[Resenha] A Menina que Semeava

A Menina que Semeava
Título Original: Blue

Autor(a): Lou Aronica

Editora:  Novo Conceito      Páginas: 416
Lançamento: 2013      ISBN: 9788581632407


Chris Astor é um homem maduro, um botânico bem-sucedido, mas, especialmente, um pai amoroso. Sua filha — Becky — é, para ele, seu maior e melhor projeto. Mas a garota, tão amada, tem câncer.O que pode um pai quando sua filha foi acometida por uma doença assim, nociva? Como diminuir o sofrimento de uma criança tão amada? Apesar de sua agonia, Chris encontra uma maneira mágica de acolher sua menininha. Para que ela se recupere bem, e mais rapidamente, ele cria um mundo paralelo, cheio de fantasias, e histórias, e personagens maravilhosos que parecem ter o poder milagroso da convalescência. E nada no mundo, nem sua sanidade, nem seu trabalho, nem mesmo sua mulher serão obstáculos para a determinação deste pai que só tem o propósito de ver sua filha feliz. Uma história sobre desespero, esperança, invenção e descoberta que ultrapassa qualquer razão, qualquer limite, enquanto você revê tudo aquilo em que acredita.

Começamos este livro tendo uma visão de quatro situações diferentes: um ser misterioso que escuta o som do universo; uma princesa que perdeu os pais em um acidente e agora precisa provar, mesmo com a pouca idade, ser digna de governar seu reino, o que não é nada fácil já que o local enfrenta uma praga terrível; um homem que sofre com a distância da filha após o divórcio e uma menina que teve leucemia, curou-se, mas percebe agora, o retorno da doença. Estas histórias aos poucos vão sendo ligadas, e vemos assim, uma mescla de realidade e fantasia, símbolos de um grande amor.

Becky teve leucemia muito jovem, e durante o tratamento teve o privilégio de ter ao seu lado um pai amoroso, que foi capaz de criar um mundo de fantasia somente para ajudar sua filha neste fase complicada. Eles dividiam, noite após noite, um conto de fadas diferente, não algo tradicional com Cinderela ou Branca de Neve, e sim um mundo vindo de suas mentes, o universo de Tamarisk, com suas criaturas únicas e seus aromas doces e acolhedores.

Curada, a menina sofreu com a separação dos pais, morando com a mãe, acabou perdendo aquela cumplicidade com o pai, no entanto, um dia, Becky descobriu que seu mundo de imaginação era real, e isso aproximou pai e filha outra vez, pena que por audácia do destino, a doença retornou.

Confesso que no começo fiquei confusa com tantas situações, cada capítulo tratando de um local e de pessoas diferentes, me fez questionar se era um livro de fantasia ou não, logo que tudo foi unido, comecei então a me sentir mais tranquila e muito curiosa.

Eu adoro mundos fantásticos, e quando humanos invadem este espaço e interagem com seus habitantes, no estilo As Crônicas de Nárnia, acho fascinante, mas neste livro eu não conseguia acreditar na fantasia, por mais e mais elementos que o autor apresentasse da interação de Becky e Tamarisk, eu não fui convencida, parecia que tudo estava só na cabeça da menina,e quando o pai dela entra nesta onda, eu comecei a ver com outros olhos, como se Tamarisk fosse um refúgio da realidade, uma forma de suavizar a dura realidade de uma criança com leucemia.

A atitude do pai em relação a filha é muito bonita, mas acreditem, não me emocionei, eu atribuo o fato a questão de não ter filhos, e por isso, não foi algo que mexeu comigo, que trouxe uma identificação, possivelmente pais e mães sejam tocados de forma diferente e fiquem sensibilizados com a trama. Por outro lado, a questão do divórcio fez mais sentido, afinal sou filha, e achei muito, mas muito mesquinha a atitude da mãe de Becky ao afastar a menina do pai, se ela tinha problemas com o marido não era justo fazer da menina um cabo de guerra. De qualquer forma, a história é de amor, o amor incondicional de um pai por seu filho.

Os personagens são pessoas bem comuns, que poderíamos encontrar em qualquer lugar, não existe aqui aquela pessoa perfeita, tirando a parte de Tamarisk, suas vidas são como as nossas.

Para cada leitor, este livro trará uma interpretação diferente, é um livro que está ligado no que acreditamos e no que somos, e até mesmo no que estamos vivendo no momento. No meu caso, vi como um símbolo de fé, esperança e amor. Também de força para lutar por algo que desejamos ou por aqueles que amamos.

Eu senti falta da abordagem de alguns pontos, sinceramente um livro somente sobre Tamarisk seria interessante, mas com certeza, esta falta de esclarecimentos foi intencional por parte do autor, pois como eu disse, cada um interpreta esta história de um jeito, e ele deve ter deixado esta abertura exatamente para isso.

Um livro sensível e singelo, a leitura é rápida, mas foi uma história que não mudou nada para mim, é um livro que não mexeu comigo, não odiei, nem amei, simplesmente algo que li. Não é ruim, então leiam para tirar sua conclusões.

2leep.com

21 comentários:

  1. Oie gostei de sua resenha, mas meio que perdi um pouco de empolgação espera tbm algo como as crônicas de Nárnia, mas vou ler quem sabe não é? Sempre sou melosa talvez eu goste beijos.
    Seguindo seu blog... Dê uma passarinha no meu ;) (iniciante vc sabe como é né?)
    http://alinnegon.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Que pena que o livro não era tudo que você esperava. Não aprecio tanto assim essa mistureba de fantasia com realidade porque também tenho dificuldade de me situar na história. Quanto ao fato de você não ter se emocionado tanto com o livro porque não é mãe, não acho que esse seja o caso. Eu também não tenho filhos, mas me emocionei demais com o livro O Diário de Suzana para Nicolas, uma história que me tocou profundamente. Portanto, acho que o fato de você não ter se emocionado se relaciona a falta de entrosamento com a história e ao demérito do autor em não saber construir uma narrativa profunda e envolvente. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi! Eu gosto da mistura, mas neste livro não senti a verdadeira fantasia, aquela que nos faz querer estar em um mundo diferente, "querer entrar pela porta do guarda-roupa" por exemplo. No caso da emoção,eu também me emocionei muito no Diário de Suzana, até porque era como viver com os personagens e construir uma relação, aqui foi diferente, eu não conseguia conexão com seus objetivos, até por nunca ter estado na mesma posição. Bjos!!

      Excluir
  3. olá cida, eu tinha uma outra visão do livro, mas agora percebo que é uma leitura que pode me agradar e espero logo ler e me emocionar!

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida!
    Já te contei que comigo foi ao contrário, me surpreendi e me emocionei bastante com a história, mas concordo que é um livro que tem uma "pegada" diferenciada, onde cada qual vai se envolver (ou não) em níveis diferentes.
    Beijos... Elis Culceag. * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Elis, e como falamos, eu não consegui me colocar na pele dos personagens e sentir algo, então, o livro não fez aquela diferença pra mim. Bjos!

      Excluir
  5. Cida foi bom saber sua opinião sobre esse livro, ainda estou decidindo se investirei ou não nele.
    Achei a capa linda, mas a história ainda não me convenceu.
    Parabéns pela leitura e resenha e que pena que ele foi mais um na lista de lidos.
    Atualmente estou sentindo isso também, achar um livro que mude ou acrescente algo está cada dia mais raro (será que estamos procurando bem ou nos deixando levar pela maré???), parece que todos estão bebendo na mesma fonte.
    Bjos e te espero no Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas vezes penso o mesmo, talvez o excesso do mesmo livro esteja nos sufocando, estou tentando pegar alguns que não estão tanto na mídia, para não cair nesta maré, mas muitas vezes, é inevitável deixar de ler a sensação do momento, então vai ver estamos ficando mais exigentes, antes eu me satisfazia mais fácil. Bjos!

      Excluir
  6. Gostei da resenha e o livro parece ser mesmo muito bonito, a capa pelo menos é linda!

    bjos
    Pah
    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
  7. Adorei sua resenha *--*, vou colocar o livro na wishlist :D
    E essa capa?!?!? Hein hein?! É linda demais *-*

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Olha eu confesso que estava esperando uma resenha mais empolgada desse livro rs
    De todo modo, esse tipo de livro impacta de maneira diferente em cada pessoa, é exatamente como você disse: para alguém que já tem filhos pode ser significar muito mais que para quem não tem.

    Bom na verdade eu não tenho filhos mas espero me emocionar bastante com a história ^^

    (desconstruindoaspalavras.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir
  9. Oi Cida!
    O que mais me chamou atenção nesse livro foi a capa que achei muito bonita, li a sinopse, mas também não me chamou muito atenção fiquei curiosa mais pela parte da fantasia no enredo. Vou ler e ver se gosto! ;)

    Beijos,

    Rafa{Fascinada por Histórias}

    ResponderExcluir
  10. Olá, estou louca para ler esse livro. Ele parece ser muito tocante.

    Beijo, @_RayPereira
    http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida =D
    Li alguns capítulos desse livro e gostei bastante, só li algumas páginas para ver mais ou menos como seria o livro, mas depois parei pois já estava no meio do livro Aconteceu em Paris.
    Acho que vou me emocionar muito.

    Beijos
    http://glowofthemoonlight.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Hey flor!

    Confesso que espero muito desse livro, tô bem curiosa e tô com meu exemplar garantido por meio de troca no Skoob. Nao vejo a hora de te-lo em maos! O engraçado é que eu o julguei totalmente pela capa. Achei quer seria um sobrenatural adolescente, nao imaginava essa profundidade toda.

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi Cida,
    estou com esse livro em casa, mas confesso que não estou mto ansiosa.
    Toda vez que vejo uma resenha tenho mais certeza que não é muito meu estilo de leitura.

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi Cida :)
    Eu achei a capa desse livro muito fofinha, mas a história não mexeu muito comigo. Tanto que, na hora de solicitar, fiquei na maior dúvida e acabei solicitando só um. Eu gostei muito da sua resenha e acho que terei uma opinião parecida com a sua quando ler. Certamente não será um livro que irei amar (isso eu já tinha em mente antes - rs), mas que tmbém não vou odiar.
    Beijos
    http://www.coisasdemeninasarteiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oie amiga
    Gostei muito de sua resenha. Achei a capa linda.
    Não estou ansiosa para ler esse livro e não está na minhas prioridades agora.
    Por mais que gosto de livros que tenha fantasia a história em si não me chamou a atenção.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos

    Jéssica Rodrigues
    Leitora Sempre
    http://leitorasempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Adorei a sinopse do livro e adorei sua resenha. Muito interessante: uma mistura de sick lit com literatura fantástica e drama. Tem que ser um escritor completo para ser capaz de fazer toda essa mistura. Não sou muito fã de sick lit, mas o livro me conquistou pela forma como o pai usa a fantasia para tornar o mundo conturbada da filha em algo mais suave.

    Parabéns!!!

    Adriana Medeiros - minha Velha estante
    minhavelhaestante1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Amei a capa, a sinopse me encantou de primeira!!!
    Deve ser uma história linda!!

    ResponderExcluir
  18. Amei a capa, a sinopse me encantou de primeira!!!
    Deve ser uma história linda!!

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!