paradeiro é um manuscrito que narra a história de cinco crianças que viveram em Jellicoe dezoito anos atrás.
Na Estrada Jellicoe, de Melina Marchetta, é um livro do gênero young adult que ganha a gente aos poucos, bem de fininho.

No começo me senti em um cenário meio que distópico, não muito bem explicado e estava perdida na trama. Conforme fui lendo percebi que a realidade apresentada – apesar de peculiar – era bem normal e poderia ser vista logo ali, sendo que ainda assim tempo e local ficaram meio subentendidos.

A personagem central – Taylor Markham – é uma garota que não se conforma com não saber quem é o pai e onde está a mãe. Ela foi deixada ainda pequena em uma loja de conveniência e desde então vive em um internato e é “criada” por uma mulher conhecida como Hannah. As pessoas ao seu redor parecem saber algo, mas negam-se a falar. O mistério sobre o passado e sobre a origem de Taylor é intrigante.

Neste internato que vive/estuda existem lideranças e os líderes de cada casa que são eleitos têm papel importante na sociedade. São uma frente de ataque na antiga disputa pelo território local. A briga acontece entre: cadetes (militares), citadinos (moradores locais) e o pessoal da escola. 

Taylor é uma líder recém eleita e precisa provar ser boa negociadora ganhando terreno e mantendo desta maneira a posição atual. O surgimentos destas disputas está intimamente ligado a história de Taylor. Isso vai nos sendo mostrado por trechos de um manuscrito escrito por Hannah. 

Como citado anteriormente, eu estava sem entender muito bem a trama e até posso afirmar que sem sentir nenhuma ligação com a personagem central e com os demais. Mas Taylor foi me ganhando e cheguei ao ponto de sentir imensa pena dela. Dói vê-la sofrendo pelo abandono da mãe e querendo ter raízes. Como mãe não me vejo abandonando uma filha, na minha opinião foi um gesto de alguém bem sem coração.

E ainda fiquei com mais pena ainda quando Hannah também a deixou sem um mísero adeus. Foram então as disputas territoriais que permitiram a Taylor a oportunidade de algo mais e com isso a história ganhou novos caminhos e tornou-se bela os meus olhos. Surgem bonitas relações de amizade e amor. A boa vontade dos personagens e a generosidade de cada um são bem positivos e com isso, finalmente, Na Estrada Jellicoe ganhou meu amor.

Não é um livro que prende fácil logo de primeira, é preciso ler uma boa parte dele para entender o que a autora pretende de verdade contar. Insistam! É válido e gratificante. Há muito nas entrelinhas, desde problemas com vícios até psicológicos. Há segredos, mentiras, amores, sonhos partidos, muita desilusão e também oportunidades de recomeçar. Todos queremos nossos lugar no mundo, um lar. A narrativa é diferente, misturando passado, presente, trechos de um livro e sonhos. Eu leria tudo outra vez.


Uma casa para onde voltar todos os dias de suas vidas. Onde todos se sentiriam bem, e bem se sentiriam. Um lugar na estrada Jellicoe.

Oi! Eu sou a Jô. E de vez em quando vocês vão me ver por aqui.




2leep.com

7 comentários:

  1. sinceramente não é pra mim nem pro meu momento atual, eu gosto de livros que de cara te prendam, te instiguem, te suguem e como você disse esse precisa de um pouco mais de cuidado em torno disso
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Cida!
    Quando a trama começa bem confusa, dificilmente eu continuo a leitura...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Promoção Quatro Anos de Minhas Escrituras

    ResponderExcluir
  3. Agora sim!!
    Amei de verdade a resenha e vou ler o livro.
    Já estava ansiosa, agora estou morrendo de vontade!

    Bjkss

    ResponderExcluir
  4. Olá, Jô.
    Eu quis ler esse livro desde que lançou. O enredo é muito interessante. Gosto muito de histórias que ficam no presente e no passado. E acho que tem algumas mulheres que não deveriam ser mães. E tem tantas mulheres querendo ser mãe e não conseguem.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi, Cida
    Às vezes é necessário insistir no livro, né, mesmo que o começo não seja interessante. Tem acontecido bastante isso comigo ultimamente.
    Queria muito poder ler esse livro diante dos elogios que ouço. Que bom que acabou sendo um ótimo livro. Ótima dica!

    Livros, vamos devorá-los?

    ResponderExcluir
  6. Uiii, já gostei da trama. Nunca li nada parecido, só assisti filmes. Já quero!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    Romantic Girl

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Eu pensava outra coisa sobre esse livro, mas infelizmente, mesmo assim não me atraiu muito. Mas, adorei a capa.
    P.S.: Obrigada pelos parabéns ao Obsession, Cida =D

    tenha uma ótima quarta!
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!