[Resenha] Ano Um

Ano Um
Título Original: Year One (Chronicles of The One #1)
Autor(a): Nora Roberts
Editora: Arqueiro                 Páginas: 400
Lançamento: 2019               ISBN: 9788580419696 
 ||Compre||     ||Skoob||  ||Goodreads||
Tudo começa na noite de Ano-Novo. A doença se alastra rapidamente. Em questão de semanas, a rede elétrica para de funcionar, as leis e o sistema de governo entram em colapso e mais da metade da população mundial é dizimada. Onde existia ordem, agora só há caos. E conforme o poder da ciência e da tecnologia diminuíam, a magia crescia e tomava o seu lugar. Uma parte dessa magia é boa, como a feitiçaria praticada por Lana Bingham no apartamento que divide com o amante, Max. Outra parte dela, no entanto, é inimaginavelmente maligna, e pode se esconder em qualquer canto, numa esquina, nos fétidos túneis sob o rio ou dentro daqueles que você mais ama e conhece… Espalham-se rumores de que nem os imunes nem os dotados estão a salvo das autoridades que patrulham as ruas devastadas, então Lana e Max resolvem deixar Nova York. Outros viajantes também seguem esperançosos para o oeste: Chuck, um gênio da tecnologia que mantém o bom humor em um mundo off-line; Arlys, uma jornalista que insiste em buscar e registrar a verdade; Fredinha, uma jovem com um otimismo que parece fora do lugar nessa paisagem desoladora; Rachel e Jonah, médica e paramédico, determinados a proteger uma jovem mãe e seus três bebês recém-nascidos. Em um mundo em que cada estranho no caminho pode representar a morte ou a salvação, nenhum deles sabe o que encontrarão. Porém, um novo horizonte os aguarda, a concretização de uma profecia ancestral que transformará a vida de todos os sobreviventes.
Ano Um é o primeiro volume da trilogia distópica de Nora Roberts, Crônicas da Escolhida, lançada no Brasil pela Editora Arqueiro. Eu leio Nora faz anos, mas sempre romances contemporâneos ou sobrenaturais. Então, desde que soube que ela havia se aventurado pelo gênero distopia, fiquei curiosa para saber o que havia feito. 

Ano Um é o volume introdutório desta série que traz a Terra sendo abalada por uma doença terrível que dizima mais da metade da população em poucas semanas. Catástrofe é o nome pelo qual a tragédia passa a ser chamada. 

A obra faz a apresentação da Catástrofe, mais precisamente como se espalhou e o que aconteceu. Não teremos explicações sobre o que é de fato ou sua origem. Há alguns acontecimentos que marcam o estopim, mas é algo bem genérico, que esclarece pouca coisa.

Na época das festas de final de ano, uma família está reunida para comemorar. Algo estranho acontece enquanto os homens da casa saem para caçar. E assim que as comemorações acabam e um dos casais segue rumo a Nova Iorque para começar o novo ano, o mundo começa a ter seu fim. O casal está doente e não sabe a praga que carrega. Por cada local que passa vai contaminando as pessoas. O homem torna-se o paciente zero, vindo a partir em menos de três dias. Logo a doença está em pleno desenvolvimento.

Os personagens que compõe a trama são muitos e divididos em núcleos. Três grupos distintos que sabemos que cedo ou tarde vão se encontrar. Os conhecemos já vivendo no meio do caos da tragédia e tentando deixar Nova Iorque para se abrigar em um local mais tranquilo e seguro. As metrópoles são os locais onde a violência vem se destacando mais a cada dia.

As pessoas que formam estes grupos são imunes a doença e não apenas isso, algumas possuem características únicas. Entre eles temos bruxas, videntes e até fadas. Seus poderes se revelaram com o surgimento da Catástrofe. Os humanos que são comuns os culpam pela tragédia e os perseguem para matar. Nem todos os imunes têm seus dons e poderes revelados, então não sabemos o que são e o que podem fazer.

Um grupo é o de Lana e Max, que são os bruxos. Arlys é uma jornalista que segue com sua estagiária e um hacker formando outro grupo. Rachel e Jonah são médicos que resgatam uma mãe e três bebes.

Ao longo do caminho arrebanham mais pessoas e cada grupo vai sendo desenvolvido pela autora de maneira independente, mas como mencionei, tendem a se encontrar. Eu particularmente gostei de membros específicos de cada grupo, para mim a unanimidade em carisma foi o time de Rachel e Jonah.  No entanto, são os bruxos que mais surpreendem.

Apesar de não ser o gênero que comumente Nora escreve, a narrativa dela é a de sempre, ou seja, possui a mesma estrutura e cadência. Se você leu muitos livro dela, sabe como seus personagens dialogam e são excessivamente otimistas. Ano Um repete a fórmula.

Eles vão lutar para sobreviver, embora a forma de salvar a humanidade seja uma incógnita. Ao que tudo indica, existe uma profecia em curso, mas apenas no final a mesma é inserida com maiores detalhes.

A livro é bastante introdutório, com um ritmo lento na maior parte do tempo. Só que ao invés desse ritmo deixar o leitor cansado, o que faz é deixar mais e mais aflito. Deixa no ar um suspense, um medo latente que contagia personagens e o leitor.

O que mais aflige é a forma como Nora evidencia o efeito da Catástrofe no mundo e, acima de tudo, no comportamento do homem. Eu fiquei pensando muito neste efeito e acredito que seria, sim, possível, ver no mundo uma pessoa se virando contra a outra em um piscar de olhos ao invés de se ajudar. É terrível imaginar viver nesse cenário, onde não sabemos se tudo é desespero ou uma desculpa para as pessoas serem más. O que um humano faz contra o outro é mais chocante que a doença.

Nora conseguiu iniciar bem sua série distópica, trazendo um cenário vivo, uma realidade crível e emoções palpáveis para nos envolver. Os personagens que representam aqueles que ainda acreditam no bem e em ajudar, são fortes, corajosos e cheios de ousadia para seguir em frente. Eu espero que nos próximos volumes ela os mantenha vivos, neste livro um deles já foi levado.

A história é ótima, me envolveu totalmente e posso dizer que a autora me cativou nesta nova empreitada. Apreciei muito ela não nos inserir direto no mundo após a Catástrofe, geralmente em obras do gênero já nos deparamos com os personagens vivendo a nova realidade e lembrando como o mundo foi um dia. Nora fez diferente, ela destruiu o mundo antes e está nos conduzindo para o que ele vai se tornar. Um artifício excelente, que faz o leitor ter a sensação de ser parte desta história. Recomendo!




  



2leep.com

13 comentários:

  1. Oiii Cida

    Eu to super curiosa pra conferir a Nora estreando na distopia. Já li a distopia da Cecelia Ahern e amei demais, achei que a autora mandou super bem e a Nora tb sinto que pode me encantar, só tenho receio desse ritmo mais intrdutório e lento, espero quer tb não seja cansativo pra mim, mas sim intrigante.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Olá :)
    Adoro a Nora Roberts, aliás neste momentos estou a ler um livro dela: Fumo Azul.
    Acho admirável que a autora se reinvente, procure novos desafios para lá da sua zona de conforto, que acredito ser o romance contemporâneo. Estou desejosa de por as mãos neste livro.
    Beijinho
    Mundo da Fantasia

    ResponderExcluir
  3. Olá, Cida.
    Tenho bastante curiosidade com esse livro. Já li romances contemporâneos e de época, policiais e sobrenaturais da autora, vamos ver como ela se sai na distopia. O enredo é basicamente o mesmo de muitos livros que já li, mas não me importo com isso. E sempre que leio livros assim vejo que a maior ameaça é sempre o ser humano. Triste.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi Cida,
    Já li muitos livros da Nora, mas sempre romances, fiquei na dúvida se apostava nessa distopia ao não, e acabei não comprando, mas pelo que li na sua resenha o enredo parece ser bem interessante e a Nora manteve a sua maneira de escrever. Acho que vou arriscar e ler essa série ;)
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa | Facebook | Twitter | Instagram

    ResponderExcluir
  5. Oi,
    Hmmmm, acho que nunca li um livro da autora, mas já tentei, e a leitura não fluiu.
    Eu ainda quero ler algum livro dela, mas lendo sua resenha eu percebi que este não é o melhor para eu me aventurar, acho que tentarei os romances, adoro romances!
    Ótima resenha

    Beijos Mila

    Daily of Books Mila

    ResponderExcluir
  6. Oi, Cida!
    Estou ansiosa por esse livro, mas fiquei com trauma desse papo otimista desde a Annika da trilogia Os Guardiões
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  7. Oi Cida,
    Achei bem legal os seres e os personagens destacados... tem até bruxas e fadas, adoro.
    Quero ler.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  8. Oi Cida, sempre me impressiono como a Nora é uma autora versátil!! Que bom que vc curtiu a leitura!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Oi, Cida

    Estou quase terminando e estou gostando bastante. Apenas acho que não é uma distopia, pelo menos não por enquanto. Está mais para fantasia urbana.
    Achei a construção da narrativa muito inteligente, foi uma boa surpresa.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  10. mt legal saber que essa autora esta com essa serie distópica, fiquei bem curiosa pra ler

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  11. Oi Cida, tudo bem?
    Curto bastante a literatura da Nora, mas esse livro ainda não li. Valeu pela dica!
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?
    Sempre que vejo um livro lançado pela Nora fico curiosa pra ler e como adoro distopias minha vontade duplicou.
    Adorei a resenha. Fiquei morrendo de vontade de conhecer a história.

    Beijos
    Eliana
    https://construindoestante.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Oi Cida,

    Nunca li nada da autora, mas gosto dessa diversidade dos livros dela.
    Por ser uma distopia, com certeza já quero ler!

    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

Sua participação é muito importante.

Um grande beijo!