[Resenha] Máquina de Armas

Máquina de Armas
Título Original: Gun Machine
Autor(a): Warren Ellis
Editora: Novo Século           Páginas: 312
Lançamento: 2014               ISBN: 9788542801811
42233747 ||Compare & Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Após um tiroteio custar a vida de seu parceiro, o detetive John Tallow acaba descobrindo um apartamento repleto de armas. Cada uma delas conduz a um diferente caso de assassinato não resolvido pela polícia. Por vinte anos ou mais, alguém esteve matando pessoas e juntando as armas por um propósito inexplicável. Confrontado com a inesperada emergência de centenas de homicídios não resolvidos, Tallow logo descobre que está sendo irremediavelmente conduzido a um verdadeiro acordo com o diabo. Agora, o detetive deve procurar por um caçador que considera seus atos assassinos como um sacrifício para os velhos deuses de Manhattan e que pode, simplesmente, ser o mais prolífico serial killer da história da cidade de Nova York.
Uma simples ocorrência policial, que para dois detetives veteranos deveria ser resolvida com rapidez, acaba sendo fatal para um deles. Sozinho, John Tallow encara o corpo de seu parceiro, sem saber o que fazer, contudo naquele prédio havia mais que um  atirador maluco, existia ali um apartamento trancado como um cofre, que escondia em seu interior a maior coleção de armas já vista por toda a polícia de Nova Iorque e o pior de tudo, todas haviam sidos utilizadas em crimes não solucionados. Mesmo sofrendo pelo luto, Tallow foi incumbido daquela investigação, descobrir o segredo por trás de coleção tão macabra.

Narrado em terceira pessoa, Máquina de Armas é um livro policial diferente, não temos o crime em si e sim a arma, é só depois de testes de balística que sabemos quais foram os crimes e a partir daí o detetive Tallow consegue traçar um perfil do assassino ou assassinos, comparando o que há em comum entre cada um daqueles assassinatos ocorridos no decorrer de vinte anos. No começo não há como saber se o colecionador cometeu os crimes, mas sabemos que ele está espreitando o detetive, disposto a tudo para recuperar sua coleção, ele é chamado apenas de “Caçador”.

Tallow é um policial que gosta muito de ler, seu carro parece uma biblioteca ambulante e sua casa um depósito de livros, ele gostava muito do parceiro que morreu, mas seu ânimo como policial está bem baixo, ele na verdade trabalha por trabalhar, perdeu a garra que um dia teve. Sua entrada nesta investigação foi um ardil do departamento de polícia para se livrar dele, afinal é quase certo que nunca vá solucionar o caso, mas seja pelo choque da perda ou mesmo por pura teimosia, Tallow mergulha de cabeça nesta aventura e recruta dois peritos como parceiros, Scarly e Bat, uma dupla bem peculiar e muito divertida.

O livro tem seu clima tenso de investigação, pelos olhos do policial vemos uma Nova Iorque feia e sem glamour, banhada em sangue e muito violenta, uma cidade corrompida pela corrupção e sede de poder. Mas não pensem que este clima pesado domina a trama, Tallow possui um humor ácido e irônico e ao lado de Scarly e Bat, que têm muito pouco juízo, quebram a tensão e nos divertem com sua astúcia, piadas espirituosas e planos mirabolantes.

O autor inseriu em sua trama a cultura dos nativos americanos e suas crenças, dando assim base para loucura de seu Caçador, mas também mesclou nisso tudo a questão do dinheiro e dos jogos de poder, é uma mistura interessante. O crime em si, ou melhor os crimes e sua motivação, se revelam de maneira rápida e sem muitas reviravoltas, eu esperava mais mistério e suspense, mas mesmo assim a leitura foi boa e o desfecho  satisfatório.

É uma leitura fluida, gostei bastante do detetive Tallow e de seus ajudantes, um trio promissor que eu adoraria ver em outros livros. A história deste livro ficaria ótima nas telonas.




2leep.com

15 comentários:

  1. Não tenho o costume de ler histórias policiais, exceto um ou outro da Agatha, mas já faz um bom tempo também...
    Entretanto, sua resenha me fez ter vontade de ler este livro, pois me parece um policial meio terror e mistério, uma mistura interessante.
    Além disso, Tallow possui uma característica com a qual todos nós nos identificamos: adora ler!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Cida!
    Não conhecia o livro. E isso é bom porque sempre acontece quando visito aqui.
    Parece ser bom e só. Não me deixou desesperado, mas eu leria, sem dúvidas. Adoro narrativas ácidas e irônicas; dão um charme legal à história.
    Parabéns pela resenha!
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  3. Adoro Policiais!
    Não conhecia, mas já add na listinha.
    =)
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  4. oi Cida, que resenha legal, mesmo não sendo o meu estilo favorito, fiquei curiosa pelos pontos que você aponta!
    parece intenso!!!!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Adoro livros de suspense e policial, comecei a ter gosto pelo gênero através do meu pai, ele ama!!!! Vou indicar o livro a ele!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  6. Você sabe que sou chegada num bom policial.
    Claro que já tenho este, e logo vou ler.
    Adorei saber mais sobre ele. Gostei do Tallow, rsrs. Quero conhece-lo melhor agora!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Warren Elis é um excelente roteirista, e já me provou isso muitas vezes nos quadrinhos. Agora quero conferir como ele se sai em uma história mais longa e sem recursos ilustrativos, para ver sua escrita.
    Por sua resenha dá pra ver que ele manda bem, e se for assim mesmo, sei que irei gostar.

    Ace Barros
    Capitão do drakkar Interlúdio, navegando pelo Multiverso X
    multiversox.com.br

    ResponderExcluir
  8. Um livro policial bem diferente dos que já li, e me surpreendeu bastante, gostei da ideia do autor não escolher o crime em sim para que desvendemos mas sim a arma.
    Nunca li nada do autor então não conheço sua escrita, mas pretendo ler este livro assim que possível.

    ResponderExcluir
  9. Adoro livros com detetives, então esse vai direto pra minha listinha! Ainda bem que eu li a resenha, porque se fosse pela capa, eu não compraria!kkkk Achei bem feinha! Maaas, como o que importa é o conteúdo, eu vou ter essa beleza na minha estante, o quanto antes.

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro, mas adorei a descrição, pois gosto muito de livros policiais.
    E o autor parece abordar algo mais na história né.
    Leria com certeza.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida, achei o livro bem interessante. É diferente você ter a arma mas não saber o crime, gera um trama policial diferente. Gostaria de ler um dia.

    ResponderExcluir
  12. Curto muito livro policial, história bem interessante, fiquei doida pra ler!

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia o livro, mas história parece ser boa. Gostei da premissa então vou dar uma procurada na internet e ver se acho em um preço bom pra comprar.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Bem interessante essa história, não conheço o autor ou o livro, mas me amarro em livros policiais, com certeza é um livro que engrandece qualquer estante, achei muito legal a ideia de apresentar primeiro as armas e não o crime em si, gosto quando os autores inovam em ambientes tão recorrentes, e a ideia de um colecionador de armas de crime é fantástica, consigo imaginar mil e uma maneiras de se apresentar uma história assim, com certeza ficarei atento para o nome desse livro, se ele surgir na minha frente, com certeza irei comprar.

    Julielton Souza - Dialética Proposital

    ResponderExcluir
  15. OIIIIIIIII
    Mais um livro que eu não conhecia!
    O bom de visitar blogs é isso, vc conhece coisas novas!

    Beijinhos
    Sou eu... Pri!

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!