[Resenha] Invisível

Invisível
Título Original: Invisibility
Autor(a): David Levithan, Andrea Cremer
Editora: Galera Record   Páginas: 322
Lançamento: 2014               ISBN: 9788501403223
Capa Invisível V2 DS.ai ||Compare & Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Ele vaga por Nova York, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Mas um milagre acontece, e ele se chama Elizabeth. Recém-chegada à cidade, a garota procura exatamente o que Stephen mais odeia. A possibilidade de passar despercebida, depois de sofrer com a rejeição dos amigos à opção sexual do irmão. Perdida em pensamentos, Elizabeth não entende por que seu vizinho de apartamento não mexe um dedo quando ela derruba uma sacola de compras no chão. E Stephen não acredita no que está acontecendo... Ela o vê! Stephen tem sido invisível por praticamente toda sua vida - por causa de uma maldição que seu avô, um poderoso conjurador de maldições, lançou sobre a mãe de Stephen antes de ele nascer. Então, quando Elizabeth se muda para o prédio de Stephen em Nova York vinda do Minnesota, ninguém está mais surpreso do que ele próprio com o fato de que ela pode vê-lo. Um amor começa a surgir e quando Stephen confia em Elizebth o seu segredo, os dois decidem mergulhar de cabeça do mundo secreto dos conjuradores de maldições e dos caçadores de feitiços para descobrir uma maneira de quebrar a maldição. Mas as coisas não saem como planejado, especialmente quando o avô de Stephen chega à cidade, descontando sua raiva em todo mundo que cruza seu caminho. No final, Elizabeth e Stephen devem decidir o quão grande é o sacríficio que estão dispostos a fazer para que Stephen se torne visível - porque a resposta pode significar a diferença entre a vida e a morte. Pelo menos para Elizabeth...
Eu conheci o trabalho David Levithan ao ler Will & Will, mas foi a leitura de Todo Dia que me deixou impressionada, com um texto complexo, inteligente e sensível, ele criou um romance incomum,  surreal, mas tão cheio de verdades e desafios que me fez questionar minha própria maneira de ver o mundo.

Andrea Cremer é autora da série Nightshade, que é muito elogiada, mas ainda não tive oportunidade de ler, então Invisível foi meu primeiro contato com seu trabalho, foi uma surpresa e tanto, Cremer possui uma criatividade ímpar.

“Eu não existo. E, mesmo assim, existo.”

Stephen nasceu amaldiçoado, é invisível. O pai não aguentou a pressão,  e embora lhe sustasse, deixou o filho para trás; a mãe o criou, mas morreu cedo, assim nosso protagonista vive sozinho em um apartamento em Nova Iorque, numa realidade onde é observador constante da vida. Ele não estava feliz, mas conformado, no entanto, no dia que a nova vizinha Elizabeth lhe viu, as coisas mudaram, pela primeira vez ele era tido como uma pessoa e ainda melhor, despertou sentimentos maravilhosos na garota. Ambos começaram um romance, mas um dia ela notou que algo estava errado, acabou descobrindo a verdade sobre Stephen e surtou literalmente. Imaginem saber que seu namorado não pode ser visto por ninguém além de você? Que quando eles passeavam e ela falava, as pessoas na rua viam uma menina falando só? Loucura!

Elizabeth poderia mesmo ter desistido do namoro, mas seu irmão caçula Laurie, sempre muito sensato, ajudou na situação com bons conselhos. Juntos, estes três tornaram-se inseparáveis e tentaram a todo custo desfazer a maldição de Stephen, mas esta escolha acabou sendo de muito risco, por trás de tudo isso havia um homem mesquinho e cruel, o avô de Stephen, que não aceitava regras que não fossem as suas, para ele sua vontade era lei. Será que Stephen encontrará uma saída?

A história é original e como não tinha lido a sinopse me surpreendi quando enveredou por caminhos sobrenaturais, eu pensei que seria apenas um romance jovem ambientado em nossa realidade e que a invisibilidade de Stephen fosse algo diferente, até mesmo uma condição psicológica, vinda de um trauma.

A narrativa em primeira pessoa é alternada nas vozes de Stephen e Elizabeth, fica claro qual autor trabalhou em cada personagem, o texto de Levithan mais uma vez me impressionou, ele dá uma profundidade enorme aos sentimentos e situações, sabe sensibilizar o leitor no simples ato de alguém abrir uma porta, sua frases são categóricas e cheias de significado. Cremer por sua vez tem uma linguagem mais simples, mas o universo sobrenatural que criou é incrível, muito ousado. Os autores conseguiram unir suas narrativas com perfeição, nos dando assim uma obra bem casada e coesa.

O começo nos apresenta os personagens e a forma como vão construir suas relações, a seguir ficamos sabendo de seu passado e desejos para o futuro e finalmente chegamos ao ponto onde eles descobrem que para ter o que desejam, precisarão enfrentar grandes desafios.

Nada é previsível neste livro e me surpreendi com cada desdobramento da trama, os autores souberam nos conduzir por uma teia de acontecimentos improváveis, mas que visto pelos olhos dos personagens me deram a impressão de serem muito reais, até mesmo um relacionamento entre uma garota normal e um garoto invisível, você pode até duvidar disso, mas eles têm um namoro muito sólido.

Há muito sentimentos na história, e posso dizer que não é um livro para rir, há melancolia, tristeza e aquela sensação de mãos e pés atados, dá para sentir o desespero dos personagens em sua luta contra algo grande e perigoso demais para eles. Tudo é muito complexo.

Stephen foi meu personagem favorito, sua tristeza sem fim me pegou desprevenida e logo me envolvi em sua história, como eu queria que aquele garoto pudesse ter uma vida normal e ser feliz, que todas as injustiças que o cercavam sumissem. Fiquei muito chateada com a maneira como seu pai o tratava, ele era um menino tão doce, tão gentil, que não merecia sofrer.

“ Não sou sólido para o mundo, mas o mundo é sólido para mim. A maldição é a própria teia, tecida de modo intricado e, muitas vezes, contraditória, e foi nela que nasci. Inocente, sou um escravo de seus desgnios.”

Elizabeth me tirou do sério desde o primeiro instante, muito intrometida em alguns momentos, e egoísta em outros, ela descobriu fatos sobre si, ou melhor poderes em si,  e acabou ficando mais preocupada em aumentar este seu potencial do que com os sentimentos do garoto, chegou um momento na trama que Stephen foi ignorado por ela, deixado em segundo plano e Elizabeth focou-se em ver o mundo através de seus poderes. Talvez alguém em situação idêntica agisse da mesma maneira, mas o meu desejo de ver o melhor para o garoto me deixou muito insatisfeita com as atitudes de Liz.

"Assim como a febre faz com que o frio pareça mais frio, o amor pode tornar a solidão ainda mais solitária.”
E não posso deixar de citar Laurie, o irmão caçula de Elizabeth como a cereja do bolo, um menino que passou poucas em boas ao assumir ser gay, foi espancado por isso, mas não deixou de ser otimista. A esperança prevalece viva na história por conta dos incentivos deste menino.

É uma história incomum, que mescla o universo humano com o sobrenatural. A existência de um mundo paralelo, onde todos carregam maldições é um dos destaques, e muito assustador; Elizabeth conseguia enxergar através deste véu e nos relata detalhadamente como sentia –se nestas horas.  Se você espera ler apenas um romance esqueça, este livro tem muito mais e acaba sendo uma grande aventura, com direito até a um vilão assustador. Ao fim, parei e refleti sobre cada maldição apresentada e me surpreendi ao associar cada uma com problemas reais que encontramos diariamente.

Em suma eu gostei bastante da leitura, é um livro diferente, com uma história original, não tem final de contos de fadas, mas a escolha dos autores para o desfecho é coerente com o que foi apresentado no decorrer da trama. Recomendo e lembrem-se… Leiam David Levithan de mente aberta.

“Sou como um fantasma que nunca morreu.”





No cinema?
Pois se preparem! O livro será adaptado para a telona pela Warner Bros! A história será roteirizada por Kristina Lauren Anderson. A roteirista foi responsável pelos scripts de filmes independentes como Catherine The Great e Forever Jiyaying, este último finalista de prêmios cinematográficos como o Zoetrope.
2leep.com

34 comentários:

  1. Oi Cida..
    Já vi muitos elogios deste livro e dos autores também. Nunca li nada dos autores, mas tenho vontade.
    Gostei de saber mais sobre o livro, dá para ter uma ideia da leitura.
    Um dia eu ainda leio.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Cida, querida, fiquei interessada na leitura por conta da ótima impressão que tive do autor em Todo Dia. Mas essa história de algo sobrenatural me deixou desconfiada... geralmente não curto essa pegada, se for surreal demais acho que desencanto... Mas ainda assim, como vc se surpreendeu, quero ler.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Oi Cida tudo bem, quero muito ler esse livro me surpreendi lendo a sinopse e sua resenha, que livro diferente ainda não nada dos dois autores então será uma ótima oportunidade!
    Bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  4. Jura que a Jo te tirou do sério? kkk Amei ela e o jeitinho birrento que ela tinha. Consegui compreender o porquê dela ser assim. Gente, eu amei esse livro. Não dava nada por ele e fui arrebatada pelo texto dos autores. E quando chegou na parte sobrenatural que eu não fazia ideia de que tinha? kkk Quase surtei. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tirou sim Mi e muito, mas eu entendi a razão, no entanto nem isso me fez aprovar. Você leu Todo Dia do David? É o melhor de todos.

      Excluir
  5. Eu tinha visto essa capa por ai, mas essa foi a primeira vez que li a sinopse deste livro e uma resenha sobre ele. Gostei muito da história e espero poder ler em breve para poder realmente apreciar a leitura.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Não li o livro ainda mas fazerem um filme me preocupa, fico pensando se eles vão fazer o personagem invisivel ou não, porque esse é o primeiro ponto da história né? Alias, só lendo a sinopse e a resenhas por aí, pude perceber que é uma história fantastica, bem diferente de tudo que tem por aí.

    ResponderExcluir
  7. eu achei o livro bacana, mas o enredo dele me pareceu um pouco confuso, meio alheio a mim!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Também não imaginava que esse livro iria focar mais na parte da fantasia. Que bom que não ficou só no romance.
    Curiosa pra conferir a narrativa de David Levithan, por ele conseguir nos sensibilizar facilmente.
    Ótima resenha! Abraços!!

    ResponderExcluir
  9. Oie Cida
    assim como você, eu fui pega de surpresa pela parte sobrenatural. Era algo que eu não esperava mesmo, mas gostei.
    Amei o Stephen. Não podia ser diferente, tendo o David como criador dele rs
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, David é o pai dos personagens cativantes.

      Excluir
  10. Levithan é vida. Levithan é amor!!

    O meu chegou e pretendo ler em breve!! Pelo que você citou já vi que vou amar.

    Mas gente!! Tô chocada, o menino é invisível, o pai vai embora, a mãe morre... tragédia demais!!!

    Vou chorar né?? Já vi.

    Amei a resenha perfeita e linda como sempre!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida,
    Você sempre me deixa curiosa pelos livros do David.
    Eu não aguento ler/ver essas coisas, choro de revolta!

    Super curiosa pra ler e certamente receber a mensagem do autor de mente aberta!

    bjs e um ótimo final de semana
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  12. Oi Cida, amiga, tudo bem?
    Desculpe a demora, em retribuir suas visitas.
    Eu, ao contrário de você, já sabia da parte sobrenatural, pois já li algumas resenhas do livro, assim que ele foi lançado. Sabe do que mais gostei??? Temos dois personagens principais (salvo engano, pois ainda não li o livro): Stephen e Elizabeth, e cada um deles é escrito por um autor. Para mim, isso deu mais verdade a história, pois são duas vozes, escritas por duas mãos diferentes, como se fosse a vida real mesmo, cada um contando seu ponto de vista. Amei isso!!!!!!
    E acho que como você~e não vou gostar dela, imagine, tratá-lo dessa forma!!!!!!
    estava com saudades das suas resenhas.
    beijinhos.
    cila.

    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. E eu aqui imaginando um romancezinho de adolescente bem comum. rs.
    Nunca li nada dos autores. Apesar de ter Todo Dia em casa ainda não consegui ler. Bom, mas pelo jeito tenho que passar ele logo na frente dos outros livros, né?
    Valeu pela dica.

    bjs.

    ResponderExcluir
  14. OI, Cida! Quero ler este livro e espero gostar muito.
    Sua resenha me deixou cruriosa.

    Beijos
    www.amorliterario.com

    ResponderExcluir
  15. Gostei muito de Stephen e de Elizabeth. Espero que eles se deem bem no final S2. #VouComprar.

    ResponderExcluir
  16. Oie Cida =)

    Ainda não conheço o trabalho dos dois autores, e mesmo com todas as resenhas positivas que leio sobre as obras do David ainda não senti aquela curiosidade de ler os livros dele sabe.

    Esse livro em si parece apresentar uma premissa diferente, na verdade após ler sua resenha percebi que a história é bem diferente do que eu imaginava.

    Gostei da dica!

    Beijos e um ótimo final de semana;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  17. Gostei muito da resenha e quero ter esse livro logo pra poder conhecer um pouco mais dele

    ResponderExcluir
  18. Esse livro aparenta ser ótimo, estou louquinho para ler. Todo dia, me surpreendeu bastante com o enredo que foi maravilhoso - e pelo visto David gosta de escrever livros assim haha. Não vejo a hora de poder lê-lo e me surpreender também.
    http://sobreserieselivross.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Gostei muito de Will & Will e Todo Dia de David Levithan, estou doida pra ler esse livro desde da primeira vez que li a sinopse e cada resenha que leio dele me deixa ainda mais ansiosa pra conferi essa história bem original!

    ResponderExcluir
  20. Oi Cida, adoro as obras do David Levithan e estou doida pra ler Invisível faz tempo, a resenha e os coques só me deixaram ainda mais com vontade de ler!!! Adoreiiii

    ResponderExcluir
  21. Oi Cida, adoro suas resenhas.... e ainda mais com este livro, ta perfeita
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  22. Adoro temas surreais e não muito normais..a capa é bonitinha, e o livro parece ser bem interessante e que prenda o leitor nele, mas depende também do gosto literário da pessoa que o lê. Pela resenha eu provavelmente gostaria do livro.
    Beijos:*
    oslivrostemasas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  23. Nossa Cida, não sei se essa capa tem a ver com o enredo, mas vendo a capa eu jamais imaginaria do que se trata o livro e nem teria curiosidade em ler a sinopse! Adoro livros com toque sobrenatural e fiquei super curiosa pra conhecer a história, além disso curto muito narrativas em primeira pessoa com alternância dos protagonistas. Acho que essa história vai ficar incrível no cinema!
    Beijos... Elis Culceag. * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
  24. Todos elogiam muito a escrita de David Levithan, mas eu nunca li nenhuma obra dele (quero muito ler Todo Dia) e já li/ouvi comentários positivos sobre este livro, que me parece conter uma história bem agradável e incrível, um romance com pitada de sobrenatural, adorei, que louco namorar alguém que só você enxerga, espero lê-lo em breve, pois creio que irei gostar muito da história!!

    ResponderExcluir
  25. "Invisivel" parece ser mais um livro incrivel de devid levithan. eu gosto dessa sutileza que o autor escreve. fiquei feliz com esse segundo livro e mais feliz ainda com a noticia de que o mesmo vai virar filme!

    ResponderExcluir
  26. Pois é, Cida!!! Assim que comecei a ler a sinopse, também pensei que essa invisibilidade do protagonista era algo mais psicológico/social. Me surpreendi quando soube que tem um toque de sobrenatural. Mesmo assim, como também gosto do gênero, fiquei bem curioso pra ler. E, em se tratando de David Levithan, claro que já estaria na minha listinha de desejados.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  27. Venho lendo varios comentarios sobre a historia, e todos sao muito bons. Acho as historia que esse autor escreve todas muito boas a narrativa dele é algo impressionante! Já esta na minha lista de desejados! Parabens pela a resenha.

    ResponderExcluir
  28. Oieee.
    Falou em David Levithan eu me animo logo. Desde que li Todo Dia (que se tornou um dos meus preferidos do ano) fiquei louca pra ler todos os livros do autor.
    A história desse me parece ser bem interessante, o fato dele ser invisível me chamou a atenção.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
  29. Oi Cida,tudo bom?? Que resenha incrível menina, meus parabéns... Sou fã do trabalho do David poius ele tem uma sensibilidade pra contar uma história que me cativa e emociona. E pelo que pude perceber esse será um dos meus livros favoritos.. Meu coração doeu ao saber do sofrimeto de Stephen, coitado..além de ter a maldição, ainda é abandonado por aqueles que deviam amá-lo e protegê-lo...realmente preciso ter esse livro o mais rápido possível.

    bjs e fique com Deus

    ResponderExcluir
  30. Participando!

    E-mail: 123lmgf@gmail.com

    ResponderExcluir
  31. Andei ouvindo muitos comentários sobre esse livro. Confesso que nunca nem tinha ouvido falar sobre o autor, mas ao ler a sinopse desse livro pela primeira vez logo me interessei. Parecer ser o tipo de livro que irei gostar, amar, e que desejo muito! Rs
    Parabéns pela resenha.
    Bjs

    ResponderExcluir
  32. Quando soube desse livro, já fiquei empolgada, porque assim como voce, quando li Todo Dia, percebi o quanto Levithan é bom no que faz, escrever, já Andrea Cremer eu não conheço, mas vendo os elogios feitos à ela, não me resta dúvidas que esse livro é maravilhoso! Não imaginava que o "ser invisível" do personagem fosse uma maldição, pensei que talvez fosse uma figura de linguagem usada para classifica-lo como alguém que ninguem notava, mas não a história é melhor do que eu previa! Estou muito ansiosa e espero conseguir ler o livro o mais rápido! Excelente resenha, adorei!

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!