{Resenha} As Lágrimas de Shiva

As Lágrimas de Shiva
Título Original: Las Lágrimas de Shiva
Autor(a): César Mallorquí
Editora:  Biruta      Páginas: 200
Lançamento: 2009      ISBN: 9788578480448
Compare & Compre   Skoob  

Em certa ocasião, faz muito, muito tempo, eu vi um fantasma. Isto mesmo: um fantasma, uma aparição, um espírito; pode chamar como quiser, o caso é que o vi. O fato ocorreu no mesmo ano em que o homem chegava à Lua. Houve momentos em que tive muito medo como se estivesse vivendo numa novela de terror. Tudo começou com um mistério: o desaparecimento de um objeto muito valioso, perdido durante sete décadas. As Lágrimas de Shiva, assim se chamava o objeto extraviado. Vinganças, amores proibidos e estranhas desaparições, tudo envolvia o misterioso objeto. Havia um fantasma, afirmo, e um segredo muito antigo oculto nas sombras, mas aconteceu bem mais do que poderia imaginar.
Verão de 1969, Espanha. Uma família tenta passar pela recuperação de seu patrono, vítima de tuberculose. Muitas mudanças ocorrem na rotina deste lar, inclusive, devido ao risco de contaminação, a partida dos dois filhos para a casa de parentes. O filho mais velho, Alberto, ficará em Madrid, na casa de um tio, já o caçula, Javier, irá para uma cidade do interior da Espanha, Santander, viver com sua tia Adela.

Enquanto Alberto irá permanecer próximo aos pais, Javier, bem contrariado, ficará distante de todos e para seu total desalento, viverá em uma casa cheia de mulheres, pois sua tia tem quatro filhas, Margarida, Açucena, Violeta e Rosa. Ele não acha nada divertido deixar sua cidade e amigos, ainda por cima imagina a total falta de afinidade que terá com as primas, pois não as vê, há mais de cinco anos e não existe nenhum contato entre ambos. E claro, ele um apaixonado por ficção científica, acha impossível viver entre saias, maquiagem e bordados.


Assim deixamos a casa de Javier e vamos rumo à Santander, para passar as férias de verão na casa dos Obregón, uma família que ao contrário do que o menino pensa, pode ser tudo, menos tediosa. As Lágrimas de Shiva, um artefato indiano, é o maior segredo desta família, algo que está com eles, ou não, há séculos, e que traz consigo muita mágoa e dor. Caberá à Javier nos revelar o que este artefato realmente representa.


Narrado em primeira pessoa por Javier, este livro tem um clima muito gostoso e acolhedor. Da mesma forma que o menino é recebido de braços abertos na casa da tia, nós também somos, e assim podemos passar um tempo bem gostoso e nostálgico, ao lado de personagens doces e cativantes. O perfil de cada um é delineado pouco a pouco, de maneira bem detalhada e cuidadosa. Formamos em nossa mente a imagem de cada um deles, o que facilita muito o envolvimento com a história.


Durante toda a leitura, eu sentia que estava de férias, em pleno verão, cercada por um ambiente antigo e familiar, cheio de ternura e uma boa pitada de mistério, afinal a história se passa em um casarão muito antigo, com direito à um fantasma residente, em uma cidade beira mar. O autor conseguiu de maneira perfeita retratar este ambiente, me levando até lá por meio de suas palavras. Me senti uma criança que saiu da rotina e descobriu um mundo novo e fascinante, além de fazer novas amizades e aprender muito sobre lendas e história de família.


Num primeiro momento, eu pensei que a história ficaria centrada no drama da doença do pai de Javier, mas com a viagem do menino, o foco mudou totalmente. Na casa da tia, ele mergulha em uma realidade diferente da sua, lá tudo é mais calmo e segue um ritmo bem diferente da cidade grande. Ele, viciado em TV, leva um choque quando descobre que a tia não possui um aparelho destes (que naquele tempo só era preto e branco). Javier fica desesperado ao saber que não poderá ver a chegada do homem na Lua. A única diversão dele passa a ser seus livros (todos de ficção científica) e ouvir radionovelas. Gente, quando li esta cena, dei muitas risadas e imaginei como deveria ser nesta época, acompanhar uma história pelo rádio. Olhem que diferença de hoje, que   assistimos vídeos e filmes até pela internet. Minha mãe disse que era muito agradável, e que da mesma forma que imaginamos como podem ser os personagens de nossos livros, ela fazia o mesmo com suas radionovelas.


Não pensem que por ter estre cenário antigo é uma história cansativa e antiquada, pelo contrário, é muito divertida e dinâmica. Javier é um personagem fofo e torna-se um grande companheiro das primas e nosso, principalmente de Violeta. Eles protagonizam as melhores e mais hilárias cenas deste livro, pois logo de cara, um não simpatiza com o outro, brigando até por causa dos gêneros literários que cada um prefere, mas é exatamente por meio dos livros e da aparição de um fantasma que estes dois tornam -se inseparáveis.


Violeta é, entre as primas de Javier, a que mais gostei. Além de nutrir uma paixão pelos grandes romances, ela deseja ser escritora. Gosta de mostrar-se como alguém teimoso e de gênio indomável, mas logo percebemos nela, uma garota doce, sensível e romântica. Ela é também muito inteligente e curiosa. Sua energia acaba rapidinho com o tédio que Javier vivia pela falta da TV. A família Obregón inteira cativa o leitor, cada um, com seu jeitinho peculiar, representa uma parte muito importante do enredo.


E temos uma pitada de sobrenatural na história, um fantasma de uma dama desaparecida, que cisma em aparecer para Javier, exalando um forte perfume de flores e tentando mostrar algo ao menino, querendo lhe contar a história das Lágrimas de Shiva. O mistério que envolve este artefato, nos remete à uma história de amor proibido, rixas entre famílias e o sumiço de algo de muito valor.  Junto com Violeta, nosso protagonista, vai ajudar este fantasma e aprender o quanto estava enganado em relação as suas férias de verão. Uma passagem de sua adolescência para a vida adulta, que o marcaram para sempre.


"Descobri que havia sentimentos insuspeitados no meu interior,que é possível rir e chorar ao mesmo tempo, que é tão bom querer como ser querido."

Um livro infanto juvenil que dá para ler em poucas horas, e nos encanta com muita doçura e inocência. Foi um livro que eu não fazia ideia de onde me levaria, fui descobrindo com o passar das páginas, e me deparei com uma bonita história de amizade, amor e mistério.







2leep.com

13 comentários:

  1. Oi Cida, adoro mistério, romance.. Já fiquei super curiosa só de ler sua resenha.. Agora eu quero o livro ^^
    Parabéns pela resenha!]

    beijos Mila
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oie,
    nossa de olhar para a capa seria um livro que eu não leria, não conseguiria imaginar um juvenil como vc descreveu com essa capa rsrsrs

    Mas adorei

    bjo

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia, mas já adorei!!!
    Parece bem meu estilo de livro!

    Beijooos, adorei sua resenha...


    http://kastmaker.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro quando uma história nos remete à nostalgia :D
    Sempre que é assim, parece que sentimos falta daquilo que não vivemos.
    Gostei do enredo e, apesar de não achar que a história me encantaria tanto, fiquei curiosa para ler.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Gosto de livros infanto juvenil porque são aconchegantes. Fiquei curioso pelo livro, não conhecia. Adicionei logo a lista de desejados.

    ResponderExcluir
  6. Oi Cida!

    Parece ser uma história bem fofinha, não conhecia o livro e gostei da história. Os personagens me chamaram atenção e achei todos bem legais! Adorei a resenha.

    Beijos!

    Rafa {Fascinada por Histórias}

    ResponderExcluir
  7. Oie Cida :)
    A história parece bem interessante, mas não me chamou muita atenção não :/ Já você parece que amou, né?

    Beijos,
    http://www.segredosentreamigas.com/

    ResponderExcluir
  8. Amo ler livros de mistérios, ficção e romance, tudo misturado e com trama bem trabalhada. Parece-me ser o caso desse livro. Gostei muito da resenha e espero em breve ter o livro para ler.

    ResponderExcluir
  9. Oi Cida! Já te digo que não conhecia, rsrs, mas também não fiquei com muita vontade de ler, apesar de parecer ser bom.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Eu achei feia a capa (muito feia, horrível) mas provei na minha cara que a capa não pode definir o conteúdo, adorei sua resenha; seus personagens são descritos como se fossem mesmo seus. rs

    clicandolivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida!
    Ainda não conhecia esse livro.
    Gostei da sua resenha, mas acho que não o leria. Não faz muito o meu estilo literário.

    BjO
    http://www.the-sook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi flor, adorei a resenha!
    Passa no meu blog que tem meme para você!

    http://sonhando-com-livros.blogspot.com.br/2013/04/meme-literario.html

    Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Oi Cida!
    A sinopse desse livro já tinha me chamado a atenção no catálogo da Biruta, mas ainda não tive a oportunidade de ler. Pena que a capa é tão sem atrativos, não chama a atenção do público em geral. Pela sua resenha a leitura me parece uma deliciosa viagem, acho que irei conferir.
    Beijos... Elis Culceag.
    * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!