[Resenha] Os Pequenos Homens Livres e Um Chapéu Cheio de Céu

Oi galera!

Hoje a resenha é duplamente especial. Vamos viajar para a terra do Giz. Confiram Os Pequenos Homens Livres e Um Chapéu Cheio de Céu, de Terry Pratchett, publicados pela  Bertrand Brasil.

Como assim eu não conhecia suas histórias Sir Terence David John Pratchett? Agora que já somos bons amigos vou chamá-lo de Terry Pratchett, como é tão conhecido pela famosa e extensa série Discworld. Só digo que quero todas as suas obras para ontem.

Esta série é ambientada em um universo de fantasia cheio de bruxas, deuses, enxames, fadas e uma série de outras criaturas. Os Pequenos Homens Livres e Um Chapéu Cheio de Céu são parte de um arco desta série protagonizado por uma bruxinha muito esperta e que ganhou meu coração com todo seu pragmatismo, coragem, sensatez, humildade e carisma. Ela é Tiffany Dolorida.

São cinco os livros desta protagonista: Os Pequenos Homens Livres, Um Chapéu Cheio de Céu, Wintersmith, I Shall Wear Midnight e The Shepherd's Crown.

Eu li os dois primeiros volumes na sequencia e me vi surpreendida por histórias criativas, divertidas e muito ousadas. O tom da narrativa é irônico e de um humor ácido, que te faz gargalhar com as comparações e críticas ali inseridas de maneira inteligente e sutil. É fantasia, mas tão próxima da realidade que você vê muito do que nos cerca, especialmente no tocante ao caráter e comportamento do ser humano.

Os Pequenos Homens Livres
Título Original: The Wee Free Men (Discworld #30; Tiffany Aching #1) 
Autor(a): Terry Pratchett
Editora: Bertrand                      Páginas: 304
Lançamento: 2016                    ISBN: 9788528620559
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||

Os Pequenos Homens Livres, Um perigo oculto, saído de pesadelos, vem trazendo uma ameaça diretamente do outro lado da realidade. Armada com tão somente uma frigideira e seu bom senso, a pequena futura bruxa Tiffany Dolorida deve defender seu lar contra fadas brutais, cavaleiros sem cabeça, cães sobrenaturais e a própria Rainha das Fadas, monarca absoluta de um mundo em que realidade e pesadelo se entrelaçam. Felizmente, ela contará com uma ajuda inesperada: os Nac Mac Feegle da região, também conhecidos como os Pequenos Homens Livres, um clã de homenzinhos azuis ferozes, ladrões de ovelhas, portadores de espadas e donos de uma altura de mais ou menos quinze centímetros. Conseguirão eles salvar as terras quentes e verdejantes de Tiffany?

Na terra do Giz as pessoas vivem da criação de ovelhas. Lá mora a protagonista Tiffany Dolorida, uma exímia queijeira. Com apenas 9 anos neste primeiro livro, ela deseja ser bruxa quando crescer para provar que os contos de fadas estão errados e bruxas não são criaturas más.

Tiffany considera tais contos uma bobagem mentirosa, que não foram feitos para você pensar e sim te fazer acreditar no que os outros acham que deve ser a verdade. Esta garota é questionadora, decidida  e adora palavras (ela leu o dicionário de ponta a ponta). Sua inspiração é a falecida Vovô Dolorida. Nos longos silêncios que compartilhou com a anciã, e menina viveu os melhores e mais sábios momentos de sua existência. Tiff é daquelas que trabalha duro e não foge de um desafio. Se você falar para Tiffany que o mundo está acabando, ela não vai esperar ajuda, será a própria  que vai tentar salvá-lo.

Num mundo onde os professores são itinerantes e vendem conhecimento por alguns ovos e legumes, Tiffany Dolorida se viu tendo que lidar com criaturas comandadas por uma Rainha fada maldosa que sequestrou seu irmão caçula e a desafiou a ir atrás do que lhe pertencia. Para isso contou com a ajuda de pequenos homenzinhos que adoravam briga e confusão, mas dedicavam uma lealdade ferrenha aqueles que admiravam e acreditavam. Os Nac Mac Feegle ou Pequenos Homens Livres viram em Tiffany potencial e alguém digno de amar e proteger. Para eles a jovem bruaquinha (bruxa na língua deles) estava destinada a salvar o Giz.

A aproximação com os Nac Mac Feegle é totalmente hilária e ela precisa de muita astúcia para conseguir lidar com eles, mas quando isso acontece, passam a ser como o braço direito da jovem bruxa. Lutam lado a lado contra uma fada maldosa e nos mostram como a magia pode ter mil e uma formas, dependendo de como e de quem a usa. O primeiro volume nos insere na vida de Tiffany e permite conhecer seus sonhos e personalidade marcante. Ação da primeira a última pagina e diversão garantida.

Estou vendo que nossa amizade será uma casa pegando fogo. Talvez não haja sobreviventes.


Os Pequenos Homens Livres
Título Original: A Hat Full of Sky (Discworld #32; Tiffany Aching #2) 
Autor(a): Terry Pratchett  
Editora: Bertrand                      Páginas: 336
Lançamento: 2016                    ISBN:  9788528618808
||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||

Um Chapéu Cheio de Céu, Tiffany Dolorida, alguns anos após suas aventuras no tenebroso Reino das Fadas, deverá colocar seus talentos em bruxaria novamente à prova ao embarcar em mais uma aventura: deixar sua casa e suas terras para trás e se tornar aprendiz de uma bruxa de verdade. Mas o que ela não sabe é que uma criatura incorpórea e sagaz está lhe perseguindo, um ser ancião e incompreensível do qual nem mesmo a Madame Cera do Tempo (a maior bruxa do mundo) poderá protegê-la. Dessa vez, serão úteis as habilidades de roubos, briga e bebedeira dos Nac Mac Feegle, os Pequenos Homens Livres, ou deverá Tiffany depender única e tão somente de si?

O segundo volume traz Tiffany com onze anos e saindo de casa em busca de orientação para ser uma boa bruxa. Sob a proteção das bruxas Miss Tick, Madame Cera do Tempo e da Senhorita Plana, vai aprender a ampliar seu poder e a essência de ser bruxa, o que não significa sair por aí fazendo feitiços e voando em uma vassoura.

Elas não ensinam a fazer as coisas. Ensinam a saber o que se está fazendo.

Sim! Elas têm grandes chapéus e voam em vassouras, mas ser bruxa é essencialmente ajudar as pessoas, ser a voz daqueles que não podem falar, dar conforto para quem não tem quem lhe conforte. Em suma, Terry Pratchett nos faz acreditar que nem todas as bruxas são más e nem todas as fadas são boas, há uma total inversão de papéis. Eu sinceramente sempre achei as fadas perigosas e dissimuladas e me senti mais próxima das bruxas. Eu adoraria viver em um mundo de fantasia e ter um grande chapéu pontudo, se possível cheio de céu como o de Tiffany.

E esta nova aventura é ainda mais perigosa que a anterior e nossa garota se sente solitária e sem rumo. Passa por momentos bem terríveis com outras jovens bruxas que a acham inadequada e acaba sendo tomada por uma força sinistra. Surgem então nosso velhos amigos Nac Mac Feegle para ajudar e mostrar que por Tiffany dariam a vida. É lindo! Linda demais a graciosidade e sinceridade que permeiam as relações entre os personagens. É positivo e inspirador. Estimula coisas boas: pensamentos bons, respeito, generosidade, boa educação, boas ações, humildade, gentileza a lealdade.

Personagens cheios de carisma e força. Aventuras empolgantes. Diálogos inteligentes e desafiadores. Um universo de fantasia ricamente trabalhado e peculiar. Envolvente e viciante.

Impossível ficar indiferente a Tiffany e a sua poderosa Primeira Visão, que lhe permite analisar a situação com muita racionalidade. E seus Pensamentos Melhores ou Melhores Ainda ou mesmo Super Melhores Ainda, que ajudam a encontrar fabulosas soluções de problemas.

Simplesmente uma série de livros para todas a família. Para rir e ficar com o coração quentinho e cheio de amor. Eu adoro histórias que nos fazem sorrir de maneira inconsciente, que não permitem que uma risada fique presa. Gosto de suspense, terror, drama, romance mas os livros de fantasia ainda são aqueles que mais amo pela sua impossibilidade tão verdadeira e real e por sua forma de trazer felicidade em viagens mágicas. Leia! Não deixa passar!

Nota: Terry Pratchett morreu no ano de 2015 e deixou para nós um legado que é um verdadeiro tesouro.





2leep.com

13 comentários:

  1. bom dia!
    Tudo bem? (=
    Interessante a resenha dupla, a gente consegue conhecer mais sobre a série.
    Gosto bastante de fantasia e me interessei pelo enredo. A editora caprichou nas capas. Espero que os próximos volumes sejam publicados. É ruim começar uma série e não conseguir terminar porque ela ~para~ de ser publicada por aqui. :\

    PROMOÇÃO DOIS ANOS DO BLOG BIO-LIVROS

    ResponderExcluir
  2. Oi Cida!
    Ainda não li nenhum livro do Terry Pratchet, mas tenho muita vontade de ler!
    Esses dois parecem ser ótimos.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  3. Oie Cida =)

    Esses livros parecem ser uma graça, tanto que fiquei super com vontade de solicitar eles também. Mas na vida as vezes temos que nos ater as nossas prioridades rs...

    Adoro livros levinhos assim, que aquecem meu coração e me deixam com a alma mais leve. Só de ler a sua resenha já estou com um sorriso bobo aqui. Espero ter a oportunidade de ler esses livros em breve *-*

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  4. "Os pequenos homens livres" foi o primeiro livro do Pratchett que li depois de saber que ele estava doente... era terrível pq em cada passagem genial eu derramava uma lágrima hahahaha... Mas com o passar do tempo fui entendendo que ele não morreria porque deixaria um legado e me pareceu, depois de ler "Um chapéu cheio de céu" que ele também sentia isso... Esse livros são realmente maravilhosos, li com o coração pulando de alegria e os olhos marejando aqui, ali e aculá... Sua resenha dupla ficou perfeita Cida, me deu vontade de sentar reler... E sim, leia TUDO do Pratchett, vale muito a pena, estou lendo "A magia de Holy Wood" atualmente e adorando!

    Pandora
    www.oquetemnanossaestante.com.br

    ResponderExcluir
  5. que pena o autor ja ser falecido, uma perda para a literatura de fantasia, pois pela sua resenha percebe-se que em ambas as histórias esse elemento é trabalhado brilhantemente

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida sua linda, tudo bem?
    Eu fiquei muito triste quando você disse que infelizmente o autor faleceu. Nossa, a impressão que você me deu, é que tem muito amor nessas páginas, e de uma forma mágica!!!! Eu fiquei emocionada enquanto lia o seu texto. Fantasia é uma dos meus gêneros preferidos, mas acho que o autor fez diferença e acaba de ganhar meu coração. Adorei sua resenha!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Cida

    Não sabia que o autor havia falecido. :(
    Eu adoro o nome da personagem: Tiffany Dolorida! Hahaha
    Me parece mesmo uma história para toda a família, consigo ver até um filminho fofo sendo feito a partir dessa história.
    Eu não leria os livros porque os acho bem juvenis e não me identifico mais com personagens tão novos. Mas sempre é bom conhecer novos livros, mesmo que não cheguemos a ler!


    Beijo
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  8. Nossa, fiquei triste com a informação final. Conheci esses livros no Mochilão da Record e estou ansiosa pela leitura, parece bem leve e divertida.
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
  9. Oi, Cida
    Eu não conhecia a série, mas ela parece ser muito amorzinho. Perfeita pra quando você quer ler algo leve e para se distrair.
    Pena que o autor já tenha morrido. Pelo menos ele deixou toda uma série pros fãs.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de aniversário do blog Crônica sem Eira

    ResponderExcluir
  10. Olá, fiquei animada para iniciar a leitura dessa série. Gosto muito de livros assim e ainda não conhecia a obra desse autor.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia... E estou chocada!
    Que delícia de livros!!! E que bom que chegaram por aqui ♥

    Mesmo sem a presença do autor. Sei que suas obras nascerão agora para nós :)

    Adorei as duas resenhas!!!

    Bjksssssss

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia a série, gostei muito da sua resenha dupla e já estou morrendo de curiosidade pelas leituras. Os livros trazem tudo que gosto em uma boa história, muita fantasia, diversão e um sentimento de felicidade ao ler. Uma pena o autor ter falecido, mas ao menos fez sua parte na terra deixando uma obra maravilhosa para todos!

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  13. Não conheço as história de Terry Prachett e fiquei encantada com seu relato. Adoro histórias de fantasia e as capas são lindas.
    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!