[Resenha] O Nome em Seu Pulso

O Nome em Seu Pulso
Título Original:The Name on Your Wrist
Autor(a): Helen Hiorns 
Editora: Farol Literário         Páginas: 256
Lançamento: 2015               ISBN:9788582770894
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||

No mundo em que Corin vive, logo nos primeiros anos de vida o nome da sua alma gêmea é marcado para sempre no seu punho. A busca pela pessoa predestinada pode durar anos, até mesmo décadas. Mas e se você nunca encontrar essa pessoa? Ou se encontrar e simplesmente não amá-la? E se, como Corin, a última coisa que você quiser é ser encontrado? Com essa obra, a autora ganhou o prêmio Sony Young Movellist.
A jovem Corin Blacksmith vive em um mundo onde desde cedo você sabe o nome de sua alma gêmea, pois no pulso das pessoas surge sem muitas explicações, o nome da pessoa que vai ser seu par. Contudo, ela não aceita esta regra, bem como tanta outras que são impostas pelo governo, e luta constantemente contra isso usando agressividade, falta de simpatia e pouco caso como armas.

Corin deixa claro, logo nas primeiras páginas, que despreza a humanidade e sua falta de vontade para questionar os mandos e desmandos das autoridades. Ela faz de tudo para deixar as pessoas descontentes e decepcionadas, tem prazer em não atingir expectativas. É de se pensar que agindo de maneira tão rude, afaste as pessoas, mas a verdade é que acaba atraindo atenção mais do que gostaria. Não demora para que um garoto de sua turma se aproxime na tentativa de desvendá-la e amolecer seu coração.

Colton é adorável e cativante, cada gesto seu é o oposto dos de Corin, mas a interação destes dois dá certo, é fácil se ver torcendo por algo além da amizade, mas levando em consideração o tal nome escrito no pulso, não temos certeza se o relacionamento seria aprovado, já que ambos podem não ser almas gêmeas. E agora? Isso vai dar certo?

A narrativa em primeira pessoa na voz de Corin é intimista, explorando profundamente as necessidades de fugir das amarras, contudo não revela prontamente o que a motiva. Sabemos que está descontente, que não concorda com a situação atual do mundo e a forma como todos obedecem, mas o que foi o gatilho para sua revolta é um dos grandes mistérios que precisam ser revelados. Eu digo um dos, pois mistérios não faltam nesta trama, tais como a origem dos nomes nos pulsos, a forma esquisita de agir da irmã e da mãe de Corin e quem é o contato da protagonista que fornece informações proibidas.

É uma distopia, o mundo passou por um grande desastre e hoje tenta se recuperar seguindo regras de um governo totalitário. Há controle acirrado do número de filhos, da escolha de profissão, um alerta sobre o desgaste das riquezas naturais e até mesmo a proibição de livros, contudo, caos e destruição não são explorados profundamente, o foco maior são os conflitos de Corin e sua maneira rebelde de agir. Eu fiquei um pouco confusa no começo, pois ela vai falando de sua vida como se nós tivéssemos total conhecimento da realidade que vive, só depois de avançar alguns capítulos é possível se situar e mergulhar na trama e assim a leitura torna-se muito intrigante. 

Corin é impertinente, rabugenta, irônica e muito inteligente e, eu gostei demais dela, pois adoro pessoas que não se contentam facilmente, admiro aqueles que querem entender a razão de algo e questionam quando entendem que pode não ser ideal para todos. Ela luta por ampliar horizontes e não ser apenas uma marionete. A personalidade forte de Corin é um ponto positivo.

Durante toda a leitura eu não sabia exatamente onde iria chegar, é uma trama imprevisível e nada clichê, eu ansiava por explicações. Desconfiei que fecharia o livro sem respostas, mas eis que acabei descobrindo que este segredo todo era uma jogada de Helen Hiorns para dar a reviravolta final e permitir que o leitor desvendasse o enigma Corin.

Então, posso dizer que deste momento em diante, a história fez muito sentido e me vi relembrando cada pedacinho, enxergando tudo por outra perspectiva e finalmente entendo Corin, sua irmã Jacinta e o próprio motivo de levar o governo a ser tão dominador.

Este livro traz um conteúdo para reflexão, pois questiona não só a forma como lidamos com nosso mundo, como também como vivemos em sociedade e o peso de nossas atitudes no âmbito geral. Impressiona também pela ousadia de ter uma protagonista que não foi criada para arrebatar corações, mas que ainda assim ganha nossa admiração pela sua determinação e coragem se ser a pessoa do contra.

O final é um baque, um soco no estômago, deixando espaço para uma seqüencia, mas procurei e pelo que vi é um livro único. Recomendo. 

Eu não queria que o nome no meu pulso definisse quem eu era. 

2leep.com

20 comentários:

  1. Oi Cida!
    Amei a resenha, fiquei super curiosa com esse livro.
    Gosto muito de finais surpreendentes e que ligam todas as pontas soltas.
    Já adicionei no Skoob pra não esquecer. ;)
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Cida!
    Eu acabei de terminar esse livro, mas não curti muito... A Corin muitas vezes me irritou e o final me decepcionou :(

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  3. Oi, Cida!
    Eu já estava interessada em ler esse livro. Agora que você disse que ele é único, ele subiu na lista de prioridades.
    Vou me dar bem com a Corin, pois também sou bem rabugenta hahhahaha
    Beijos
    Balaio de Babados | Participe da promoção Natal do Babado

    ResponderExcluir
  4. vi muita divulgação e ações promocionais deste livro, acerca da história eu não conhecia muito a fundo, não sabia que se tratava de uma distopia, procurarei me informar mais!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Cida!
    As distopias tem esse poder de analisarmos nossa realidade e se tornam tão parecidas.
    Corin me parece uma protagonista bem forte mesmo e estimula ainda mais a leitura, porque dá vontade de acompanhar tudo que se passa.
    “Sentir é criar. Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender, visto que o Universo não tem ideias.” (Fernando Pessoa)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista de Dezembro, serão 6 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  6. Já ouvi falarem desse livro, mas fiquei um pouco receosa porque me pareceu viagem demais pra uma distopia. Mas você esclareceu pontos que de fato tornam a história interessante, como o fato de aceitarmos a realidade e dificilmente questionarmos, etc. Se tiver oportunidade lerei o livro! :)

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Naomi & Ely e a lista de não-beijos", vem conferir!

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida, tudo bem?
    Nossa que resenha... Fui lendo e me sentindo lá na história, e ao final da sua resenha já estava completamente conquistada pelo enredo do livro. Eu vi ele sendo comentado em alguns blogs, mas não tinha me interessado. Mais um pra lista. Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  8. Ai Cida, eu estou bem cansada das distopias e séries logas #confesso acho que leria apenas porque pela resenha pareceu ser instigante e a protagonista parece ter personalidade e tb pq confio no seu gosto rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Amei a resenha e fiquei com muita vontade de ler!Amo distopias e essa parece Uma distopia bem diferente,gostei muito da personagem principal parece ser forte e decidida.bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi Cida
    Ainda não tinha ouvido falar sobre esse livro e quando comecei a ler sobre ele, não me pareceu tão interessante, mas quando fui chegando ao final da sua resenha e você escreveu "o final é um baque, um soco no estômago", pensei, preciso ler esse livro e descobrir o que aconteceu nessa história.
    Dica anotada ;)
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  11. Creio que tenha lido até umas três resenhas sobre o livro. Sempre que leio fico com mais curiosidade ainda sobre o livro e essa curiosidade aumentou agora. Gosto de finais surpreendentes e histórias que a cada página tenha muito suspense.

    ResponderExcluir
  12. Já conhecia a premissa do livro e achei bem interessante isso do nome no pulso. Mas pensei que o livro pudesse ser um pouco chato, focando muito na Corin e deixando o desenrolar da narrativa muito a desejar.
    Mas depois que você disse que no final do livro tudo se. encaixa e passa a fazer sentido e você se ve revendo passagens do livro para encaixar tudo, fiquei mega curiosa para saber do que se trata. Agora quero muito (muito!) ler esse livro

    ResponderExcluir
  13. Amei a resenha.
    Não gosto desse tipo de regra, onde a pessoa tem que ficar com quem não conhece, mas que a sociedade escolhe. O amor tem que vim do coração e não da vontade dos outros.
    Quero muito conhecer a história.

    ResponderExcluir
  14. Interessante este conceito explorado pela autora neste livro o fato de todos terem o nome de seu companheiro em seu pulso e tudo e muito legal e facinante.

    ResponderExcluir
  15. A vontade de ler esse livro depois da resenha veio com força total , já prevejo que terei todos os possiveis sentimentos , amor , odio , raiva , choro , angustia ... ansiosa por te-lo ...

    ResponderExcluir
  16. Amo demais distopias, apesar de que 'Estilhaça-me' me decepcionou bastante, fiquei meia relutante em começar a ler outra, mas agora fiquei com vontade de ler 'O nome em seu pulso'. Adorei Corin, uma personagem forte e que questiona a ordem social e o poder político. Gostei muito da resenha, vou procurar lá no skoob mais pra ver se realmente vale a pena começar a ler este livro. Adorei a dica :)

    ResponderExcluir
  17. Já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, curto muito uma distopia e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais curiosa em conferi essa história que parece ser ótima.

    ResponderExcluir
  18. O NOME ME CHAMOU A ATENÇÃO,POR ESTA RAZÃO MINHA CURIOSIDADE SOBRE O CONTEUDO DESTE LIVRO,A HISTORIA EM SÍ MESMO.UMA QUESTÃO A SER LEVADA EM CONTA,APESAR DE MUITOS PAIZES JÁ SELECIONAREM E CONTROLAREM A NATALIDADE.ESCOLHEREM O QUE É MELHOR PARA A CRIANÇA É ALGO A SE PENSAR.CONTROLE TOTALITARIO DE UMA VIDA AO MEU VER É ALGO A SE PENSAR.MAS CREIO SE CONTINUARMOS A PASSOS LARGOS ESTA DISTOPIA PODE SE REAL.

    ResponderExcluir
  19. Resenha maravilhosa.
    Quero muito ler esse livro, mas estou com medo de me decepcionar com o final. mais com certeza esse mês esse livro estará na minha estante.

    ResponderExcluir
  20. Esse livro deve ser maravilhoso, imagina saber quem é a sua alma gêmea, sinto que o livro deve se parecer com divergente, sinto muito de Triz na Corin, espero muito que possa ler!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!